Banner Portal
“Operação Lisístrata”: do teatro ao ato. A recepção da comédia de Aristófanes nos anos de chumbo da ditadura brasileira
PDF

Palavras-chave

Aristófanes. Lisístrata. Ditadura Brasileira. Ruth Escobar. Millôr Fernandes. Jorge Amado. Tereza Batista Cansada de Guerra. Augusto Boal. Mulheres de Atenas.

Como Citar

DUARTE, Adriane da Silva. “Operação Lisístrata”: do teatro ao ato. A recepção da comédia de Aristófanes nos anos de chumbo da ditadura brasileira. Phaos: Revista de Estudos Clássicos, Campinas, SP, n. 15, 2016. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/phaos/article/view/9453. Acesso em: 26 maio. 2024.

Resumo

O artigo analisa a recepção que a comédia Lisístrata, de Aristófanes, teve no Brasil durante a ditadura militar, mais especificamente entre os anos de 1967 e 1976. A montagem de Lisístrata (1967), com tradução de Millôr Fernandes e Ruth Escobar no papel principal, teria inspirado um discurso do deputado Moreira Alves (MDB/GB) que serviu de pretexto para a promulgação do AI-5, marco do recrudescimento da ditadura brasileira. Em 1972, Jorge Amado publica Tereza Batista Cansada de Guerra, romance em que a personagem homônima encarna em certos aspectos a heroína aristofânica. Em 1975, Augusto Boal, então no exílio, escreve a peça Lisa, a mulher libertadora, inspirada em Lisístrata. O interesse que a comédia de Aristófanes suscita em nomes expressivos na luta contra governos autoritários sugere que, no Brasil,  a personagem tornou-se um símbolo da luta libertária no período da ditadura.

PDF

Referências

Almeida Prado, D. de. “Lisístrata”, no Teatro Galpão. In: O Estado de São Paulo, Geral, 21/01/1968, 19. Disponível em: http://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/19680121- 28460-nac-0019-999-19-not . Acessado em 03 de maio de 2016.

Amado, J. (2008). Tereza Batista Cansada de Guerra. São Paulo: Cia das Letras.

Aristófanes (2005). Duas comédias: Lisístrata e As tesmoforiantes. Tradução, apresentação e notas de Adriane da Silva Duarte. São Paulo: Martins Fontes.

Aristófanes (2003). A Greve do Sexo. Lisístrata. Tradução de Millôr Fernandes. Porto Alegre: L&PM.

Gaspari, E. (2002). A ditadura envergonhada. São Paulo: Companhia das Letras.

Gouvêa, L. V. B. (2006). Maurice Vaneau. Artista Múltiplo. São Paulo: Imprensa Oficial.

Kushnir, B. (2004). Cães de guarda. Jornalistas e censores, do AI-5 à Constituição de 1988. São Paulo: Boitempo.

Oliveira, D. de. (2010). Minha Vida no Teatro. São Paulo: Leya.

Pádua, T. S. (2012). O Ato Institucional nº 5 e o Supremo Tribunal Federal como seu “Banco de Prova”: o processo da ‘greve do sexo’ no STF. In: Observatório da Jurisdição Constitucional, Ano 5, v. 2, 1-30. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.idp. edu.br/observatorio/article/viewFile/660/547. Acessado em 02/05/2016.

Pitts, B. (2014). “O sangue da mocidade está correndo”: a classe política e seus filhos enfrentam os militares em 1968. In Revista Brasileira de História, vol.34, n. 67, pp. 39-65. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882014000100003. Acessado em 02 de maio de 2016.

Rodrigues, E. S. (2015). O embate além do sangue e da carne de Ruth Escobar: facetas de uma guerreira. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Teatro, no Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Teatro. Florianópolis. Disponível em: http://www.ceart.udesc.br/ ppgt/teses/2015/tese_eder_rodrigues.pdf. Acessado em 03 de maio de 2016.

Al someter textos a PhaoS, sus autores deben ser conscientes de que, si se aprueban para publicación, la revista tendrá sobre ellos todos los derechos de autor pertinentes. Los originales no se devolver. La revista adopta la Licencia de Creative Commons internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.