Banner Portal
Comédia latina: a tradução como reescrita do gênero
PDF

Palavras-chave

Comédia latina. Odisséia.

Como Citar

GONÇALVES, Rodrigo Tadeu. Comédia latina: a tradução como reescrita do gênero. Phaos: Revista de Estudos Clássicos, Campinas, SP, n. 9, 2011. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/phaos/article/view/9447. Acesso em: 24 jun. 2024.

Resumo

A assim chamada Comédia Nova desenvolve-se em Roma ao longo dos séculos III e II a.C., no alvorecer do período literário romano, iniciado por volta de 240 a.C. por uma tradução da Odisséia para o latim feita pelo ex-escravo Lívio Andronico, proveniente de Tarento, ex-colônia grega. Ao longo desse período, autores como Ênio, Névio, e mesmo Lívio, dos quais sabemos apenas através de fragmentos de suas obras e de menções feitas a eles por autores contemporâneos e posteriores, compuseram poemas épicos, tragédias e comédias, muitas vezes influenciados fortemente por modelos gregos, quando não traduzidos diretamente de originais gregos.
PDF

Referências

ANDERSON, William S. Barbarian Play: Plautus’ Roman Comedy. Toronto: University of Toronto Press, 1993.

ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética Clássica. Trad. de Jaime Bruna. São Paulo: Cultrix, 1997.

BAKHTIN, Mikhail (V. N. Volochínov). Marxismo e Filosofia da Linguagem. Problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 11ª ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

BAKHTIN, Mikhail (V. N. Volochínov). A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento. O contexto de François Rabelais. Trad. Yara Frateschi. 4ª ed. São Paulo-Brasília: Hucitec, 1999.

BAKHTIN, Mikhail (V. N. Volochínov). Estética da Criação Verbal. Trad. do francês: Maria Ermantina Galvão G. Pereira. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BAKHTIN, Mikhail (V. N. Volochínov). Problemas da poética de Dostoievski. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Ed. ForenseUniversitária, 1981.

BAKHTIN, Mikhail (V. N. Volochínov). Questões de literatura e estética. A teoria do romance. Trad. Aurora Fornoni Bernadini, José Pereira Júnior, Augusto Góes Júnior, Helena Spryndis Nazário e Homero Freitas de Andrade. 3ª ed. São Paulo: Hucitec, 1993.

BARSBY, John (ed.) Plautus. Bacchides. Warminster: Aris&Phillips, 1986.

BARSBY, John (ed.) Plautus. “Problems of adaptation in the Eunuchus of Terence”. In: SEGAL, Erich (ed.), Oxford Readings in Menander, Plautus and Terence. Oxford: University Press, 2001.

BEARE, William. The Roman Stage: a short history of Latin drama in the time of the republic. London: Methuen & Co. Ltd., 1964.

CAMPOS, Haroldo de. Metalinguagem e Outras Metas. São Paulo: Cultrix, 1992a.

CAMPOS, Haroldo de. “Odorico Mendes: Patriarca da Transcriação”. In: Homero Odisséia. São Paulo: Edusp / Ars Poética, 1992b, pp. 11-18.

CARDOSO, Isabella Tardin. Estico de Plauto. Edição Bilingüe. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

CARDOSO, Isabella Tardin. “Ilusão e engano em Plauto”, in: CARDOSO, Z. A.; DUARTE, A. S. (orgs). Estudos sobre o teatro antigo. São Paulo: Alameda, 2010, pp. 95-126.

CASSIN, Barbara. O efeito sofístico: Sofística, filosofia, retórica, literatura. Tradução: Ana Lúcia de Oliveira, Maria Cristina Franco Ferraz e Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, 2005.

CONTE, Gian Biagio. The Rhetoric of Imitation. Ithaca: Cornell University Press, 1996.

CONTE, Gian Biagio. Latin Literature. A History. Translated by Joseph Solodow. Baltimore and London: The John Hopkins University Press, 1999.

CORREIA, Damares Barbosa. O Mercador de Plauto: Estudo e Tradução. Dissertação de Mestrado. São Paulo: FFLCH, USP, 2007. Disponível em http://www.teses.usp.br/ teses/disponiveis/8/8143/tde-14052008-150613/

COSTA, Lílian Nunes da. Mescla de Gêneros na “Tragicomédia” Anfitrião de Plauto. Dissertação de Mestrado. Campinas: IEL, UNICAMP, 2010.

DUCKWORTH, George E. The Nature of Roman Comedy. A Study in Popular Entertainment. New Jersey: Princeton University Press, 1971.

EURÍPEDES e ARISTÓFANES, Teatro Grego. Um Drama Satírico: O Ciclope. e Duas Comédias: As Rãs e as Vespas. Tradução de Junito de Souza Brandão. Rio de Janeiro: Editora Espaço e Tempo, 1986.

FLEMING, Rudd. “Of contrast between tragedy and comedy”. The Journal of Philosophy. Vol. 36, No. 20, 1939. pp. 543-553.

FUJIHARA, Álvaro Kasuaki. Aspectos tradutórios em Terêncio. Monografia de conclusão de curso. UFPR, 2006, inédita.

GONÇALVES, Rodrigo Tadeu. Perpétua prisão órfica ou Ênio tinha três corações: o relativismo lingüístico e o aspecto criativo da linguagem. Tese de doutorado, UFPR, 2008.

GONÇALVES, Rodrigo Tadeu. “Linguagem, sofística e tradução: a atividade performativa e constitutiva da tradução na literatura latina dos séculos III e II a.C.” In: SILVIA, S. Calosso. (Org.). XXI Simposio Nacional de Estudios Clásicos - Asociación Argentina de Estudios Clásicos - Universidad Nacional del Litoral. 1 ed. Santa Fe - Argentina: CMED, 2010.

HANDLEY, Eric W. Menander and Plautus – a Study in Comparison. London: HK Lewis, 1958.

HARRISON, Stephen. A companion to Latin Literature. Malden, MA: Blackwell Publishing, 2007.

HUNTER, R. L. The New Comedy of Greece and Rome. Cambridge: University Press, 1985.

KNOX, Bernard. “Euripidean Comedy”. In: SEGAL, Erich (ed.) Oxford Readings in Menander, Plautus and Terence. Oxford: University Press, 2001.

LEFEVERE, André. Tradução, reescrita e manipulação da fama literária. Trad. Claudia Matos Seligmann. Bauru: Edusc, 2007.

LEIGH, M. Comedy and the Rise of Rome. Oxford: University Press, 2004.

LUDWIG, Walther. “The Originality of Terence and His Greek Models”. In: SEGAL, Erich (ed.) Oxford Readings in Menander, Plautus and Terence. Oxford: University Press, 2001.

MARSHALL, C. W. The Stagecraft and Performance of Roman Comedy. Cambridge: University Press, 2006.

MENANDER. The Plays and Fragments. Oxford’s World Classics. Trad. Maurice Balme. Oxford: University Press: 2001.

MENANDRO. Obra Completa. Introdução, tradução do grego e notas de Maria de Fátima Sousa e Silva. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2007.

PANAYOTAKIS, Costas. “Comedy, Atellane Farce and Mime”. In: HARRISON, Stephen. A companion to Latin Literature. Blackwell Companions to the Ancient World. Malden, MA: Blackwell Publishing, 2007.

PEREIRA, Maria Helena da Rocha., Estudos de História da Cultura Clássica II. Cultura Romana. 3.ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

PLAUTO e TERÊNCIO. A Comédia Latina (Anfitrião, Aulularia, Os Cativos, O Gorgulho, Os Adelfos, O Eunuco). Tradução de Agostinho da Silva. Rio de Janeiro: Ediouro, 1982.

PLAUTO. As Bacanas. Tradução de Newton Belleza. Rio de Janeiro: Emembê, 1976.

PLAUTUS, T. Maccius. Bacchides (Plauti Comoediae. Vol. 1, ed. F. Leo, 1895), edição do software Diógenes.

PLAUTUS. With an English translation by Paul Nixon. The Loeb Classical Library. Harvard: University Press, 1916.

PLAVTVS. Bacchides. Nota introdutiva e testo critico di Cesare Questa. Firenze: Sansoni Editori: Firenze, 1975.

RODRIGUES, Cristina Carneiro. Tradução e diferença. São Paulo: Editora da Unesp, 2000.

SCHLEIERMACHER, Friedriech. “Sobre os Diferentes Métodos de Tradução” [1813]. Tradução de Margarete von Mühlen Poll. In: HEIDERMANN, Werner (Org.). Antologia Bilíngüe. Clássicos da Teoria da Tradução. Volume I: Alemão-Português. Florianópolis: UFSC, Núcleo de Tradução, 2001.

SEGAL, Erich (ed.). Oxford Readings in Menander, Plautus and Terence. Oxford: University Press, 2001.

SEGAL, Erich. Roman Laughter – The Comedy of Plautus. Oxford: University Press, 1987.

SYED, Yasmin. “Romans and Others”. In: HARRISON, Stephen. A companion to Latin Literature. Malden, MA: Blackwell Publishing, 2007.

TERENCIO. Comedias. Andria, El Verdugo de sí mismo, El eunuco, Formion, La Hecyra, Los hermanos. Trad. Pedro A. Voltes Bou. Barcelona: Rafael Salva, 1953.

TERÊNCIO. Comédias: Andria, Eunuco, Heautontimorumenon, Adelfos. Tradução clássica portuguesa de Leonel da Costa Lusitano. São Paulo: Edições Cultura, 1945.

TRAINA, Alfonso. Vortit barbare. Le traduzioni poetiche da Livio Andronico a Cicerone. Seconda edizione riveduta e aggiornata. Roma: Edizioni dell’Ateneo, 1974.

Al someter textos a PhaoS, sus autores deben ser conscientes de que, si se aprueban para publicación, la revista tendrá sobre ellos todos los derechos de autor pertinentes. Los originales no se devolver. La revista adopta la Licencia de Creative Commons internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.