Banner Portal
Quando jaboti inventou a vagina
PDF

Palavras-chave

Araweté
menarca
abertura corporal
sangue
gênero

Como Citar

DE CAUX, Camila Becattini Pereira. Quando jaboti inventou a vagina: abertura corporal entre os Araweté. Maloca: Revista de Estudos Indígenas, Campinas, SP, v. 5, n. 00, p. e022006, 2022. DOI: 10.20396/maloca.v5i00.15835. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/maloca/article/view/15835. Acesso em: 17 abr. 2024.

Resumo

Antes, não havia vaginas. O artigo vai narrar um episódio contado a mim por um velho da etnia Araweté, povo que fala um idioma da matriz Tupi-Guarani, habitante do Médio Xingu. Nele, o jaboti mítico trouxe as vaginas do poente, dando origem às mulheres e ao sexo. Abordarei, a seguir, a necessidade de ingerir a infusão de iwirara após a menarca, relacionando este momento com outras duas ocasiões de abertura corporal: o parto e o homicídio (quando ainda se faziam guerras). Tratarei, enfim, do estado de abertura que constitui o corpo feminino, e, enfim, em que sentido um corpo aberto engendra brechas para comunicação com outras agências do cosmos.

https://doi.org/10.20396/maloca.v5i00.15835
PDF

Referências

Baldus, Herbert. 1970. Tapirapé: tribo tupi no Brasil Central. São Paulo, Companhia Editora Nacional.

Belaunde, Luisa Elvira. 2005. El recuerdo de luna: genero, sangre y memoria entre los pueblos amazonicos. Lima: Fondo Editorial de la Faculdad de Ciencias Sociales – UNMSM.

Clastres, Pierre. [1974] 2003. “De que riem os índios?”. In: A Sociedade contra o Estado, pesquisas de antropologia política. São Paulo, Cosac & Naify: 147-172.

Coelho de Souza, Marcela. 2004. “Parentes de sangue: incesto, substância e relação no pensamento timbira”. Mana. 10(1): 25-60. https://doi.org/10.1590/S0104-93132004000100002

Cohn, Clarice. ”Crescendo como um Xikrin: uma análise da infância e do desenvolvimento infantil entre os Kayapó-Xikrin do Bacajá”. Rev. Antropol. [online]. 2000, vol.43, n.2, pp. 195-222 . https://doi.org/10.1590/S0034-77012000000200009script=sci_arttext&pid=S0034-77012000000200009&lng=en&nrm=iso>.

Gallois, Dominique. 1988. O movimento na cosmologia waiãpi: criação, expansão e transformação do universo. Tese de Doutoramento em Antropologia Social, USP, São Paulo, SP, Brasil.

Garcia, Uirá. 2010. Karawara: a caça e o mundo dos Awá-Guaja. Tese de Doutoramento, PPGAS da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, São Paulo, SP, Brasil.

Grenand, Françoise. 1984. “La longe attente ou la naissance à la via dans une société Tupi (Wayãpi du Haut Oyapock, Guyane Française). Sociéte Suisse des Américanistes, Musée et Institut d’ethnographie / Bulletin 48.

Erikson, Philippe. “Altérité, tatouage et anthropophagie chez les Pano : la belliqueuse quête du soi”. In: Journal de la Société des Américanistes. Tome 72, 1986. pp. 185-210. DOI : https://doi.org/10.3406/jsa.1986.1003

Fausto, Carlos. 2001. Inimigos Fiéis. História, guerra e xamanismo na Amazônia. São Paulo : Editora da Universidade de São Paulo

Fernandes, Florestan. 1989. Organização social dos Tupinambá. São Paulo: Ed. Hucitec.

Heurich, Guilherme Orlandini. 2015. Música, morte e esquecimento na arte verbal araweté. Tese de doutorado, Museu Nacional, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Heurich, Guilherme Orlandini, 2020. « Broken words, furious wasps. How should we translate the sonic materiality of Araweté ritual singing? », Journal de la Société des américanistes, 106-1 | 2020, 105-126. https://doi.org/10.4000/jsa.18302

Hugh-Jones, Christine. 1979. From the Milk River: Spatial and Temporal Processes in North- west Amazonia. Cambridge: Cambridge University Press. 1979.

Huxley, Francis. 1963. Selvagens amáveis: Um antropologista entre os índios Urubus do Brasil. Editora: Companhia Editora Nacional Acabamento

Kakumasu, Kiyoko. 1985. “Urubu-Kaapor girl’s puberty rites”. In: Merrifield, William R. (Ed.). Five amazonian studies: on world view and cultural change. Dallas : International Museum of Cultures. p. 79-94.

Lagrou, Elsje Maria. 1998. Caminhos, duplos e corpos. Uma abordagem perspectivista da identidade e alteridades entre os Kaxinawa. Tese de Doutorado, PPGAS, USP, São Paulo, SP, Brasil.

Mata, Roberto da. 1976. Um Mundo Dividido: a estrutura social dos Índios Apinayé. Petrópolis: Editora Vozes.

Maccallum, Cecilia. Gender and Sociality in Amazonia: How Real People are Made. Oxford: Berg. 2001.

Pissolato, Elizabeth de Paula. 2007. A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamanismo mbyá (guarani). São Paulo/Rio de Janeiro: ISA/Editora Unesp/NuTI.

Rodgers, David. 2002. “A soma anômala: a questão do suplemento no xamanismo e menstruação Ikpeng”. Mana, Rio de Janeiro , v. 8, n. 2, p. 91-125, Oct. 2002.

Schaden, Egon. 1962. Aspectos Fundamentais da Cultura Guarani. SP: Difusão Européia do Livro.

Sztutman, Renato. 2005. O profeta e o principal. A ação política ameríndia e seus personagens. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Taylor, Anne-Christine. 2000. "Le sexe de la proie: représentations jivaro du lien de parenté". L'Homme, 154-155:309-334. https://www.jstor.org/stable/40661779

Viveiros de Castro, Eduardo. 1992. From the enemy’s point of view: humanity and divinity in an Amazonian Society. Chicago and London: Chicago University Press.

Viveiros de Castro, Eduardo. 1986. Araweté, os Deuses Canibais. Rio de Janeiro: Zahar/Anpocs

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Camila Becattini Pereira de Caux

Downloads

Não há dados estatísticos.