O gênio e o copiador de cavalos ou Almeida Reis e Chaves Pinheiro: Originalidade e cópia na escultura brasileira oitocentista

Authors

  • Alberto Martín Chillón Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/figura.v6i1.9961

Abstract

Sob os qualificativos “gênio”e “copiador de cavalos”se encontram dois dos principais escultores cariocas do século XIX, Cândido Caetano de Almeida Reis e Francisco Manuel Chaves Pinheiro, os dois polos em torno dos quais se tem entendido a escultura oitocentista: a produção acadêmica como simples cópia e as propostas “modernas”que tentavam modificar o fazer acadêmico.No presente artigo tentamos entender como este binômio acadêmico/moderno ou cópia/originalidade tem moldado o entendimento da escultura, analisando as construções historiográficas, os silêncios e escolhas que privilegiam a personalidade do artista, a criação individual como elemento moderno. Trata-se de um discurso muito mais baseado na historiografia que no conhecimento e na observação direta das obras destes artistas, dispersa e em muitos casos desconhecida, contemplada sob o termo genérico e redutor de acadêmico, que elimina qualquer tipo de individualidade.

Downloads

Download data is not yet available.

Published

2019-08-08

How to Cite

Chillón, A. M. . (2019). O gênio e o copiador de cavalos ou Almeida Reis e Chaves Pinheiro: Originalidade e cópia na escultura brasileira oitocentista. Figura: Studies on the Classical Tradition, 6(1), 33–67. https://doi.org/10.20396/figura.v6i1.9961