Banner Portal
Pathosformel do luto
O encontro do cristianismo com a cultura greco-romana produziu pontos de convergência e de dispersão, de aproximações e distanciamentos. Assim, o nascente pensamento cristão foi se conformando, a partir de suas origens judaicas, rumo à conjunção com as matrizes pluriculturais da tradição clássica que reunia diversos povos, línguas, crenças e culturas.  Partindo-se do texto cristão “No princípio era o Verbo, e o Verbo era Deus” (Jo 1, 1), deparamo-nos com a afirmação de Hans Belting de que, ao traduzir o amplo conceito grego de logos para a palavra latina verbum, São Jerônimo teria fundamentado a canonização da palavra para o cristianismo. A partir de então, teria se fortalecido no seio da religião a ênfase no texto e no discurso, conforme se percebe em diversas vertentes cristãs ainda na contemporaneidade.  Não obstante, não se pode esquecer que “o Verbo se fez carne, e habitou entre nós” (Jo 1, 14). Deste modo, essa “carne” pressupõe uma presença física palpável e, particularmente, visível: uma imagem. A noção latina de imago, fundamental para a antropologia cristã, encontra sustentação no próprio texto bíblico que, já no livro do Gênesis, afirma que o homem foi feito à imagem e semelhança de Deus (Gn 1, 26).  A partir de tais elementos, o cristianismo constitui-se basilarmente, portanto, como uma religião da palavra, mas também das imagens. Trata-se de uma doutrina concebida no interior da cultura clássica e, por consequência, amplamente influenciada por essa tradição.  A tradição clássica ocidental trata justamente da recepção dessa antiguidade greco-romana pelas sociedades que as sucederam. Essa recepção versa, dessa forma, sobre os textos, imagens, objetos, ideias, instituições, arquitetura, rituais e práticas culturais diversas. Em vista disso, este dossiê propõe a apresentação de artigos que tratem da cultura cristã de forma abrangente, dentro de um recorte espaço-temporal amplo, e que considerem essas relações, contatos, influências e apropriações entre a tradição clássica e a cultura cristã.     The classic and its appropriations in the Christian tradition  As Christianity met Greco-Roman culture, it created both convergence and dispersion, proximity and distance. Christian thought, therefore, was conformed among its Jewish origins and pluricultural elements from a classical tradition that gathered different people, languages, beliefs, and cultures.  “In the beginning was the Word, and the Word was God” (John 1, 1). Hans Belting stresses that when Saint Jerome translated the broad Greek concept logos into verbum, he settled the canonization of the word to Christianity. From that time on, Christian religion would stress the importance of text and speech, as we may perceive in Christian groups still nowadays.  Nevertheless, we cannot forget that “The Word became flesh and made his dwelling among us” (John 1, 14). “Flesh” therefore implies a physical, palpable presence and, particularly, a visible one: the Latin concept of imago, essential to Christian anthropology, is justified by the biblical text itself, as already in Genesis we find out that man was made in God’s image and likeness (Gn 1, 26).  Christianity, therefore, was conceived as a religion both of words and images. As it is a doctrine conceived within the classical culture, it is, then, broadly influenced by such tradition.  Western classical tradition hinges precisely on the reception of Greco-Roman antiquity by later societies. This reception may be perceived in texts, objects, ideas, institutions, architecture, rituals, and different cultural practices. This dossier, therefore, aims to gather papers regarding Christian culture broadly, within a wide spatial-temporal frame, considering such possible relations, contacts, influences, and appropriations between classical tradition and Christian culture.
PDF

Keywords

Aby Warburg
Pathosformeln do luto
Atlas mnemosyne
Lamentação fúnebre na arte

How to Cite

WEDEKIN, Luana Maribele; MAKOWIECKY, Sandra. Pathosformel do luto: apropriação cristã das imagens pagãs de lamentação fúnebre. Figura: Studies on the Classical Tradition, Campinas, SP, v. 10, n. 1, p. 66–105, 2022. DOI: 10.20396/figura.v10i1.16057. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/figura/article/view/16057. Acesso em: 19 apr. 2024.

Abstract

The article aims to answer the call of the dossier The Classic and its Appropriations in the Christian Tradition through the notion of pathosformel of mourning, derived from the thought of Aby Warburg. In philological logic, the literary and visual sources of the pathosformel of mourning are articulated in Renaissance works reproduced in the Atlas Mnemosyne. The theatre of mourning appears here in a funerary urn and an ancient sarcophagus, which together with The Bacchae of Euripides, provide the link of the ancient with the themes of mourning under the cross, the deposition and burial of Christ in the Renaissance works of Donatello, Bertoldo di Giovanni and Giorgio Vasari, added to the bourgeois funeral lamentation in a relief of Andrea del Verrochio. As a conclusion, we see the spectrum of the expression of funeral lamentation in the art of the Renaissance, also noting the process of energetic inversion in which the maenads in orgiastic abandonment in pagan tragedy become Christian dolents. The study of the images reveals, finally, the power of the expressive formula to manifest the experiences of human commotion.

https://doi.org/10.20396/figura.v10i1.16057
PDF

References

AGAMBEN, Giorgio. Ninfas. Coleção Bienal. São Paulo: Hedra, 2012.

ALBERTI, L. B. Da pintura. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2014.

BORDIGNON, Giulia. “L’Espressione antitética in Aby Warburg: la polarità semantica dei gesti dalle Pathosformeln all’ arte del Rinascimento”. Engramma, n. 32, ap. 2004. Disponível em: http://www.engramma.it/eOS/index.php?id_articolo=2675 Acesso em: 14/01/2022.

DERRIDA, Jacques. Mal de Arquivo: uma impressão freudiana. Relume-Dumara, 2001.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Imagens apesar de tudo. Tradução de Vanessa Brito e João Pedro Cachopo. Lisboa: KKYM, 2012.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Ninfa dolorosa: Ensayo sobre la memoria de um gesto. Valencia: Ediciones Shangrila, 2021.

EURÍPEDES. As bacantes. São Paulo: Hedra, 2010.

FERNANDES, Cássio. “Introdução: Sobre uma conferência autobiográfica de Aby Warburg”. In: WARBURG, Aby. A presença do antigo. Campinas: Editora da UNICAMP, 2018. p. 11-34.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GINZBURG, Carlo. “Le forbici di Warburg”. In: CATONI, M.L.; GINZBURG, C.; GIULIANI, L.; SETTIS, S. Tre figure: Achille, Meleagro, Cristo. Milano: Feltrinelli, 2013. p. 109-132.

RÉAU, Louis. Iconografia del Arte Cristiano: Iconografia de la Bíblia - Nuevo Testamento, Tomo 1/Vol. 2. Barcelona: Ediciones del Serbal, 1996.

SACCO, Daniela. Ninfa e Gradiva: dalla percezione individuale alla memoria storica sovrapersonale. Cahiers d’Études Italiennes, n. 23, p. 45-60, 2016.

SEMINARIO di MNEMOSYNE, “Il teatro della morte: saggio interpretativo di Mnemosyne Atlas, Tavola 42”. Engramma, n. 2, ottobre 2000. Disponível em: http://www.engramma.it/eOS/index.php?id_articolo=2637. Acesso em: 19 jun. 2021.

SETTIS, Salvatore. “Ars moriendi: Cristo e Meleagro”. In: CATONI, M.L.; GINZBURG, C.; GIULIANI, L.; SETTIS, S. Tre figure: Achille, Meleagro, Cristo. Milano: Feltrinelli, 2013. p. 83-108.

WARBURG, A.; BING, G. Diario Romano (1928-1929). Madrid: Siruela, 2016.

WARBURG, Aby. Atlas Mnemosyne. Paris: L’Ecarquillé, 2012.

WARBURG, Aby. “O nascimento de Vênus e A Primavera de Sandro Botticelli: uma investigação sobre as representações da Antiguidade no início do Renascimento italiano (1893)”. In: WARBURG, Aby A Renovação da Antiguidade pagã: Contribuições científico-culturais para a história do Renascimento europeu. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013. p. 3-88.

WARBURG, Aby. “Dürer e a Antiguidade italiana (1905)”. In: WARBURG, A. A Renovação da Antiguidade Pagã. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013. p. 435-445.

WARBURG, Aby. “De arsenal a laboratório”. In: WARBURG, Aby. A presença do antigo. Campinas: Editora da UNICAMP, 2018. p. 37-52. p. 48.

WARBURG, Aby. “O ingresso do estilo ideal antiquizante na pintura do primeiro Renascimento (1914)”. In: WARBURG, Aby. A presença do antigo. Campinas: UNICAMP, 2018. p. 91-140.

WARBURG, Aby. “Mnemosyne. O Atlas das imagens. Introdução”. In: WARBURG, Aby. A presença do antigo. Campinas: Editora da UNICAMP, 2018. p. 217-230. p. 219-220.

WEDEKIN, L. M.; MAKOWIECKY, S. “Prancha 25 do Atlas Mnemosyne e Agostino di Duccio: Apolíneo e Dionisíaco no Oratório de São Bernardino em Perugia”. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 4, n. 3, p. 146–175, 2020. DOI: 10.24978/mod.v4i3.4569. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662708. Acesso em: 29 jun. 2021.

WIND, Edgar; ANTAL, Frederik. “La Menade sotto la Croce (1937)”. Engramma, n. 132, gen. 2016. Disponível em: http://www.engramma.it/eOS/index.php?id_articolo=2712. Acesso em: 14/01/2022.

WINCKELMANN, J.J. Reflexões sobre a arte antiga. Porto Alegre: Movimento, 1975.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Luana Maribele Wedekin, Sandra Makowiecky

Downloads

Download data is not yet available.