A nova Atlântida, de Francis Bacon – promessas da ciência nas imagens e símbolos da casa de Salomão

  • Helvio Moraes Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT

Resumo

A descrição da estrutura e funcionamento da Casa de Salomão, o enorme colégio de cientistas da ilha utópica de Bensalém, parece ter sido o principal motivo que levou Francis Bacon, já nos últimos anos de sua vida, à composição da Nova Atlântida (1626), um de seus raros textos ficcionais. Todos os episódios que compõem este relato utópico parecem preparar o leitor para o conhecimento do maravilhoso mundo novo construído pela ciência, algo que Bacon pode apenas vislumbrar e do qual parece ter consciência de ser apenas o propulsor, o que talvez explique a escolha que faz deste gênero literário para a apresentação viva de ideias e projetos que vinha amadurecendo ao longo de sua vida. O objetivo deste artigo é, primeiramente, situar o pensamento baconiano em sua relação com algumas tendências latentes no contexto intelectual da Inglaterra pré-revolucionária – momento em que Bacon atinge o auge de sua produção filosófica e abre novas perspectivas para o surgimento da ciência moderna, além de uma nova imagem do homem de ciência –, para, em seguida, apresentar minha leitura da parte final da Nova Atlântida.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-10-07