Banner Portal
Química analítica básica
Capa por João Carlos de Andrade.
PDF

Palavras-chave

Método gravimétrico
Gravimetria convencional
Condições de precipitação
Tipos de precipitados
Coprecipitação
Pós-precipitação
Preparo da amostra
Escala operacional

Como Citar

1.
Andrade JC de. Química analítica básica: análise gravimétrica convencional. Rev. Chemkeys [Internet]. 11º de outubro de 2022 [citado 19º de junho de 2024];4(00):e022004. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/chemkeys/article/view/17383

Resumo

A gravimetria convencional, também conhecida como gravimetria de precipitação, consiste em uma sequência de operações que tem como objetivo precipitar (separar) a substância de interesse (o analito) na forma de um composto pouco solúvel, com estequiometria conhecida e bem definida. Após sua separação e secagem, o precipitado é pesado ​​em uma balança analítica e, a partir da sua massa e estequiometria, a concentração do analito original é quantitativamente determinada. É um método de análise em que o sinal medido é a massa ou a variação de massa e sua aplicação requer apenas o uso de unidades básicas do Sistema Internacional de Unidades (SI), como a massa ou o mol. Dentre as vantagens no emprego desta técnica estão a sua boa reprodutibilidade, associada à simplicidade de execução operacional e ao emprego de equipamentos de uso comum em laboratório. Por outro lado, suas principais desvantagens residem no seu tempo de execução, geralmente muito longo e na falta de sensibilidade do método, que o torna impraticável na determinação de microconstituintes da amostra. Apesar de estar sujeita a erros acumulativos, provocados por possíveis falhas de execução nas várias etapas, operações e manipulações necessárias à sua execução, os resultados obtidos com a utilização de métodos gravimétricos são bastante precisos, limitados apenas pelo limite de detecção da balança analítica usada no procedimento. É a técnica de análise quantitativa mais antiga e, embora não seja atualmente o método analítico mais importante, continua ainda sendo usado em aplicações especializadas e na padronização processos.

https://doi.org/10.20396/chemkeys.v4i00.17383
PDF

Referências

(1) Andrade JC de. Química analítica básica: as reações de precipitação. Rev. Chemkeys [Internet], Campinas, SP, 2022, v4: e022001, 8 pp. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/chemkeys/article/view/16099

doi: 10.20396/chemkeys.v4i00.16099

(2) Gamsjäger H, Lorimer JW, Scharlin P., Shaw DG. Glossary of Terms Related to Solubility (IUPAC Recommendations 2008), Pure Appl. Chem., 2008, 80: 233–276.

doi:10.1351/pac2008800202333

(3) Widmer M. Gravimetry. Encyclopedia of Analytical Chemistry, Online, John Wiley & Sons, Ltd., 2006. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/9780470027318.a8101m

doi: 10.1002/9780470027318.a8101m

(4) Vogel AI. Análise Química Quantitativa, ed.: Jeffery GH, Bassett J, Mendham J, Denney RC., Editora Guanabara Koogan, 5ª ed., Rio de Janeiro, RJ, 1992, p. 348.

(5) Skoog DA, Holler FJ, Nieman, TA. Princípios de Análise Instrumental, 5ª ed., Bookman Cia. Editora, Porto Alegre, RS, 2002, Cap.31.

(6) Harris DC. Análise Química Quantitativa, LTC - Livros Técnicos e Científicos Editora, S.A., Rio de Janeiro, RJ, 2008, p.695.

(7) von Weimarn PP. The Precipitation Laws, Chem Rev., 1926, 2: 217-242.

(8) Kahlwext, M. Ostwald ripening of precipitates, Advances in Colloid and Interface Science, 1975, 5: 1-35.

(9) Referência 4, p. 378.

(10) Jonte JH, Martin Jr DS. The solubility of silver chloride and the formation of complexes in chloride solution, J. Amer. Chem. Soc., 1952, 74: 2052-2054.

(11) Fritz JJ. Thermodynamic properties of chloro-complexes of silver chloride in aqueous solution, J. Solution Chem., 1985, 14: 865-879.

(12) Andrade JC de. Química analítica básica: equilíbrios iônicos em solução aquosa. Rev. Chemkeys [Internet], 2009, 9(3), 13 pp. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/chemkeys/article/view/9647

dõi: 10.20396/chemkeys.v1i0.9647

(13) Baccan N, de Andrade JC, Godinho OES, Barone JS. Química Analítica Quantitativa Elementar. 3. ed. revisada, 5ª reimpressão, São Paulo: Editora Edgard Blücher, 2008.

(14) Andrade JC de. Química analítica básica: os instrumentos básicos de laboratório. Rev. Chemkeys [Internet], 2011, 11, 14 pp. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/chemkeys/article/view/9832

20396/chemkeys.v0i7.9832

(15) Andrade JC de. Química analítica básica: Procedimentos básicos em laboratórios de análise. Rev. Chemkeys [Internet]. 2011, 7, 21pp. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/chemkeys/article/view/9831

20396/chemkeys.v0i7.9831

(16) Andrade JC de, Custódio R. Química analítica básica: O uso da balança analítica. Rev. Chemkeys [Internet].2000, 3, 3pp. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/chemkeys/article/view/9664

20396/chemkeys.v0i3.9664

Ramette RA. Realistic Introduction to Solution Equilibria, J. Chem. Educ., 1960, 37: 344-348.

Insley MJ, Parfitt GD, Smith AL. Association between silver and chloride ions in aqueous solution, J. Phys. Chem., 1964, 68: 2372-2374.

Shakhashiri BZ, Dirreen GE, Juergens F. Solubility and complex Ion equilibria of silver(l) species in aqueous solution. J. Chem. Educ., 1980, 57: 813-814.

Harris, TM. Revitalizing the gravimetric determination in quantitative analysis laboratory. J. Chem. Educ., 1995, 72: 355-356.

Kabalnov A. Ostwald ripening and related phenomena. J. Dispersion Science and Technology, 2001, 22: 1-12.

Gamsjäger H, Lorimer JW, Salomon M, Shaw DG, Tomkins RPT. The IUPAC-NIST Solubility Data Series: A guide to preparation and use of compilations and evaluations (IUPAC Technical Report). Pure Appl. Chem., 2010, 82: 1137–1159.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 João Carlos de Andrade

Downloads

Não há dados estatísticos.