O Telemonitoramento dos pacientes com DIABETES MELLITUS atendidos no Centro de Saúde da Comunidade da Unicamp durante a pandemia de COVID19.
Capa do Eixo 5, sobre Saúde e Qualidade de Vida
PDF

Palavras-chave

Telemonitoramento
Diabetes
COVID-19

Categorias

Como Citar

BERTAN, Hamilton et al. O Telemonitoramento dos pacientes com DIABETES MELLITUS atendidos no Centro de Saúde da Comunidade da Unicamp durante a pandemia de COVID19. Congresso dos Profissionais das Universidades Estaduais de São Paulo, Campinas, SP, n. 2, p. e023041, 2023. DOI: 10.20396/conpuesp.2.2023.5151. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/conpuesp/article/view/5151. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

Introdução: O Brasil é o 5º país com maior incidência de diabetes no mundo. Frente a isso e em virtude do isolamento proposto como medida de controle da pandemia de COVID-19, o acompanhamento dos pacientes com diabetes passou a ser feito através do telemonitoramento (atendimento por meio de ligações telefônicas). Objetivo: O objetivo deste trabalho é compartilhar nossa experiência na utilização do telemonitoramento no acompanhamento dos pacientes com diabetes (DM). Metodologia: Foi realizado um relato de experiência da atuação do GDM na utilização do telemonitoramento como ferramenta para o acompanhamento dos pacientes com diabetes atendidos no CECOM, durante o período de 2020 a 2021. Resultados: Considerando a classificação da prioridade de atendimento previamente definida, realizamos com sucesso 173 atendimentos telefônicos em 2020 e 403 em 2021.

A maioria destes, 61,7% do total, apresentaram HBA1c de risco para complicações (nível maior que 7). Chama a atenção que 1 em cada 10 pacientes apresentou nível de HBA1c maior que 10 (risco grave de complicação/vermelho). Tais dados justificaram a elaboração e aplicação do telemonitoramento. Conclusão: Diante das dificuldades impostas pela pandemia Covid-19, e dada a gravidade dos casos, consideramos que o telemonitoramento foi um recurso importante no acompanhamento dos pacientes com diabetes atendidos no CECOM: permitiu a continuidade da assistência sem aumentar a circulação de pessoas neste serviço. Além disso, esta abordagem da equipe do GDM, além de promover o acolhimento dos pacientes,  permitiu a prática de educação em saúde e o direcionamento das demandas, inclusive para consulta médica presencial quando necessário.

https://doi.org/10.20396/conpuesp.2.2023.5151
PDF

Referências

Sociedade Brasileira de Diabetes. Disponível em <https://www.diabetes.org.br/publico/ultimas/943-a-frequencia-de-testes-de-a1c-tem-impacto-sobre-o-controle-glicemico> Acessado em 11 de maio de 2020.

Atualização sobre Hemoglobina Glicada (A1C) para avaliação do controle glicêmico e para diagnóstico do diabetes: aspectos clínicos e laboratoriais. Posicionamento Oficial SBD, SBPC-ML, SBEM e FENAD 2017/2018. Disponível em https://www.diabetes.org.br/publico/images/banners/posicionamento-3-2.pdf> Acessado em 11 de maio de 2020.

HbA1c Testing Frequency Matters. Disponível em: <http://www.diabetesincontrol.com/hba1c-testing-frequency-matters/> Acessado em 11 de maio de 2020.

/6 – Dia Nacional do Diabetes, Biblioteca Virtual de Saúde, disponível em

<https://bvsms.saude.gov.br/26-6-dia-nacional-do-diabetes-4/>. Acessado em 05 de setembro de 2022.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Hamilton Bertan, Ana Lúcia Carletti de Moraes, Guilherme Henrique Costa Oliveira, Renata Cristina Di Grazia, Ricardo Pereira Moreira, Tânia Maria Granzotto, Sonia Maria Dorta Ferreira, Ricardo Manfrim Tonbolato, Maria Cristina Stolf, Leila Tássia Pagamice, Luciane da Silva Antunes, Rôse Clélia Grion Trevisane, Rosely Cai Albertin, Luciana Sales Purcino, Charles Eugenio Velloso Pinheiro (Autor)

Downloads

Não há dados estatísticos.