“É agrofloresta, não é conservacionismo”

as paisagem biossociais da permacultura

Autores

  • Gabrielly Merlo Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v14i1.17029

Palavras-chave:

Permacultura, Paisagens multiespécies, Preservação

Resumo

O artigo pretende discutir as paisagens a partir da ótica preservacionista. O objetivo é apresentar os sentidos e as práticas de preservação postulados por duas diferentes correntes de pensamento, o conservacionismo e a permacultura. As reflexões que seguem foram inspiradas em uma caminhada realizada com um permacultor durante pesquisa de campo. O caminhar e a escuta de suas perspectivas me atentaram para perceber que a “preservação” ora coloca em disputa, ora em sobreposição, sentidos diversos de paisagem, logo, de naturezas no que concerne ao pensamento moderno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabrielly Merlo, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal de Minas Gerais

Referências

BALÉE, W. Footprints of the Forest: Ka’apor Ethnobotany – The Historical Ecology of Plant Utilization by an Amazonian People. New York: Columbia University Press, 1992.

BALÉE, W. Sobre a Indigeneidade das Paisagens. Revista de Arqueologia, v. 21, n. 2, p. 9-23, 2008.

BELLACASA, Maria Puig. Making time for soil: technoscientific futurity and the pace of care. Social Studies of Science, v. 45, n. 5, p. 691-716, 2015

BELLACASA, Maria Puig. Matters of Care. Speculative ethics in more than human worlds. London: University of Minnesota Press, 2017.

CABRAL DE OLIVEIRA, Joana. Entre Plantas e Palavras: Modos de Constituição de Saberes entre os Wajãpi (AP). Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo. 2012.

CARDOSO, Thiago Mota, et al. Apresentação do Dossiê: Antropologia das Áreas Protegidas e da Sustentabilidade. Anuário Antropológico [Online], v. I, 2020. Disponível em http://journals.openedition.org/aa/4926. Consulta em 29 jan. 2020.

CHOY, Timothy. Ecologies of Comparision: an ethnography of endangerment in Hong Kong. Durham: Duke University Press, 2011.

DESCOLA, Philippe. Beyond Nature and Cultura. Chicago Press. 2013.

EISENLOHR, Pedro Vasconcellos, et al. Trilhas e seu papel ecológico: o que temos aprendido e quais as perspectivas para a restauração de ecossistemas? Hoehnea, v. 40, n. 3, p. 407-418, 2013.

GOTSCH, Ernst. O renascer da agricultura. 2a Ed. Rio de Janeiro: AS-PTA, 1996.

HARAWAY, Donna. Staying with the trouble. Making kin in the Chthulucene. Durham and London: Duke University Press, 2016.

INGOLD, Tim. The Perception of the Environment: Essays in livelihood, Dwelling and Skill. Londres: Routledge, 2000.

MOL, Annemarie. Corpos múltiplos, ontologias políticas e a lógica do cuidado: uma entrevista com Annemarie Mol. Interface. Comunicação, saúde, educação. 22 (64). 2018

MOLLISON, Bill. Introdução a Permacultura. Panfletos da Serie Curso de Design em Permacultura. YANKEE PERMACULTURE. Centro de Permacultura Barking Frogs, 1981.

MOLLISON, Bill. Permaculture: A designer’s manual. Tagari Publications. Tyalgum Australia. 1988.

MOLLISON, Bill. Introdução a Permacultura. MA/SDR/PNFC, 1998.

PUGA, Felipe Peregrina. A emergência da ecologia das práticas. ClimaCom – Fabulações Miceliais [online], Campinas, ano 6, n.14, abr. 2019.

POSEY, Darrel A. Indigenous management of tropical forest ecosystems: the case of the Kayapó indians of the Brazilian Amazon. Agroforestry Systems, v. 3, p. 139-158, 1985.

POSEY, Darrel A. “Etnobiologia: teoria e prática”. In: RIBEIRO, B. (Org.). Suma Etnológica: etnobiologia. Belém: MPEG, 1997.

PRIMAVESI, Ana Maria. “A Biocenose do solo na produção vegetal”. In: A moderna agricultura intensiva. Vol. 1. Santa Maria: Ed. Pallotti, 1964.

RAHDER, Micha. An Ecology of knowledges. Fear, love and techonoscience in Guatemalan Conservation. Duke University Press. Durham and London. 2020.

SHIVA, Vandana. Monoculturas da Mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. São Paulo: Ed. Gaia, 2003.

SHIVA, Vandana. Soil Not Oil: Environmental Justice in an Age of Climate Crisis. South end Press. Brooklyn, New York and Boston, Massachusetts, 2008.

SHIVA, Vandana. Soil Not Oil: Environmental Justice in an Age of Climate Crisis. Alternatives, v. 35, n. 3, p. 18-23, 2009.

TSING, Anna L. Friction: an ethnography of global connection. Princeton: Princeton University Press, 2005.

TSING, Anna L. Viver nas Ruínas: paisagens multiespécies no Antropoceno. Ed. IEB Mil Folhas. Brasília, 2019.

Downloads

Publicado

2022-08-05

Como Citar

MERLO, G. “É agrofloresta, não é conservacionismo”: as paisagem biossociais da permacultura. RURIS (Campinas, Online), Campinas, SP, v. 14, n. 1, p. 107–132, 2022. DOI: 10.53000/rr.v14i1.17029. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ruris/article/view/17029. Acesso em: 4 out. 2022.