Banner Portal
Uma usina-símbolo
PDF

Palavras-chave

Agroindústria canavieira
Nordeste
Responsabilidade social
Gestão ambiental

Como Citar

MENEZES, Thereza. Uma usina-símbolo: novas formas de gestão e proteção nas usinas pernambucanas. RURIS (Campinas, Online), Campinas, SP, v. 1, n. 2, 2012. DOI: 10.53000/rr.v1i2.653. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ruris/article/view/16776. Acesso em: 14 jul. 2024.

Resumo

Durante a década de 1990, a Mata Sul pernambucana foi cenário de grandes transformações sociais expressas nas falências de usinas, demissões em massa de trabalhadores e ocupações de terra para fins de reforma agrária. Este artigo analisa, a partir de um estudo de caso, iniciativas de superação da crise através da modernização da gestão de usinas e investimento em práticas de proteção ambiental, bem como seus efeitos no quadro de relações sociais locais.

https://doi.org/10.53000/rr.v1i2.653
PDF

Referências

ANDRADE, Manuel Correia de. A terra e o homem no Nordeste. São Paulo: Brasiliense, 1964.

ANDRADE, Manuel Correia de. Modernização e pobreza: a expansão da agroindústria canavieira seu impacto ecológico e social. São Paulo: Editora Unesp, 1994.

ANDRADE, Manuel Correia de. Espaço e tempo na agroindústria canavieira de Pernambuco. Estudos Avançados, São Paulo, USP, v. 15 n. 43, 2001.

BELLO, Julio. Memórias de um senhor de engenho. Recife: Fundape, 1985.

BEZERRA, Gregório. Memórias 1946-1969. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

CALLADO, Antonio. Tempo de Arraes. Rio de Janeiro: José Álvaro Editora, 1964.

CAPPELIN, Paola. et al. As organizações sociais brasileiras e a responsabilidade social. In: KIRSHNER, Ana Maria et al. (Org.). Empresas. Empresários e globalização. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002, p. 253-277.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. Rio de Janeiro: José Olympio, 1943.

JULIÃO, Francisco. O que são as ligas camponesas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1962.

LIRA, M. Gestão social e ambiental: a energia sustentável da cana. Boletim Folha da Cana, ano III, n. 4, ago. 2002.

MENEZES, Thereza C. C. Da cana ao caos: usos sociais do meio ambiente no litoral sul-pernambucano em perspectiva comparada. 2004. Tese (Doutorado em Antropologia) – PPGAS/Museu Nacional, Rio de Janeiro.

PALMEIRA, Moacir. Casa e trabalho: nota sobre as relações sociais na plantation tradicional. In: Actes du XLII Congrès des Américanistes. Paris, 1976, p. 305-315.

PALMEIRA, Moacir. The aftermath of peasant mobilization: rural conflicts in the Brasilian Northeast since 1964. In: AGUIAR, N. (Ed.). The structure of Brasilian development. Nova York: Transactin Books, 1977, p. 71-98.

PALMEIRA, Moacir. Modernização, Estado e questão agrária. Estudos Avançados, São Paulo, v. 3, n. 7, 1989.

ROSA, Marcelo. O engenho dos movimentos: reforma agrária e significação social na zona canavieira de Pernambuco, 2004. Tese (Doutorado em Ciências Humanas: Sociologia) – Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

SIGAUD, Lygia. Greve nos engenhos.Rio de Janeiro: Paz e Terra,1980.

SIGAUD, Lygia. Les paysans et le droit: le mode juridique de règlament des conflits. Information sur les Sciences Sociales, v. 38, n. 1, 1999.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2012 RURIS (Campinas, Online)

Downloads

Não há dados estatísticos.