O cultivo da mandioca por um povo indígena adventista na Amazônia

Autores

  • Caio Monticelli Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.20396/maloca.v4i00.15522

Palavras-chave:

Roraima, Taurepáng, Cristianismo indígena, Mandioca, Donos

Resumo

O objetivo deste trabalho é apresentar a maneira pela qual os Taurepáng, povo indígena que vive no norte do estado de Roraima, cultivam a mandioca. De modo complementar, busca-se analisar como a prática ritual da religião adventista por parte dos moradores do Bananal, a maior comunidade taurepáng no Brasil, se relaciona com essa atividade. Ao longo do cultivo da mandioca, os Taurepáng precisam estar atentos a uma série de cuidados para com a planta, pois, capaz de retribuir afetos e desafetos, ela se vinga das pessoas que a desrespeitam. Porém, em vez de recorrerem ao possível espírito dono da mandioca para obter sucesso na plantação, os Taurepáng do Bananal optam por uma alternativa inerente à sua escolha religiosa: reivindicar Jesus Cristo enquanto entidade superior aos donos das espécies animais e vegetais que povoam o cosmos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caio Monticelli, Universidade Federal de São Carlos

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social pela Universidade Federal de São
Carlos (PPGAS/UFSCar).

Referências

ABREU, Stela Azevedo de. 1995. Aleluia: o banco de luz. Dissertação de Mestrado, UNICAMP, Campinas, SP, Brasil.

AMARAL, Maria Virgínia Ramos. 2019. Os Ingarikó e a religião Areruya. Tese de Doutorado, UFRJ/MN, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

ANDRELLO, Geraldo. 1993. Os Taurepáng: memória e profetismo no século XX. Dissertação de Mestrado, UNICAMP, Campinas, SP, Brasil.

ANDRELLO, Geraldo. 1999. “Profetas e pregadores: a conversão taurepáng à religião do Sétimo Dia”. In: WRIGHT, R. (Org.). Transformando os Deuses: os múltiplos sentidos da conversão entre os povos indígenas no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp. 285-308.

ANDRELLO, Geraldo. 2010. “Fazenda São Marcos: de Próprio Nacional a Terra Indígena”. In: BARBOSA, Reinaldo Imbrozio & MELO, Valdinar Ferreira (Org.). Roraima: homem, ambiente e ecologia. Boa Vista: FEMACT. 67-94.

ARMELLADA, Cesáreo de & SALAZAR, Mariano. 1981. Diccionario Pemon-Castellano. Caracas: Universidad Católica Andrés Bello.

BELAUNDE, Luisa Elvira. 2005. “Introduccion: Cruzados y paralelos”. In: ____. (Org.). El recuerdo de luna. Género, sangre y memoria entre los pueblos amazônicos. Lima: Fondo Editorial de la Facultad de Ciencias Sociales. 23-56.

BUTT, Audrey J. 1960. “The birth of a religion: the origins of a semi-Christian among the Akawaio”. The Journal of the Royal Anthropological Institute of Great Britain and Ireland 90, n.1, 66-106. https://www.jstor.org/stable/2844219.

BUTT COLSON, Audrey J. 1971. “Hallelujah among the Patamona Indians”. Antropologica (Caracas) 28: 25-58.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. 2009. “Cultura” e cultura: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais. In: ____. (Org.). Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify.

EWART, Elizabeth. 2005. “Fazendo pessoas e fazendo roças entre os Panará do Brasil Central”. Revista de Antropologia 48(1). https://doi.org/10.1590/S0034-77012005000100001.

FAUSTO, Carlos. 2008. “Donos demais: maestria e domínio na Amazônia”. Mana 14 (2). https://doi.org/10.1590/S0104-93132008000200003.

KOCH-GRÜNBERG, Theodor. 1979-1982. Del Roraima al Orinoco (1917-1928). Três volumes. Caracas: Ediciones del Banco Central de Venezuela.

KOPENAWA, Davi & ALBERT, Bruce. 2015. A queda do céu. Palavras de um xamã Yanomami. São Paulo: Editora Companhia das letras.

LEVY, Gabriela. 2003. Vozes Inscritas: o movimento de San Miguel entre os Pemon, Venezuela. Dissertação de Mestrado, UNICAMP, Campinas, SP, Brasil.

LEWY, Matthias. 2011. Die Rituale areruya und cho'chiman bei den Pemón (Gran Sabana, Venezuela). Tese de Doutorado, Freie Universität Berlin, Alemanha.

LEWY, Matthias. 2012. “Different ‘seeing’ ─ similar ‘hearing’. Ritual and sound among the Pemón (Gran Sabana/Venezuela)”. Indiana 29. 53-71. https://doi.org/10.18441/ind.v29i0.

LEWY, Matthias. 2017. “‘Com o arquivo de volta ao campo’. A reinterpretação e recontextualização das gravações de Koch-Grünberg (1911) entre o povo Pemón”. Música em Contexto 11 (1). 251-288. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/Musica/article/view/11137.

MONTICELLI, Caio. 2020a. Patá matá, o que dizem os Taurepáng sobre o fim do mundo. Dissertação de Mestrado, UFSCar, São Carlos, SP, Brasil.

MONTICELLI, Caio. 2020b. “Kanaimé, el gran asesino”. Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião, 22, e020028. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/csr/article/view/13416.

MORIM DE LIMA, Ana Gabriela. 2017. “A cultura da batata-doce: cultivo, parentesco e ritual entre os Krahô”. Mana 23 (2). 455-490. https://doi.org/10.1590/1678-49442017v23n2p455.

OLIVEIRA FILHO, José Jeremias. 1972. A obra e a mensagem: representações simbólicas e organização burocrática da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Tese de Doutorado, USP, São Paulo, SP, Brasil.

PRESTES FILHO, Ubirajara de Farias. 2006. O indígena e a mensagem do segundo advento: missionários adventistas e povos indígenas na primeira metade do século XX. Tese de Doutorado/FFLCH, Universidade de São Paulo.

RIVIÈRE, Peter. 1984. Individual and Society in Guiana: a Comparative Study of Amerindian Social Organization. Cambridge: Cambridge University Press.

ROBBINS, Joel. 2003. “What Is a Christian? Notes Toward an Anthropology of Christianity”. Religion 33(3). 191-199. https://doi.org/10.1016/S0048-721X(03)00060-5.

ROBBINS, Joel. 2011. “Transcendência e Antropologia do Cristianismo: Linguagem, mudança e individualismo”. Religião & Sociedade 31(1). 11-31. https://doi.org/10.1590/S0100-85872011000100002.

ROBBINS, Joel; SCHIEFFELIN, Bambi & VILAÇA, Aparecida. 2014. “Evangelical Conversion and the Transformation of the Self in Amazonia and Melanesia: Christianity and the Revival of Anthropological Comparison”. Comparative Studies in Society and History 56(3). 559-590. https://doi.org/10.1017/S0010417514000255.

ROCHA, Wagner Neves. 1972. O sábado e o tempo: análise de alguns aspectos simbólicos relativos à guarda do sábado na Igreja Adventista do Sétimo Dia. Dissertação de Mestrado, UFRJ/MN, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

SANTILLI, Paulo. 2000. Pemongon Patá: território Macuxi, rotas de conflito. São Paulo: Editora UNESP.

THOMAS, David. 1982. Order Without Government: The Society of the Pemon Indians of Venezuela. Chicago: University of Illinois Press.

VILAÇA, Aparecida & WRIGHT, Robin. 2009. “Introduction”. In: ____. (Orgs.). Native Christians. Modes and Effects of Christianity among indigenous People of the Americas. Burlington: Ashgate Publishing Company. 1-19.

WRIGHT, Robin (Org.). 1999. Transformando os Deuses. Os múltiplos sentidos da conversão entre os povos indígenas no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp.

WRIGHT, Robin (Org.). 2004. Transformando os Deuses. Igrejas evangélicas, pentecostais e neopentecostais entre os povos indígenas no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp.

ZARAMELLA, Jéssica. 2020. “Aprendendo a ouvir as mulheres Kawaiwete-Kaiabi: um breve relato etnográfico”. Revista Wamom 5(1). 75-87. Disponível em: https://periodicos.ufam.edu.br/index.php/wamon/article/view/7404.

Downloads

Publicado

2021-09-21

Como Citar

MONTICELLI, C. O cultivo da mandioca por um povo indígena adventista na Amazônia. Maloca: Revista de Estudos Indígenas, Campinas, SP, v. 4, n. 00, p. e021015, 2021. DOI: 10.20396/maloca.v4i00.15522. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/maloca/article/view/15522. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos