É possível uma antropologia dos sonhos no Nordeste indígena?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/maloca.v4i00.15097

Palavras-chave:

Antropologia dos sonhos; Experiência onírica; Sonhos; Indígena do Nordeste

Resumo

Este artigo é fruto de uma revisão bibliográfica da literatura etnológica produzida no Nordeste cujo objetivo é verificar a presença da experiência onírica e a sua importância para o conjunto dos povos originários que habitam a referida área. Os dados etnográficos sobre o tema até agora recolhidos recobrem diversos contextos relacionais e distintos âmbitos temáticos, tais como xamanismo e transmissão de conhecimentos, entre outros. O argumento desenvolvido é que os indígenas do Nordeste estão em posição permanentemente instável frente aos diversos seres extra-humanos com quem compartilham o cosmos e o espaço-tempo dos sonhos, notadamente os encantados, instabilidade tentativamente contornada com contradons e reorientações de conduta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alarcon, Daniela Fernandes. 2020. O retorno dos parentes: mobilização e recuperação territorial entre os Tupinambá da Serra do Padeiro, sul da Bahia. Tese de doutorado, MN/UFRJ, Rio de Ja neiro, RJ, Brasil.

Albuquerque, Marcos Alexandre dos Santos. 2017. “A intenção Pankararu: a Dança dos Praiás” como tradução intercultural na cidade de São Paulo”. Iluminuras 18 (43): 158-187. https://doi. org/10.22456/1984-1191.72881.

Andrade, Ugo Maia. 2004. A nau da jurema: processos cosmológicos e cosmologias em processo no Nordeste indígena. Monografia de graduação, UFBA, Salvador, BA, Brasil.

Andrade, Ugo Maia. 2008. Memória e diferença: os Tumbalalá e as redes de trocas no submédio São Francisco. São Paulo: Humanitas.

Andrade, Ugo Maia. 2016. O real que não é visto: xamanismo e relação no baixo Oiapoque (AP). Tese de doutorado, USP, São Paulo, SP, Brasil. Andrade, Ugo Maia. 2018. “Na fronteira: mobilidades xamânicas entre Brasil e Guiana Francesa”. Horizontes Antropológicos 51: 203-227. https://doi.org/10.1590/s0104-71832018000200008.

Andrade, Ugo Maia. 2019. “Xamanismo e redes de relação interindígenas: Amazônia e nor deste brasileiro”. Vivência: Revista de Antropologia, 1 (54): 84-100. https://doi.org/10.21680/2238-6009.2019v1n54ID21542.

Bandeira, Maria de Lourdes. 1972. Os Kariris de Mirandela: um grupo indígena integrado. Salva dor: Estudos Baianos/UFBA.

Bartolomé, Miguel Alberto. 2006. “As etnogêneses: velhos atores e novos papéis no cená rio cultural e político”. Mana 12 (1): 39-68.

Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-93132006000100002.

Batista, Mércia Rejane Rangel. 2005. Descobrindo e recebendo heranças: as lideranças Truká. Tese de doutorado, MN/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Brasil, Fundação Nacional do Índio. Portaria nº 419/PRES, de 17 de março de 2020, estabelece medidas temporárias de prevenção à infecção e propagação do novo Coronavírus (COVID-19) no âmbito da Fundação Nacional do Índio – FUNAI. Disponível em: http://www.funai.gov.br/arquivos/conteudo/cogedi/pdf/Boletim%20de%20Servicos/2020/Boletim%20Edicao%20Extra%20de%2017.03.2020.pdf.

Brasil, Fundação Nacional do Índio (FUNAI). S/d. Quem são?.

Disponível em: http://www.funai.gov.br/index.php/indios-no-brasil/quemsao#:~:text=Hoje%2C%20segundo%20dados%20do%20censo,no%20pa%C3%ADs%20274%20l%C3%ADnguas%20ind%C3%ADgenas.

Borges, Paulo Humberto Porto. 2002. “Sonhos e nomes: as crianças Guarani”. Cadernos CEDES 22 (56): 53-62, 2002. https://doi.org/10.1590/S0101-32622002000100004.

Cardoso, Thiago Mota. 2016. Paisagens em transe: ecologia da vida e cosmopolítica Pataxó no Monte Pascoal. Tese de doutorado, UFSC, Florianópolis, SC, Brasil.

Carneiro da Cunha, Manuela. 1978. Os mortos e os outros. Uma análise do sistema funerário e da noção de pessoa entre os índios Krahó. São Paulo: HUCITEC.

Carvalho, Maria do Rosário de; Reesink, Edwin. 2018. “Uma etnologia no Nordeste brasileiro: balanço parcial sobre territorialidades e identificações”. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais – BIB, 87: 71-104. https://doi.org/10.17666/bib8704/2018.

Carvalho, Maria do Rosário Gonçalves de. 2002. Os Kanamari da Amazônia Ocidental História, Mitologia, Ritual e Xamanismo. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado.

Dantas, Beatriz Góis; Laranjeira, José Augusto; Carvalho, Maria Rosário Gonçalves de. 1992. “Povos indígenas do Nordeste brasileiro: um esboço”. In: Carneiro da Cunha, Manuela (Org.). História dos índios do Brasil. São Paulo: FAPESP/Companhia das Letras, 431-456.

Durazzo, Leandro Marques. 2019. Cosmopolíticas Tuxá: conhecimentos, ritual e educação a partir da autodemarcação de Dzorobabé. Tese de doutorado, UFRN, Natal, RN, Brasil.

Durazzo, Leandro; Segata, Jean. 2020. “Intercosmologias: humanos e outros mais que humanos no Nordeste indígena”. Espaço Ameríndio (UFRGS) 14 (2): 185-198. https://doi.org/10.22456/1982-6524.106994.

Fausto, Carlos. 2008. “Donos demais: maestria e domínio na Amazônia”. Mana 14 (2): 329-366. https://doi.org/10.1590/S0104-93132008000200003.

Fausto, Carlos; Franchetto, Bruna; Monagnani, Tommaso. 2011. “Les formes de la mémoire. Art verbal et musique chez les Kuikuro du Haut-Xingu”. L’Homme 197: 41-70.

Freud, Sigmund. [1900] 2012. A interpretação dos sonhos. Tradução de Renato Zwick. [S. l.]: L± Edição de bolso.

Gennep, Arnold Van. 2011. Os ritos de passagem. 2. ed. Tradução de Mariano Ferreira. Petrópo lis: Vozes.

Geertz, Clifford. 1978. A interpretação das culturas. Tradução de Fanny Wrobel. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Giraldin, Odair. 2012. “A morte, o morrer e o morto entre os Timbira”. Anais da 28ª RBA, São Paulo, SP. http://www.uft.edu.br/neai/file/odair_morte_morrer_timbira.pdf.

Graham, Laura. [1995] 2018. Performace de Sonhos: discursos de imortalidade Xavante. Tradução Fernando Luiz Brito Vianna. São Paulo: Edusp. Gregor, Thomas. 1983. “O branco dos meus sonhos”. Tradução Alcida Rita. Anuário Antropoló gico 7 (1): 53-68. https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6233.

Henrique, Fernanda. 2017. Por uma onirologia Kaingang: um breve levantamento etnográfico sobre o sonhar. Dissertação de mestrado, UFPR, Curitiba, PR, Brasil.

Henrique, Fernanda Borges. 2019. Por um lugar de vida: os Kiriri do rio Verde, Caldas/MG. Dis sertação de mestrado, Unicamp, Campinas, SP, Brasil. Ingold, Tim. 2010. “Da transmissão de representações à educação da atenção”. Educação, Porto Ale gre 33 (1): 6-25. https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/6777/4943.

Ingold, Tim. 2012. Ambientes para la vida: conversaciones sobre humanidad, conocimiento y an tropología. Montevideo: Trilce.

Kopenawa, Davi; Albert, Bruce. 2015. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Pau lo: Companhia das Letras.

Kracke, Waud. 1989. “O poder do sonho no xamanismo Tupi (Parintintin)”. Série Antropológica 79. Brasília: UnB. https://acervo.socioambiental.org/acervo/documentos/o-poder-do-sonho-no-xamanismo-tupi-parintintin.

Kracke, Waud. 2006. “To dream, purchance to cure: dreaming and shamanism in a Brazilian indigenous society”. Social Analysis 50 (2):106-120.

Kwon, Heonik. 2008. Ghosts of war un Vietnam. Cambridge: Cambridge University Press.

Langdon, Esther Jean. 1999. “Representações do poder xamanístico nas narrativas dos sonhos Siona”. Tradução Ricardo Fernandes. Revista Ilha: 35-56. https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/14442/13231.

Leite, Luiza Ferreira de Souza. 2003. Relacionando territórios os sonhos como objeto antropológico. Dissertação de mestrado, MN/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Lévi-Strauss, Claude. 1957. “Os mortos e os vivos”. In: Lévi-Strauss, Claude (Org). Tristes Trópicos. São Paulo: Anhembi, 215-232.

Lima, Tânia Stolze. 1996. “O dois e seu múltiplo: reflexões sobre o perspectivismo em uma cos mologia tupi”. Mana 2 (2): 21-47. https://doi.org/10.1590/S0104-93131996000200002.

Limulja, Hanna Cibele Lins. 2019. O desejo dos outros: uma etnografia dos sonhos Yanomami (Pya u – Toototopi). Tese de doutorado, UFSC, Florianópolis, SC, Brasil.

Lohmann, Roger Ivar. 2003. Dream Travelers: sleep experiences and culture in the western pacific. New York: Palgrave Macmillan US.

Luciano, Gersem dos Santos. 2006. “Saúde indígena”. In: Luciano, Gersem dos Santos (Org.). O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: MEC/ SECAD; LACED/Museu Nacional,172-183.

Matta, Priscila. 2009. “Dois elos da mesma corrente: os rituais da Corrida do Imbu e da Penitência entre os Pankararu”. Cadernos de Campo 18 (18): 165-180. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v18i18p165-180.

Mejía Lara, Ernenek. 2017. Contra-invenções indígenas: antropologias, políticas e culturas em comparação desde os movimentos Nahua (Jalisco, México) e Tupinambá (Bahia, Brasil). Tese de doutorado, UNICAMP, Campinas, SP, Brasil.

Mendonza, Virginia. 2017. Quando você sabe que é bilíngue?. El País, 12/09/2017. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/08/28/cultura/1503911116_963972.html.

Menta, Cyril. 2017. Transmissions de rituels des indiens Pankararu aux indiens Pankararé. Nordeste du Brésil. Tese de doutorado, École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), Laboratoire d’anthropologie sociale (LAS), Paris, France.

Moraes, Vanessa Coelho. 2020. O que devemos aprender com a ciência do índio? Análise das contribuições epistemológicas, educacionais e linguísticas dos saberes Kiriri. Dissertação de mestrado, UFBA, Salvador, BA, Brasil.

Mura, Claudia. 2012. “Todo mistério tem dono!”: ritual, política e tradição de conhecimento entre os Pankararu. Tese de doutorado, MN/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Nascimento, Marco Tromboni de Souza. 1994. O Tronco da Jurema. Ritual e etnicidade entre os povos indígenas no Nordeste: o caso Kiriri. Dissertação de mestrado, UFBA, Salvador, BA, Brasil.

Patxohã – Língua de Guerreiros. Direção: Claudiney Ferreira. Produção: Ana Paula Fiorotto. Por to Seguro-BA: Itaú Cultural e Ministério Público Federal Procuradoria da República em Minas, 2017. Disponível em: http://canal.itaucultural.org.br/embed/ZJ3lXLv3nk.

Refatti, Denize. 2019. “Os sonhos da criança Ava-guarani: circulação de saberes e autonomia da infância indígena através da participação na experiência onírica na aldeia Ocoy/Pr”. R@U: 123- 139. http://www.rau.ufscar.br/wp-content/uploads/2019/10/5.pdf.

Salomão, Ricardo Dantas Borges. 2006. Etnicidade, processos de territorialização e ritual entre os índios Tuxá de Rodelas. Dissertação de mestrado, UFF, Niterói, RJ, Brasil.

Santos, Júlia Otero. 2010. Vagares da alma: elaborações ameríndias acerca do sonhar. Dissertação de mestrado, UnB, Brasília, DF, Brasil.

Sarmento, Paulo Sousa. 1996. Atitudes e representações diante da morte: alguns elementos para uma definição da concepção de morte dos Kiriri de Mirandela-BA. Dissertação de mestrado, UFBA, Salvador, BA, Brasil.

Schillaci, Manuela. 2017. Religiosidade Truká e o rio São Francisco (PE): um estudo sobre a violên cia simbólica das grandes obras. Dissertação de mestrado, UFPE, Recife, PE.

Silva, Giselle Medeiros da Costa; Martins, Patrícia de Lima; Silva, Humberto; Freitas, Karidja Kalliany Carlos de. 2004. “Estudo autocológico de Buméliasertorium (Quixabeira) – Espécie ameaçada de extinção no ecossistema Caatinga”. Revista Biologia e Ciências da Terra, 4 (1).http://joaootavio.com.br/bioterra/workspace/uploads/artigos/sertorium-51563480e5149.pdf.

Shiratori, Karen Gomes. 2013. O acontecimento onírico ameríndio: o tempo desarticulado e as veredas do possível. Dissertação de mestrado, MN/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Souza, Fabiano José Alves de. 2015. Os Pataxó em morros brutos e terras fanosas: descortinando o movimento das puxadas de rama. Tese de doutorado, UFSCAR, São Carlos, SP, Brasil.

Turner, Victor. 2005. Floresta de símbolos: aspectos do ritual Ndembu. Niterói: EdUFF. Vanzolini, Marina. 2010. A flecha do ciúme: o parentesco e seu avesso segundo os Aweti do Alto Xingu. Tese de doutorado, MN/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Vanzolini, Marina. 2011. “O parentesco pervertido: nota sobre a feitiçaria entre os Aweti do Alto Xingu”. In: Lima, Edilene Coffaci de; Córdoba, Lorena. (Orgs.). Os outros dos outros: relações de alteridade na etnologia sul-americana. Série Pesquisa. Curitiba: Editora UFPR, 211-223.

Vianna, João Jackson Bezerra. 2016. “Notas cromáticas sobre os sonhos ameríndios: trans formações da pessoa e perspectivas”. Revista de Antropologia, 59 (3): 265–294.https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2016.124820.

Vieira, José Glebson. 2010. Amigos e competidores: política faccional e feitiçaria nos Potiguara da Paraíba. Tese de doutorado, USP, São Paulo, SP, Brasil.

Downloads

Publicado

2022-01-31

Como Citar

JESUS SANTOS RODRIGUES, J. É possível uma antropologia dos sonhos no Nordeste indígena? . Maloca: Revista de Estudos Indígenas, Campinas, SP, v. 4, n. 00, p. e021020, 2022. DOI: 10.20396/maloca.v4i00.15097. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/maloca/article/view/15097. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê "Etnologia transversa entre a Amazônia e o Nordeste"