Território akroá-gamella

teia de conexões entre os indígenas e os seres encantados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/maloca.v4i00.15095

Palavras-chave:

Seres encantados, Relação, Conexão, Território

Resumo

Este trabalho, realizado no território akroá-gamella no estado do Maranhão, busca tratar do território encantado que abriga uma multiplicidade de seres encantados, que são ancestrais dos indígenas. Esses seres sagrados vivem em locais chamados de encantoria e interagem e se relacionam com o território. Também possuem formas de se conectarem com os indígenas. O foco do artigo é descrever a relação entre indígenas, seres encantados e território, procurando observar o território como um lugar que proporciona conexão com
todos os seres que o habitam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alarcon, Daniela Fernandes. 2013. O retorno da terra: As retomadas na aldeia Tupinambá da Serra do Padeiro, sul da Bahia. Dissertação de mestrado, UNB, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Branch, Lyn C.; Silva, Marlene F. da. 1983. “Folk medicine of Alter do chao, Para, Brazil”. Acta Amazonica 13: 737-797.

Cayón, Luís. 2012. “Lugares sagrados y camino de curacíon: Apuntes para el estudio comparativo del conocimiento geográfico de los Tukano Oriental”. Andrello, Geraldo (org.). Rotas de criação e transformação. Ed 1. São Paulo. Instituto Socioambiental; FOIRN - Federação das Organizações Indígenas, 168-194.

Cayón, Luis; Chacon, Thiago. 2014. Conocimiento, historia y lugares sagrados. La formación del sistema regional del alto río Negro desde una visón interdisciplinar. Anuário Antropológico 39 (2): 201-236. https://journals.openedition.org/aa/1294.

D’Alancastre, Jose Pereira. 1857. “Memória cronológica, histórica e corográfica da província do Piauí”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro 20 (1): 6-57.

Descola, Philippe. 2005. Mas allá de naturaleza e cultura. Amorrorut Editores. Buenos Aires. Fausto, Carlos. 2008. “Donos demais: maestria e domínio na Amazônia”. Mana 14 (2): 329-366. https://doi.org/10.1590/S0104-93132008000200003.

Feld, Steven. 2012. Sound and Sentiment: Birds, Weeping, Poetics, and Song in Kaluli Expression. Philadelphia, University of Pennsylvania Press.

Gallois, Dominique Tilkin. 2004. “Terras ocupadas? Territórios? Territorialidades?”. In: Ricardo, Fany (org.). Terras Indígenas e Unidades de Conservação da natureza: O desafio das sobreposições. São Paulo, Instituto Socioambiental, 37-41.

Glowczewki, Barbara. 2015. Devires totêmicos: cosmopolítica dos sonhos. Tradução de Jamille Pinheiro e Abrahão de Oliveira Santos. São Paulo. Edição bilíngue.

Henrique, Fernanda Borges. 2020. “As múltiplas agências dos encantados: esboço de uma teoria política kiriri”. Antípoda. Revista de Antropología y Arqueología 41: 57-77. https://doi.org/10.7440/antipoda41.2020.03.

Kohn, Eduardo. 2013. How forests think: toward an anthropology beyond the human. Berkeley: University of California Press.

Krenak, Ailton. 2019. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras. Maranhão. Lei Nº 2.968 de 17 de junho de 1969.

Mol, Annemarie. 2002. The body multiple: ontology in medical practice. In: Nunes, J. A. Duke University Press Durham and London.

Nimuendaju, Curt. 1937. “The Gamella Indians”. Primitive Man. 10 (3 e 4) jul and octobre. https://doi.org/10.2307/3316456.

Oliveira, João Pacheco. 1998. “Uma etnologia dos ‘índios misturados’: situação colonial, territorialização e fluxos culturais”. Mana 4 (1): 47-77. https://doi.org/10.1590/S0104-93131998000100003.

Paula Andrade, Maristela. 2008. Terra de Índio: identidade étnica e conflito em terras de uso comum. São Luís, Edições UFMA.

Rappaport, Joanne. 2000. La Política de la Memoria. Interpretación Indígena de la Historia en los Andes Colombianos. Traducción de José Ramón Martín. Popayán: Editorial Universidad del Cauca-Serie Estudios Sociales.

Santos Granero, Fernando. 2009. The occult life of things: Native Amazonian theories of materiality and personhood. The University of Arizona Press. Tucson.

Severi, Carlo. 2007. Le Principe de la chimère. Une Anthropologie de la mémoire. Paris, Rue d’Ulm.

Severi, Carlo. 2014. “Transmutating beings: A proposal for an anthropology of thought”. Hau: Journal of Ethnographic Theory 4 (2): 41-71.

Souza, Jurema Machado Andrade. 2020. “O futuro e os caminhos encantados: Cachoeira reencontra os Tupinambá. Desaguar em cinema”. In: Amaranta Cesar (org.). Documentário, memória e ação com o Cachoeira Doc. Salvador: Edufba, 111-125. ttp://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/32955.

Wawzyniak, João Valentin. 2012. “Humanos e não-humanos no universo transformacional dos ribeirinhos do rio Tapajós–Pará”. Mediações – Revista de Ciências Sociais 17 (1): 17-32. http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/12608.

Downloads

Publicado

2021-11-09

Como Citar

SOUSA LEMOS, D. S. Território akroá-gamella: teia de conexões entre os indígenas e os seres encantados. Maloca: Revista de Estudos Indígenas, Campinas, SP, v. 4, n. 00, p. e021018, 2021. DOI: 10.20396/maloca.v4i00.15095. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/maloca/article/view/15095. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê "Etnologia transversa entre a Amazônia e o Nordeste"