O descaso e o esquecimento com os indígenas são antigos, não começou com o Covid-19

efeitos, estratégias e modos de resistência indígenas no Médio Solimões e Afluentes, AM

Autores

  • Patricia Carvalho Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá
  • Tabatha Benitz Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá
  • Ercília da Silva Vieira Associação das Mulheres Indígenas do Médio Rio Solimões e Afluentes
  • Fabio Pereira dos Santos Universidade Estadual do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.20396/maloca.v4i00.13878

Palavras-chave:

Povos indígenas, Covid-19, Técnicas de governo, Amazônia, Estratégias locais

Resumo

A crise sanitária mundialmente instaurada com a pandemia de Covid-19 tornou o Brasil um dos epicentros das infecções e cenário de trágica experiência de gestão pública em saúde, e, mais especificamente na Amazônia, expôs o fantasma histórico da lógica da desumanização do Estado aos povos indígenas. Neste texto, tomamos como ponto de partida um conjunto de relatos emitidos por lideranças e representantes dos movimentos indígenas no Médio rio Solimões e Afluentes que nos dizem respeito às técnicas de governo relacionadas às narrativas e práticas de omissão que reforçam o antigo regime de produção de desigualdades e das condições de vulnerabilidade sanitária, ambiental, social e econômica desses sujeitos. Nosso objetivo é mostrar por meio da análise desses relatos de que modo os sujeitos resistem e reagem ao negacionismo estatal criando estratégias autônomas de cuidados e de contenção da transmissão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Carvalho, Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Doutora em Antropologia. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá.

Tabatha Benitz, Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Mestre em biologia. Analista de Inovação e Pesquisa do Núcleo de Inovações Tecnológicas Sustentáveis do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. 

Ercília da Silva Vieira, Associação das Mulheres Indígenas do Médio Rio Solimões e Afluentes

Ticuna. Vice coordenadora da Associação das Mulheres Indígenas do Médio Rio Solimões e Afluentes (AMIMSA).

Fabio Pereira dos Santos, Universidade Estadual do Amazonas

Educador Popular, Indigenista e graduando em História na Universidade Estadual do Amazonas- EST/UEA.

Referências

Abrasco/Fiocruz. 2020. Nota Técnica em resposta à intimação n0 2636/2020. Manifestação ao Supremo Tribuna Federal do grupo de Consultores do GT de Saúde Indígena da Associação Brasileira de Saúde Coletiva e Fundação Oswaldo Cruz Referente a medida cautelar na arguição de descumprimento do preceito fundamental 709. RJ.

ALMEIDA, W.B. de, Marin, E. A., Melo, E. A. 2020. Pandemia e Território. Organizado por Alfredo Wagner Berno de Almeida. Rosa Elizabeth Acevedo Marin. Eriki Aleixo de Melo. – São Luís: UEMA Edições/ PNCSA.

Chambouleyron, Rafael et al. 2011. “Formidável contágio: Epidemias, trabalho e recrutamento na Amazônia colonial (1660-1750)”. In: História, Ciências, Saúde — Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 18, n. 4, out-dez: pp. 987-1004.

Conselho Indígena Missionário (CIMI). 2019. Relatório Final do Projeto Garantindo a defesa de direitos e a cidadania dos povos indígenas do Médio rio Solimões e Afluentes. EIDHR/2015/371-971.

Das, Veena. 1995. Critical events: an anthropological perspective on contemporary India. Oxford: Oxford University Press.

Distrito Sanitário Especial Indígena Médio Rio Solimões e Afluentes – DSEI-MRSA. 2019. Plano Distrital de Saúde Indígena – PDSI/2020-2023. 121p.

Distrito Sanitário Especial Indígena Médio Rio Solimões e Afluentes – DSEI-MRSA. 2020. Boletim Epidemiológico Covid-19-DSEI MRSA, 26 de agosto.

Fauhalber, Priscila. 1998. O Lago dos Espelhos: Etnografia do Saber sobre a Fronteira em Tefé-Amazonas. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.

Fassin, Didier. 2007. When bodies remember: experiences and politics of AIDS in South Africa. Berkeley: University of California Press.

Forsey, Martin. Gerard. 2010. Etnography as particpant listening. In: Etnography, v.11, n.4: p. 558-572.

Foucault, Michel. 2008. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes.

Fundação Nacional do Índio – FUNAI/Ministério da Justiça. 2019. Memorando n° 220/2019/COIM/CGID/DPT.

Gupta, Akhil. 2012. Red tape: bureaucracy, structural violence, and poverty in India. Durham: Duke University Press.

Haraway, Donna. 1988. “Situated Knowledges. The Science Question in Feminism and the Privilege of Partial Perspectives”. In: Feminist Studies. Vol. 14. No 3.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica – IBGE. Disponíve em: https://cidades.ibge.gov.br/

Johnson, Miranda. 2005. “Honest acts and dangerous supplements. Indigenous oral history and historical practice”. In: Postcolonial studies. Vol. 8, n 3: p. 261-276.

Krenak, Ailton. 2019. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras.

Le Tourneau, François-Michel. 2020. “O governo Bolsonaro contra os Povos Indígenas: as garantias constitucionais postas à prova”. In: Confins, 501. DOI: https://doi.org/10.4000/confins.22413

Lima, Deborah, M. 2009. A construção histórica do termo caboclo: Sobre estruturas e representações sociais no meio rural amazônico. Novos Cadernos NAEA, 2(2). DOI: http://dx.doi.org/10.5801/ncn.v2i2.107

Maluf, Sônia. 2020. “Antropologia em tempo real: urgências etnográficas na pandemia”. Aula inaugural Programa de Pós-Graduação em Antropologia UFAL. Disponível em: https://ics.ufal.br/pos-graduacao/mestrado-em-antropologia/institucional/eventos/aula-inaugural-2020-profa-sonia-maluf

Mbembe, Achille. 2017. “Necropolítica”. In: Arte e Ensaios v.2(32). Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993

MOURA, E. et al. “Cesta básica (rancho) das populações ribeirinhas na Amazônia”. In: Cadernos Saúde Coletiva (UFRJ); 15(4): 517-530.

Pimenta, Denise M. 2019. O cuidado perigoso: tramas de afeto e risco na Serra Leoa (A epidemia do ebola contada pelas mulheres, vivas e mortas). Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

Pinheiro-Machado, Rosana. “Coronavírus expõe a nossa desinformação sobre a China, o maior fenômeno econômico dos nossos tempos”. In: The Intercept Brasil, 28 jan. 2020. Disponível em: https://theintercept.com/2020/01/28/coronavirus-desinformacao-china/.

Porro, Antônio. 1996. O povo das águas. Ensaios de etno-história amazônica. Rio de Janeiro: Vozes.

Ramalho, E. M; Junqueira, I; Baccaro, F; Hill, A. L; Martins, M. I. F. P; Barcelos, D. C.; Ferreira, J. F.; Pereira, H. C.; Correa, D. S. S., Chagas, H. C.; Nascimento, A. C. S. “Disseminação de Covid-19 em cidades e localidades rurais da Amazônia Central”. 2020. Disponível em: https://preprints.scielo.org/index.php/scielo/preprint/view/406/507

Santi, ENOC M. 2020. “La Golondrina: etnografía y concepciones de género, sexo y goce de un indígena Kichwa Canelos”. In: Cadernos de Campo vol.29, n.1, p.202-214. DOI 10.11606/issn.2316-9133.v29i1p187-199

Segata, Jean. 2020. “Covid-19: escalas da pandemia, escalas da antropologia”. In: Boletim Cientistas Sociais e o Coronavírus, São Paulo, n. 2, 2020a. Disponível em: http://anpocs.com/ index.php/ciencias-sociais/destaques/2307-boletim-n-1-cientistas-sociais-o-o-coro- navirus-2.

Souza Lima, Antônio Carlos de. 1995. Um grande cerco de paz: Poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes.

Souza, Maria Adélia. A. de. 2019. “Território usado, rugosidades e patrimonio cultural: ensaio geográfico sobre o espaço banal”. In: PatryTer, 2(4). DOI: https://doi.org/10.26512/patryter.v2i4.26485

Tregidgo, D., Barlow, J, Pompeu, P. S.; Parry, Luke, P. 2020. “Tough fishing and severe seasonal food insecurity in Amazonian flooded forests”. In: People Nat. 2020; 2:468–482. DOI: 10.1002/pan3.10086

Vilaça, Aparecida. 2020. Morte na floresta (Coleção 2020). Todavia.

Verdum, Ricardo. 2020. “Epidemias, territórios e povos indígenas. Contribuição a uma antropologia histórica crítica”. In: Pandemia e Território. (Orgs.) Alfredo Wagner Berno de Al- meida. Rosa Elizabeth Acevedo Marin. Eriki Aleixo de Melo. São Luís: UEMA Edições/ PNCSA.

Ventura, Deisy. 2020. “Há indícios significativos para que autoridades brasileiras, entre elas o presidente, sejam investigadas por genocídio”. In: El Pais Brasil. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-07-22/ha-indicios-significativos-para-que-autoridades-brasileiras-entre-elas-o-presidente-sejam-investigadas-por-genocidio.html

Werneck, Guilherme Loureiro; Carvalho, Marília Sá. “A pandemia de COVID-19 no Brasil: crônica de uma crise sanitária anunciada”. In: Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 5. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00068820.

Downloads

Publicado

2021-05-09

Como Citar

CARVALHO, P.; BENITZ, T. .; VIEIRA, E. da S. .; SANTOS, F. P. dos. O descaso e o esquecimento com os indígenas são antigos, não começou com o Covid-19: efeitos, estratégias e modos de resistência indígenas no Médio Solimões e Afluentes, AM. Maloca: Revista de Estudos Indígenas, Campinas, SP, v. 4, n. 00, p. e021002, 2021. DOI: 10.20396/maloca.v4i00.13878. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/maloca/article/view/13878. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê "Pandemia de Covid-19 e outros mundos possíveis"