“É melhor se resguardar, porque nós somos invisíveis diante do Estado Brasileiro”

práticas tradicionais Sateré-Mawé como estratégia de proteção

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/maloca.v4i00.13789

Palavras-chave:

Sateré-Mawé, Pandemia na Amazônia , Saúde indígena, Política indígena, Política indigenista

Resumo

Este artigo, escrito a quatro mãos por um pesquisador Sateré-Mawé e uma antropóloga não indígena, elenca práticas tradicionais de resguardo do povo Sateré-Mawé, considerando as noções de corpo, saúde e doença envolvidas. A noção de resguardo e isolamento como cuidado é contraposta ao isolamento e invisibilidade dos indígenas em relação às políticas públicas do Estado. Retomam-se alguns momentos históricos críticos em que o povo Mawé teve que se resguardar e como estas práticas tradicionais podem hoje ensinar estratégias de proteção contra o coronavírus, já que mais uma vez as ações do Estado brasileiro colocam em risco os povos indígenas diante dessa nova ameaça de genocídio. Alguns conflitos que emergiram durante a pandemia são mencionados, de modo a contextualizar como os Sateré-Mawé estão enfrentando a pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josias Sateré, Universidade Federal do Amazonas

Mestre em Sociedade e Cultura na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas. Membro do clã Sateré (Sateré/ut), a mais alta marcação hierárquica para funções de parentesco do povo Sateré-Mawé. 

Ana Letícia de Fiori, Universidade Federal do Acre

Doutora em antropologia social pela Universidade de São Paulo. Professora adjunta do colegiado de Ciências Sociais da Universidade Federal do Acre.

Referências

Referências

Alvarez, Gabriel. 2004. “Política Sateré-Mawé: do movimento social à política local”. Revista de Estudos e Pesquisas, FUNAI, Brasília, v.1, n.2, pp. 9-44, dez.

Alvarez, Gabriel. 2009. Satereria – Tradição e política Sateré Mawé. Manaus: Editora Valer, Capes, Prodoc.

Andrade, José Agnello Alves Dias de. 2018. ‘Tudo pra onde eu chego tenho minha casa': mobilidade, parentesco e territorialidade Sateré-Mawé entre cidades amazônicas. Tese de Doutorado em Antropologia Social, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, doi:10.11606/T.8.2018.tde-17102018-120559. Acesso em: 2020-07-27.

Cavalcanti, Liam. 2020. “Lideranças indígenas cobram combate a garimpos ilegais e tráfico de drogas no Rio Marau, em Maués”. Alvorada Parintins. Publicado em 12 jun. Disponível em: https://alvoradaparintins.com.br/liderancas-indigenas-cobram-combate-a-garimpos-ilegais-e-trafico-de-drogas-no-rio-marau-em-maues/?fbclid=IwAR23xFxkkRuMOM_i76Ab7j3jLZjJlah12zy4mZeajzWQDbMPz7I2SH3hW5Y. Acesso em: 27 jul. 2020.

Fato Amazônico. 2020. “Dsei Parintins determina suspensão de entrega de mil cestas básicas para povo Sateré-Mawé”. Fato Amazônico. Publicado em 02 jun. Disponível em: https://www.fatoamazonico.com/dsei-parintins-determina-suspensao-de-entrega-de-mil-cestas-basicas-para-povo-satere-mawe/?fbclid=IwAR2NwTdWOfMl71Q-v9oEjMmDVueIsp36j5o5AZaGzOZtwq594iOJFEvWxHo . Acesso em 27 jul. 2020.

Figueroa, Alba Lucy Giraldo. 1997. Guerriers de l´écriture et commerçants du monde enchanté: historie, identité et traitement du mal chez les Sateré-Mawé (Amazonie central, Brésil). Tese de Doutorado, École de Hautes Études en Sciences Sociales, Paris, França.

Figueroa, Alba Lucy Giraldo. 2016. “Guaraná, a máquina do tempo dos Sateré-Mawé”. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 11, n. 1, pp. 55-85, jan-abr.

Fiori, Ana Letícia. 2018. Conexões da interculturalidade: cidades, educação, política e festas entre Sateré-Mawé do Baixo Amazonas. Tese de Doutorado em Antropologia Social, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. Doi:10.11606/T.8.2018.tde-13122018-163358. Acesso em: 25 jul. 2020.

Lorenz, Sônia da Silva. 1992. Sateré-Mawé: os filhos do guaraná. São Paulo: Centro de Trabalho Indigenista.

Mauro, Ana Luisa Sertã de Almada. 2016. Seguindo sementes: circuitos e trajetos do artesanato Sateré-Mawé entre cidade e aldeia. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Silva, Raimundo Nonato Pereira da. 2014. A cultura política dos Sateré-Mawé: a relação entre os povos indígenas e o Estado brasileiro. Tese de Doutorado em Ciência Política, UFRGS/UFRR, Porto Alegre.

Souza, Josias Ferreira de. 2020. “Indígenas Sateré-Mawé, os invisíveis moradores da capital mundial do folclore”. In.: SAWAIA, Bader B.; Busarello, Flávia R.; Berezoschi Juliana; ALBUQUERQUE, Renan (Orgs.). Expressões da pandemia, vol. 06. Núcleo de Pesquisa Dialética Exclusão/Inclusão Social (NEXIN/PUC-SP/CNPq) e Núcleo de Estudos e Pesquisas em Ambientes Amazônicos (NEPAM/UFAm/CNPq).

Uggé, Henrique. 1991. As bonitas histórias dos Sateré-Mawé. Imprensa oficial do Estado do Amazonas. Manaus. Amazonas.

Downloads

Publicado

2021-05-09

Como Citar

SOUZA, J. F. de; FIORI, A. L. de. “É melhor se resguardar, porque nós somos invisíveis diante do Estado Brasileiro”: práticas tradicionais Sateré-Mawé como estratégia de proteção. Maloca: Revista de Estudos Indígenas, Campinas, SP, v. 4, n. 00, p. e021001, 2021. DOI: 10.20396/maloca.v4i00.13789. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/maloca/article/view/13789. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê "Pandemia de Covid-19 e outros mundos possíveis"

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)