Banner Portal
Reivindicando fluxos em contextos de desigualdade
PDF

Palavras-chave

Transposição das águas - Rio São Francisco
Povos indígenas
Nordeste do Brasil
Projetos de desenvolvimentoo
Movimentos sociais

Como Citar

CAMARGO, Carla Souza de. Reivindicando fluxos em contextos de desigualdade: os povos indígenas do sertão de Itaparica e a transposição do Rio São Francisco. Maloca: Revista de Estudos Indígenas, Campinas, SP, v. 1, n. 1, p. 98–120, 2019. DOI: 10.20396/maloca.v1i1.13199. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/maloca/article/view/13199. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

Este artigo se insere no debate acerca do novo panorama de desafios colocados aos modos de vida das populações tradicionais frente a projetos de grande infraestrutura. A partir de uma etnografia dos processos de negociação, articulação e resistências de povos indígenas envolvidos no processo de construção do Eixo Leste da Transposição do Rio São Francisco, o objetivo deste artigo é colocar em discussão como esta obra causa grande instabilidade aos povos tradicionais que habitam o sertão de Itaparica, região de intensa modificação ocasionada pelos grandes projetos de desenvolvimento. O artigo também procura dar visibilidade à ação política dos povos indígenas do sertão de Itaparica, principalmente acerca dos espaços institucionais de negociação sobre a água. Coloca-se em debate como não é possível pensar a ação política dos povos indígenas pela água descolada das reivindicações sobre a terra. Essa ação política caracteriza-se pelas associações com instituições, organizações não governamentais e outras populações tradicionais para, por um lado, discutir, pressionar e garantir as políticas públicas necessárias para a mitigação de impactos e, por outro lado, participar da gestão, avaliação e preservação do Rio São Francisco.

https://doi.org/10.20396/maloca.v1i1.13199
PDF

Referências

ALBERT, B. Associações Indígenas e Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Brasileira, In: RICARCO, C. A. (Org.) Povos Indígenas no Brasil 1996/2000.

SÃO PAULO: Instituto Socioambiental, p. 197-203, 2000. ALBUQUERQUE, M. A. S. O regime imagético Pankararu: Performance e arte indígena na cidade de São Paulo. Florianópolis: UFSC, 2017. 425p.

ALMEIDA, A. W. B. Terras de quilombos, terras indígenas, “babaçuais livres”, “castanhais do povo”, faxinais e fundos de pastos: terras tradicionalmente ocupadas. Manaus: Pgsca, 2008.

ARRUTI, J. M. O Reencantamento do Mundo: Trama Histórica e Arranjos Territoriais Pankararu. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1996.

CARDOSO, M. L.. Desafios e Potencialidades dos Comitês de Bacias Hidrográficas. Ciência e Cultura (SBPC), v. 55, n.4, p. 40-41, 2003.

CARNEIRO DA CUNHA, M. Populações tradicionais e a Convenção da Diversidade Biológica. Estudos avançados, São Paulo, v. 13, n. 36, p. 147-163, 1999.

COMERFORD, J. C. et al. Giros Etnográficos em Minas Gerais: casa, comida, prosa, festa, política, briga e o diabo. Rio de Janeiro: Faperj/7 Letras, 2015. FIALHO, V. Desenvolvimento e associativismo indígena no Nordeste Brasileiro: mobilizações e negociações na configuração de uma sociedade plural. Tese (Doutorado em Sociologia), Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010.

RIO DE JANEIRO: IBGE, 2010a. IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Comunicados do Ipea nº61 – Migração Interna no Brasil. Brasília: Ipea, 2010. KRAUSE, F. Rivers, borders, and the flows of the landscape. In: Kannike, A. & Tasa, M. (Org.) The Dynamics of Cultural Borders (Approaches to Culture Theory). Tartu: University of Tartu Press, 2010, p. 24-45. Volume 6.

LIMA, R. Um rio são muitos. Tese (Doutorado em Antropologia). Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2002.

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL (MIN). Relatório de Impacto Ambiental – RIMA do Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional. Brasília, 2004.

OLIVEIRA, J. P. A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de janeiro: Contra Capa, 1999.

OLIVEIRA, K. E. Estratégias Sociais no Movimento Indígena: representações e redes na experiência da APOINME. Tese (Doutorado em Antropologia). Programa de Pós-Graduação em Antropologia. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2010.

PIERSON, D. O Homem no Vale do São Francisco. Rio de Janeiro: SUVALE, 1972.

RUFINO, M. P. Águas da discórdia: a transposição das águas do Rio São Francisco e as mudanças de curso da missão indigenista católica. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 56, p. 15-44, 2013.

SALOMÃO, R. D. B. Tradição, Práticas Rituais e Afirmação Étnica entre os Tuxá de Rodelas. Cadernos do LEME, Campina Grande, v. 3, n. 1, p. 2-24. jan.-jun. 2011.

SAMPAIO SILVA, O. Índios Pankararu, de Itaparica, Pernambuco (Pesquisa realizada em 1975). Cadernos do LEME, Campina Grande, v. 5, n. 1, 2013.

SAMPAIO SILVA, O. Tuxá. São Paulo: Annablume, 1997. SCOTT, R. P. Negociações e Resistência Persistentes: agricultores e a barragem de Itaparica num contexto de descaso planejado. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2009.

TEÓFILO, R. A Fome. Fortaleza: Academia Cearense de Letras, 1979 TOMÁZ, Alzeni et al. Povos indígenas do Nordeste impactados com a transposição do rio São Francisco. APOINME, AATR, NECTAS/UNEB, CPP e CIMI, 2008 (Relatório de denúncia).

VIANA, C. Conflitos Socioambientais do Projeto de Integração do Rio São Francisco. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável). Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2005.

VILLA, M. A. Vida e Morte no Sertão: história das secas no Nordeste nos séculos XIX e XX. São Paulo: Editora Ática, 2001.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Carla Souza de Camargo

Downloads

Não há dados estatísticos.