Banner Portal
Um interminável Brasil colônia
PDF

Palavras-chave

Povos indígenas
Legislação indigenista
Ontologia mercantilista
Antropoceno
Cosmopolítica

Como Citar

CAPIBERIBE, Artionka. Um interminável Brasil colônia: os povos indígenas e um outro desenvolvimento. Maloca: Revista de Estudos Indígenas, Campinas, SP, v. 1, n. 1, p. 53–77, 2019. DOI: 10.20396/maloca.v1i1.13197. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/maloca/article/view/13197. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

O artigo explora a disputa político-normativa que mobiliza, de um lado, os alertas feitos pelos povos indígenas sobre o esgotamento da possibilidade de vida na terra, decorrente da exploração desenfreada de seus recursos naturais, percepção corroborada pela ciência e expressa na proposição do Antropoceno; e, de outro, as articulações e estratégias de convencimento de uma ontologia mercantilista que se preocupa em manter um modelo secular de desenvolvimento baseado na exploração econômica exaustiva e não sustentável de recursos ambientais e humanos. O artigo joga luz na ação indígena, na forma que assume, sustentada na palavra e no corpo, e no que ela contempla, uma cosmopolítica desenvolvida em dois planos: um pragmático e urgente, expresso na preocupação com a existência indígena, no presente; e um outro, epistêmico-ontológico, que conecta o passado, o presente e o futuro, ao mesmo tempo que inter-relaciona nessa temporalidade todos os entes do planeta (indígenas, não indígenas, animais, seres espirituais).

https://doi.org/10.20396/maloca.v1i1.13197
PDF

Referências

ALMEIDA, Mauro. Caipora e outros conflitos ontológicos. Revista de Antropologia da UFSCar, v.5, n.1, jan.-jun., p.7-28, 2013.

ARENDT, Hannah. Sobre a humanidade em tempos sombrios: reflexões sobre Lessing. [Tradução: Denise Bottmann]. In: ____ (Org.). Homens em Tempos Sombrios. São Paulo: Companhia das Letras, 2008 [1955]. p. 10-40.

AZEVEDO, Tasso R. de et al. SEEG initiative estimates of Brazilian greenhouse gas emissions from 1970 to 2015. Sci. Data. 5:180045, p. 1-43, 2018. Doi: 10.1038/sdata.2018.45.

BALLESTRI, Luciana. América latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política. No 11, p. 89-117, 2013.

BARROSO, Luís Roberto. 2013. Embargos de declaração na petição 3.388 – RR: relatório do min. Luís R. Barroso. Dsponível em: http://www.conjur.com.br/dl/decisao-barroso-raposa-serra-sol.pdf. Acesso em: 10. 02. 2019.

BEZERRA, André A. Salvador. Direitos dos Povos Indígenas como direitos à multiplicidade ontológica: um exame baseado nas demandas dos Tupinambá. Polifonia: Revista Internacional Academia Paulista de Direito. No 1 (nova série), p. 89-107, 2018.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. [Tradução: Carlos Nelson Coutinho]. Rio de Janeiro: Elsevier, [1992] 2004.

BONILLA, Oiara & CAPIBERIBE, Artionka. Isolados ou Cadastrados: os índios na era desenvolvimentista. Revista DR, ed. 1, Rio de Janeiro-RJ, p. 28 - 33, 2015.

BONILLA, Oiara & CAPIBERIBE, Artionka. “L’invasion du Congrès: contre qui luttent les Indiens”. Les Temps Modernes (Paris. 1945). v. 678, p. 108- 121, 2014.

CAPIBERIBE, Artionka. DOS ÍNDIOS: Em defesa da Constituição. Revista da Associação Juízes para a Democracia. Ano 18, fascículo 78, p. 3-5, 2018. Disponível em: https://ajd.org.br/jornal-78/. Acesso em: 19. 02. 2019.

CAPIBERIBE, Artionka & BONILLA, Oiara. A ocupação do Congresso: contra o quê lutam os índios? Estudos Avançados. V. 29, n. 83, p. 293- 313, 2015.

CAPIBERIBE, Artionka & BONILLA, Oiara. “Quand le développement et l’essor économique étranglent les droits des autochtones”. In: DREYFUS-GA MELON, Simone e KULESZA, Patrick (Orgs.), Les Indiens d’Amazonie face au développement prédateur. Nouveaux 75 projets d’exploitation et menaces sur les droits humains. Paris: L’Harmattan, 2015a, p. 45-64.

CAPIBERIBE, Artionka & BONILLA, Oiara. O rolo compressor ruralista: Projetos de lei, decretos e outros instrumentos legais relativos a direitos das populações indígenas (relação não exaustiva). Brasil de Fato, dez/2013. Disponível em: http://www.brasildefato.com.br/node/26920. Acesso em: 05. 02. 2019.

CARMO, Roberto Luiz do; ANAZAWA, Tathiane Mayumi & BONATTI, Thiago Fernando. Mariana 2015: reflexões sobre um desastre. Revista Jurídica Consulex. Ano XX, no 455, p. 32-35, 2016.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela et al. Indigenous peoples boxed in by Brazil’s political crisis. Hau: Journal of Ethnographic Theory, 7 (2), p. 403–426, 2017.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Política indigenista no século XIX. In: ____ (Org.). História dos índios no Brasil. [2a Edição]. São Paulo: Companhia da Letras/Secretaria Municipal de Cultura/FAPESP, 1992. pp. 133-54.

CHENG, Lijing et al. 2018 continues record global ocean warming. Adv. Atmos. Sci. V. 36, n. 3, p. 249–252, 2019.

CONKLIN, Beth A. Body paint, feathers, and VCRs: Aesthetics and Authenticity in Amazonian Activism. American Ethnologist. Vol. 24, no 4, p. 711-37, 1997.

CRUTZEN, Paul J. & STOEMER, Eugene F. The “Anthropocene”. Global Change News Letter (IGBP), no 41, p. 17-18, 2000.

DALLARI, Dalmo de A. Constituição e constituinte. São Paulo: Saraiva, 1982.

DANOWSKI, Déborah & VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Desterro [Florianópolis]: Cultura e Barbárie: Instituto Socioambiental, 2014.

DESCOLA, Philippe. Par-delà nature et culture. Paris: Gallimard, 2005. DIAS, Camila L. & CAPIBERIBE, Artionka (Orgs.). Trinta anos do Capítulo Dos Índios na Constituição brasileira. Memória e mobilização. São Paulo: Ateliê Editorial, no prelo.

FAVRET-SAADA, Jeanne. Jeux d’ombres sur la scène de l’ONU: droits humains et laïcité. Paris: Éditions de l’Olivier, 2010.

FEARNSIDE, Philip. Hidrelétricas na Amazônia. Manaus: Editora do INPA, vol. 1, 2015.

GOLDEMBERG, José & LUCON, Oswaldo. Energia e meio ambiente no Brasil. Estudos Avançados. V. 21, n. 59, p. 7-20, 2007.

IOIÔ, Adonias G. Relatório figueiredo como prova de genocídio, massacres e monstruosidades perpetradas contra os povos indígenas no brasil. Espaço Ameríndio. V. 12, n. 2, p. 460-468, jul./dez. 2018.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. Entrevista: “Não foi um acidente”, diz Ailton Krenak sobre a tragédia de Mariana. Instituto Socioambiental/Direto do ISA/Povos Indígenas. 07/09/2016. Disponível em: https://www.socioambiental.org/pt-br/ noticias-socioambientais/nao-foi-um-acidente-diz-ailton-krenak-sobre-a-tragedia-de-mariana. Acesso em: 04. 02. 2019.

LATOUR, Bruno. 2001. Guerre des mondes – offres de paix. In. José Vidal Benetto (Org.) Volume spécial de l´Unesco.

LEIRNER, Piero de C. O exército e a questão amazônica. Estudos Históricos. V. 8, n. 15, 1995, p. 119-132, 1995.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O Totemismo Hoje. Lisboa: Edições 70, 1986 [1961].

LIMA, Tânia Stolze. “O dois e seu múltiplo: reflexões sobre o perspectivismo em uma cosmologia tupi”. Mana. V. 2, n.2, p. 21-48, 1996.

LOVEJOY, Thomas. E. & NOBRE, Carlos. Amazon Tipping Point. Sci. Adv. V. 4, n. 2, p. 1, 2018. DOI: 10.1126/ sciadv.aat2340.

MARQUES, Luiz. Os recordes climáticos de 2017 e o legado da atual geração. Jornal da Unicamp On (edição web), 05/02/2018. Disponível em: https://www.unicamp.br/unicamp/ju/artigos/luiz-marques/os-recordes-climaticos-de- -2017-e-o-legado-da-atual-geracao. Acesso em: 20. 01. 2019.

MARQUES, Luiz. Negação da ciência ganha força em nacionalismo que une esquerda e direita. Folha de São Paulo. 06/01/2019.

MONTEIRO, John. Negros da Terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

OBSERVATÓRIO DO CLIMA. Emissões de GEE no Brasil e suas implicações para políticas públicas e a contribuição brasileira para o Acordo de Paris (– Documento de análise, período 1970-2016), 2018.

PAULA, Luís Roberto de. A participação indígena em eleições municipais (1976 a 2016): uma sistematização quantitativa Preliminar e alguns Problemas de investigação. Resenha & Debate (nova série). V. 2, p. 6-45, 2017.

PERRONE-MOISÉS, B. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). In: CUNHA, M. C. da (Org.). História dos índios no Brasil. [2a Edição]. São Paulo: Companhia da Letras/Secretaria Municipal de Cultura/FAPESP, 1992. p.115-132.

PERRONE-MOISÉS, B. Inventário da legislação indigenista – 1500-1800. In: CUNHA, M. C. da (Org.). História dos índios no Brasil. [2a Edição]. São Paulo: Companhia da Letras/Secretaria Municipal de Cultura/FAPESP, 1992. p. 529-66.

PIGNARRE, Philippe e STENGERS, Isabelle. La Sorcellerie Capitaliste: Pratiques de désenvoûtement. Paris: Éditions La Découverte, 2007. RAMOS, Alcida R. Nações dentro da nação: um desencontro de ideologias. Série Antropologia. No 147, p.1-10, 1993.

SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

STEFFEN, Will; CRUTZEN, Paul J. & McNEILL, John R. The Anthropocene: Are Humans Now Overwhelming the Great Forces of Nature? Ambio: A Journal of the Human Environment. V. 36, n. 8, p. 614-21, December 2007.

STENGERS, Isabelle. No tempo das catástrofes: resistir à barbárie que se aproxima. [Tradução: Eloisa Araújo Ribeiro]. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

STENGERS, Isabelle. La proposition cosmopolitique. In: Lolive, Jacques & Soubeyran, Olivier (Orgs.), L’émergence des cosmo politiques. Paris: La Découverte “Recherches”, 2007, p. 45-68. STF (Supremo Tribunal Federal). Petição 3.388/RR [ementa, acórdão, relatório e votos]. Revista Trimestral de Juris prudência, vol. 212, p. 49-371, 2010. Disponível em: http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/publicacaoRTJ/anexo/212_1. Pdf. Acesso em: 18. 11. 2013.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Perspectivismo e multinaturalismo na América indígena. In: ____., A inconstância da alma selvagem – e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002, p. 345-99.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Artionka Capiberibe

Downloads

Não há dados estatísticos.