A panacéia tecnológica e a perspectiva do valor de uso

Autores

  • Mauro Castelo Branco de Moura Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/cemarx.v1i2.10793

Palavras-chave:

Panacéia tecnológica

Resumo

A modernidade, sobretudo em seu apogeu iluminista, ensejou a crença numdevir auspicioso fundado, segundo Adam Smith, no desenvolvimento das forçasprodutivas do trabalho [productive powers of labour]. Porém, ainda no séculoXVIII, em meio a um otimismo generalizado, que se consagrou com a gêneseda historicidade (entendida como “progresso”) e espraiou-se através de autorescomo Kant ou Condorcet, já se insurgia Rousseau contra a crença datécnica como panacéia para a resolução dos problemas humanos. À esteira deambos (Smith e Rousseau), Marx demonstra que o capital é um poderoso estimulanteao desenvolvimento das forças produtivas, mas traz aparelhado em si asubmissão estranhada do processo de reprodução social à valorização do valor[Verwertungs des Werts], com o quinhão de barbárie que lhe é inerente. O crescimentopermanente e ilimitado da riqueza abstrata que carateriza o capital, figuraapoteótica da tríade fetichóide (mercadoria, dinheiro e capital), só se podeconsumar às expensas da subordinação da satisfação das necessidades (e davida) humanas a seu desiderato, pela imposição de seu automatismo, que subalternizatodas as apetências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mauro Castelo Branco de Moura, Universidade Federal da Bahia

Professor Doutor do Departamento de Filosofia da Universidade Federal da Bahia.

Downloads

Publicado

2005-07-18

Como Citar

MOURA, M. C. B. de. A panacéia tecnológica e a perspectiva do valor de uso. Cadernos Cemarx, Campinas, SP, v. 1, n. 2, 2005. DOI: 10.20396/cemarx.v1i2.10793. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cemarx/article/view/59-64. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos