Banner Portal
Sexualidade e disciplina do trabalho na ordem social burguesa
PDF

Palavras-chave

Sexualidade
Disciplina do trabalho
Capitalismo

Como Citar

BIONDI, Pablo. Sexualidade e disciplina do trabalho na ordem social burguesa. Cadernos Cemarx, Campinas, SP, n. 10, p. 131–149, 2018. DOI: 10.20396/cemarx.v0i10.10924. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cemarx/article/view/10924. Acesso em: 20 jun. 2024.

Resumo

O objetivo do presente artigo é identifi car uma conexão entre as formas capitalistas de controle e infl uência sobre a sexualidade e a disciplina do trabalho que é própria da sociedade burguesa e de sua ideologia. Deve-se considerar, como ideologia, uma compulsão interna que coloca o sujeito em movimento e que o constitui como um ente autômato dessa sociedade, capaz de entregar voluntariamente sua força de trabalho no mercado, livre de coerções externas e extraeconômicas. A categoria do trabalho, sob o modo capitalista de produção, está inevitavelmente associada à forma valor, assim como o valor está associado aos padrões de gênero da modernidade. Esse arranjo social conspira contra a livre fruição das novas identidades sexuais, já que a ordem social burguesa impõe normas heterossexistas,
encontrando suporte relativo na família nuclear tradicional para fins de garantir a reprodução ampliada da força de trabalho. Portanto, o artigo pretende demonstrar que as restrições sociais à diversidade sexual estão enraizadas na sociedade burguesa, particularmente nas suas categorias constitutivas.

https://doi.org/10.20396/cemarx.v0i10.10924
PDF

Referências

ALTHUSSER, L. A favor de Marx, 2.ª ed. Tradução de Dirceu Lindoso. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado. Tradução de Walter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro. São Paulo: Graal, 2007.

BIONDI, P. Não fale em crise, trabalhe: sobre a ideologia do trabalho. Revista Direitos, Trabalho e Política Social, n. 4, v. 3, jan-jun 2017, p. 90-110.

CORREIA, M. O. G. e BIONDI, P. Uma leitura marxista do trabalho doméstico. Revista LTr, n. 3, v. 75, mar. 2011, p. 311-318.

DAVIS, A. Mujeres, raza y clase. Traducción de Ana Varela Mateos. Madrid: Alcal, 2005.

D’EMILIO, J. Capitalism and gay identity. In: SNITOW, A.; STANSEL, C.; THOMPSON, S. (Eds.). Powers of desire: the politics of sexuality. New York: Monthly Review, 1983.

JAPPE, A. As aventuras da mercadoria: para uma nova crítica do valor. Tradução de José Miranda Justo. Lisboa: Antígona, 2006.

MARX, K. O capital: livro I, capítulo VI (inédito). Tradução de Eduardo Sucupira Filho. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1978.

NAVES, M. A questão do direito em Marx. São Paulo: Outras Expressões; Dobra, 2014. REICHE, R. Sexuality and class struggle. Translated by Susan Benne# . London: NLB, 1970.

SAMPEDRO, F. A teoria da ideologia de Althusser. Tradução de Márcio Bilharinho Naves. In: NAVES, M. B. (Org.). Presença de Althusser. Campinas: Unicamp, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2010.

SCHOLZ, R. O valor é o homem: teses sobre a socialização pelo valor e a relação entre os sexos. Tradução de José Marcos Macedo. Revista Novos Estudos, São Paulo, n. 45, 1996, p. 15-36.

SCHOLZ, R. Patriarchy and commodity society: gender without the body. In: LARSEN, N.; NILGES, M.; ROBINSON, J.; BROWN, N. (eds.). Marxism and the critique of value. Chicago: MCM, 2014.

THOMPSON, E. P. Tradición, revuelta y consciencia de clase: estudios sobre la crisis de la sociedad preindustrial. Traducción de Eva Rodriguez. Barcelona: Editorial Crítica, 1984.

WOLF, S. Sexuality and socialism: history, politics and theory of LGBT liberation. Chicago: Haymarket Books, 2009.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 Pablo Biondi

Downloads

Não há dados estatísticos.