Sexualidade e disciplina do trabalho na ordem social burguesa

Autores

  • Pablo Biondi Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo

DOI:

https://doi.org/10.20396/cemarx.v0i10.10924

Palavras-chave:

Sexualidade, Disciplina do trabalho, Capitalismo

Resumo

O objetivo do presente artigo é identifi car uma conexão entre as formas capitalistas de controle e infl uência sobre a sexualidade e a disciplina do trabalho que é própria da sociedade burguesa e de sua ideologia. Deve-se considerar, como ideologia, uma compulsão interna que coloca o sujeito em movimento e que o constitui como um ente autômato dessa sociedade, capaz de entregar voluntariamente sua força de trabalho no mercado, livre de coerções externas e extraeconômicas. A categoria do trabalho, sob o modo capitalista de produção, está inevitavelmente associada à forma valor, assim como o valor está associado aos padrões de gênero da modernidade. Esse arranjo social conspira contra a livre fruição das novas identidades sexuais, já que a ordem social burguesa impõe normas heterossexistas,
encontrando suporte relativo na família nuclear tradicional para fins de garantir a reprodução ampliada da força de trabalho. Portanto, o artigo pretende demonstrar que as restrições sociais à diversidade sexual estão enraizadas na sociedade burguesa, particularmente nas suas categorias constitutivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Pablo Biondi, Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo

Doutorado em Direito pela Universidade de São Paulo. Professor de "Filosofia do Direito" e "Teoria Geral do Direito" na Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo.

Referências

ALTHUSSER, L. A favor de Marx, 2.ª ed. Tradução de Dirceu Lindoso. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado. Tradução de Walter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro. São Paulo: Graal, 2007.

BIONDI, P. Não fale em crise, trabalhe: sobre a ideologia do trabalho. Revista Direitos, Trabalho e Política Social, n. 4, v. 3, jan-jun 2017, p. 90-110.

CORREIA, M. O. G. e BIONDI, P. Uma leitura marxista do trabalho doméstico. Revista LTr, n. 3, v. 75, mar. 2011, p. 311-318.

DAVIS, A. Mujeres, raza y clase. Traducción de Ana Varela Mateos. Madrid: Alcal, 2005.

D’EMILIO, J. Capitalism and gay identity. In: SNITOW, A.; STANSEL, C.; THOMPSON, S. (Eds.). Powers of desire: the politics of sexuality. New York: Monthly Review, 1983.

JAPPE, A. As aventuras da mercadoria: para uma nova crítica do valor. Tradução de José Miranda Justo. Lisboa: Antígona, 2006.

MARX, K. O capital: livro I, capítulo VI (inédito). Tradução de Eduardo Sucupira Filho. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1978.

NAVES, M. A questão do direito em Marx. São Paulo: Outras Expressões; Dobra, 2014. REICHE, R. Sexuality and class struggle. Translated by Susan Benne# . London: NLB, 1970.

SAMPEDRO, F. A teoria da ideologia de Althusser. Tradução de Márcio Bilharinho Naves. In: NAVES, M. B. (Org.). Presença de Althusser. Campinas: Unicamp, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2010.

SCHOLZ, R. O valor é o homem: teses sobre a socialização pelo valor e a relação entre os sexos. Tradução de José Marcos Macedo. Revista Novos Estudos, São Paulo, n. 45, 1996, p. 15-36.

SCHOLZ, R. Patriarchy and commodity society: gender without the body. In: LARSEN, N.; NILGES, M.; ROBINSON, J.; BROWN, N. (eds.). Marxism and the critique of value. Chicago: MCM, 2014.

THOMPSON, E. P. Tradición, revuelta y consciencia de clase: estudios sobre la crisis de la sociedad preindustrial. Traducción de Eva Rodriguez. Barcelona: Editorial Crítica, 1984.

WOLF, S. Sexuality and socialism: history, politics and theory of LGBT liberation. Chicago: Haymarket Books, 2009.

Downloads

Publicado

2018-01-17

Como Citar

BIONDI, P. Sexualidade e disciplina do trabalho na ordem social burguesa. Cadernos Cemarx, Campinas, SP, n. 10, p. 131–149, 2018. DOI: 10.20396/cemarx.v0i10.10924. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cemarx/article/view/10924. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos