Banner Portal
Um marxismo transviado
PDF

Palavras-chave

Diversidade sexual e de gênero
Marxismo
Pós-estruturalismo

Como Citar

TOITIO, Rafael Dias. Um marxismo transviado. Cadernos Cemarx, Campinas, SP, n. 10, p. 61–82, 2018. DOI: 10.20396/cemarx.v0i10.10921. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cemarx/article/view/10921. Acesso em: 25 jun. 2024.

Resumo

A proposta do texto é contribuir para a refl exão de como o marxismo pode subsidiar a análise das relações de gênero e sexualidade, em diálogo com algumas categorias e perspectivas desenvolvidas pelo pós-estruturalismo. Para tanto, parto do questionamento da ideia, vastamente presente na esquerda marxista, de que a luta pela diversidade sexual e de gênero é uma luta simplesmente particular e identitária. Depois, elaboro alguns apontamentos sobre como o marxismo pode colaborar para o desenvolvimento de uma análise da articulação das relações de poder e de estratégias políticas que contribuam para o avanço das lutas de sexualidade e gênero.

https://doi.org/10.20396/cemarx.v0i10.10921
PDF

Referências

ARRUZZA, C. Considerações sobre gênero: reabrindo o debate sobre patriarcado e/ou capitalismo. Outubro, ed. 23, 2015.

BENTO, B. O que pode uma teoria? estudos transviados e a despatologização das identidades trans. Florestan, n. 2, 2014.

BUTLER, J. El marxismo y lo meramente cultural. New Left Review, n. 2, mai-jun. 2000.

CYFER, I. e NEVES, R. Entrevista com Nancy Fraser. ABREU, M. A. (Org.) Redistribuição, reconhecimento e representação: diálogos sobre igualdade de gênero. Brasília: Ipea, 2011.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 17. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. História de sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FRASER, N. “Heterosexismo, falta de reconocimiento y capitalismo: una respuesta a Judith Butler”. New Left Review 2, mai./jun , 2000.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, v. 1, 2006.

HOBSBAWM, E. A era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

JESSOP, B. State Power: a strategic-relational approach. Cambridge/ Malden: Polity Press, 2007.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2012.

MARX, K. Ad Feuerbach (1845). In: MARX, K. e ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

POULANTZAS, N. O Estado, o Poder, o Socialismo. Rio de Janeiro: Graal, 1980.

THERBORN, G. Sexo e poder: a família no mundo 1900-2000. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2011.

TOITIO, R. D. Cores e contradições: a luta pela diversidade sexual e de gênero sob o neoliberalismo brasileiro. Campinas, 2016. Tese (Doutorado em Ciências Sociais), IFCH/Unicamp.

WILLIAMS, R. Cultura e materialismo. São Paulo: Ed. Unesp, 2011.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 Rafael Dias Toitio

Downloads

Não há dados estatísticos.