Banner Portal
A concepção de homem em Marx e Engels e o programa socialista do século XXI
PDF

Palavras-chave

Marx
Engels
Socialista

Como Citar

BITTAR, M.; FERREIRA JUNIOR, A. A concepção de homem em Marx e Engels e o programa socialista do século XXI. Cadernos Cemarx, Campinas, SP, v. 2, n. 2, p. 68–78, 2005. DOI: 10.20396/cemarx.v2i2.10824. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cemarx/article/view/10824. Acesso em: 30 nov. 2023.

Resumo

Vivemos a passagem do século XX para o XXI em meio à crise provocada pelo fimdo “socialismo real”, que desencadeou uma onda de ataques aos “velhos esquemasinterpretativos” valorizando o fragmentário, o efêmero e o imaginário, bem como propagandoa “morte do marxismo”. Presenciamos o reduzido valor dos “produtos” marxistasno “mercado de bens simbólicos”, fartamente alimentado pelos “novos paradigmas”.Ao mesmo tempo, em nossa prática acadêmica como professores universitários,ouvimos críticas que revelavam desconhecimento da obra de Marx e Engels,entre elas, por exemplo, a de que o marxismo seria anti-humanista por haver substituídoo homem por forças produtivas e relações de produção. Para enfrentar essas questões teóricas, aprofundamos o estudo do marxismo epassamos a oferecer um curso anual possibilitando a leitura e o debate entre estudantesda pós-graduação, para os quais, na quase totalidade, foi a primeira oportunidadede ler um texto original dos dois pensadores.O trabalho que ora apresentamos é resultado dessas reflexões e com ele desejamosdiscutir o conceito de homem em Marx e Engels demonstrando exatamente ocontrário daquelas críticas. Iniciamos com a indagação: neste começo de século emque se fala tanto da redescoberta do valor do indivíduo, há algo mais atual do que olugar que Marx reservou para o indivíduo na sua concepção de emancipação humana? Foi com Marx que aprendemos que o capitalismo é um sistema no qual o processode produção domina os homens e não os homens o processo. O humanismo deMarx em O Capital não é um simples protesto moral: ele rasga o véu mítico da reificação,decifra o “hieróglifo” do valor, apreende a realidade social (humana) oculta pelaopacidade do mercado. Nessa obra em que dissecou o processo de degradação físicae intelectual dos trabalhadores, o capítulo sobre o fetichismo é a chave para a compreensãodo seu humanismo. Mas será que os “novos críticos” a leram?

https://doi.org/10.20396/cemarx.v2i2.10824
PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2005 Marisa Bittar, Amarilio Ferreira Junior

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...