Banner Portal
Os conflitos regionais no capitalismo
PDF

Palavras-chave

Capitalismo – Conflitos regionais
Burguesias
Relações internacionais

Como Citar

FARIAS, F. P. de. Os conflitos regionais no capitalismo: elementos de uma abordagem alternativa. Cadernos Cemarx, Campinas, SP, n. 4, p. 113–123, 2007. DOI: 10.20396/cemarx.v0i4.10813. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cemarx/article/view/10813. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Há três possibilidades para que se possa caracterizar os conitos regionais combase no modelo poulantziano das frações de classe dominante. A primeira é a dese conceber a dominação regional como uma relação entre as secções regionais dasfrações das classes dominantes. Assim, têm-se os conitos entre a burguesia industrialda região-centro e a burguesia industrial da periferia nacional, ou os conitosentre o capital comercial do centro e o capital comercial da periferia etc. A segundapossibilidade de interpretação consiste em conceber-se a região como determinadafundamentalmente pela interconexão entre as frações da burguesia presentes no espaçoregional. Formam-se então os blocos regionais de capitais, que irão disputar entresi os benefícios das políticas do Estado nacional. A terceira linha interpretativa, quenos parece a mais adequada, arma que ambas as possibilidades anteriores podem seconcretizar. Em termos gerais, o que se parece depreender dos conceitos poulantzianosde burguesias compradora, interna e nacional é que a explicação das desigualdadeseconômicas e conitos entre os países ou entre as regiões de um mesmo país deveser buscada na articulação de fatores internos (as condições históricas de desenvolvimento das forças produtivas) e externos (a dominação e exploração imperialistas),bem como na correspondência dos aspectos econômicos e políticos.
https://doi.org/10.20396/cemarx.v0i4.10813
PDF

Referências

BETTELHEIM, Charles. Plani"cação e crescimento acelerado. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

COSTA, Paulo. Democracia nos anos 50: burguesia comercial, corporativismo e parlamento. São Paulo: Editora Hucitec, 1998.

COUTINHO, L. “Desigualdades regionais: uma revisão da literatura”. In: Revista de Administração de Empresas. Rio de Janeiro: FGV, vol. 13, nº 3, 1973.

DULONG, Renaud. “A crise da relação Estado/sociedade local vista através da política regional”. In: POULANTZAS, Nicos (Org.). O Estado em crise. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

FURTADO, Celso. A operação Nordeste. Rio de Janeiro: MEC/ISEB, 1959.

FURTADO, Celso. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. 3. ed. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1965.

GUNDER FRANK, André. Le développement du sous-développement. Paris : Librairie François Maspero, 1969.

PERISSINOTTO, Renato. Classes dominantes e hegemonia na República Velha. Campinas: Unicamp, 1994. Cap. 4: “Os con'itos regionais como con'itos no interior do bloco no poder”.

POULANTZAS, Nicos. As classes sociais no capitalismo de hoje. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

POULANTZAS, Nicos. Poder político e classes sociais. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

SAES, Décio. “Considerações sobre a análise dos sistemas de classe”. In: CATANI, Afrânio et al., Marxismo e ciências humanas. São Paulo: Xamã, 2003.

SAES, Décio. “Estado e classes sociais no capitalismo brasileiro dos anos 70/80”. In: República do capital. São Paulo: Boitempo, 2001.

SAES, Décio. A formação do Estado burguês no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985. Cap. III, item 2, subitem A: “A posição das classes dominantes no processo de transformação burguesa do Estado brasileiro”.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2007 Francisco Pereira de Farias

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...