Perfil dos egressos dos programas de Pós-graduação da área de Medicina Veterinária da FMVZ
Capa do Eixo 2, sobre Ensino, Pesquisa, Extensão e Inovação
PDF

Palavras-chave

Alunos
Avaliação
Egressos
Medicina Veterinária
Pós-Graduação

Categorias

Como Citar

LALLA JÚNIOR, José Roberto de; HUSSNI, Carlos Alberto. Perfil dos egressos dos programas de Pós-graduação da área de Medicina Veterinária da FMVZ: UNESP – Câmpus de Botucatu. Congresso dos Profissionais das Universidades Estaduais de São Paulo, Campinas, SP, n. 2, p. e023009, 2023. DOI: 10.20396/conpuesp.2.2023.5092. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/conpuesp/article/view/5092. Acesso em: 30 maio. 2024.

Resumo

Introdução: A sociedade vivencia mudanças em diversas áreas de conhecimento e a Universidade desempenha um papel fundamental neste processo. A Pós-Graduação contribui para esse cenário de mudanças e, portanto, é necessário acompanhar esses profissionais, mesmo após a finalização do curso. Objetivo: Conhecer o perfil sociodemográfico dos PPGs da área de Medicina Veterinária da FMVZ – UNESP – Botucatu, entre os anos de 2015 e 2019. Metodologia: Foi aplicado um questionário aos egressos da Instituição, em formato online, entre julho e outubro de 2020. Resultados: Foram obtidas respostas de 376 egressos (93,8%), dos 401 elegíveis, os quais foram predominantemente do sexo feminino (61,4%) e possuíam idade média de 33,9 anos, 67% estavam entre 25 e 34 anos, 28,2% entre 35 e 44 anos e apenas 4,8% com mais de 45 anos. A cor branca foi predominante (81,1%), seguida de parda (14,1%), amarela (3,5%) e preta (1,3%). O estado civil solteiro correspondeu a 63,8% dos egressos, enquanto casados representaram 29,3%, divorciados, 2,4% e outros estados civis configuraram 4,5%. 69,1% dos egressos foram da região sudeste do Brasil, o que é natural, pois a sede dos PPGs fica em Botucatu, interior de São Paulo, seguido da região sul (11,7%), nordeste (6,6%), centro oeste (5,6%) e norte (1,9%). Ainda, 5,1% dos egressos foram oriundos do exterior, com maior presença dos países da América do Sul. Conclusão: É fundamental conhecer o perfil dos egressos de uma IES, pois são fornecidos dados que subsidiarão as tomadas de decisões por parte de suas coordenações e gestores.

https://doi.org/10.20396/conpuesp.2.2023.5092
PDF

Referências

ANCIRA, C. G.; ELIZONDO, A. C.; REYNA, I. M. S. El seguimiento a egresados como orientación profesional para estudiantes y aspirantes a las carreras de ingeniería. Revista Cubana de Educación Superior, v. 36, n. 3, p. 63-73, 2017.

COELHO, M. do S. da C.; OLIVEIRA, N. C. M. de. Os egressos no processo de avaliação. Revista e-Curriculum, v. 8, n. 2, p.1-19, 2012.

MACCARI, E. A.; TEIXEIRA, G. C. dos S. Estratégia e planejamento de projeto para acompanhamento de alunos egressos de programas de pós-graduação stricto-sensu. Revista de Administração da UFSM, v. 7, n. 1, p. 101-116, 2014.

RIBEIRO, J. L. L. de S. Avaliação das universidades brasileiras: as possibilidades de avaliar e as dificuldades de ser avaliado. Avaliação, v. 16, n. 1, p. 57-71, 2011.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 José Roberto de Lalla Júnior, Carlos Alberto Hussni (Autor)

Downloads

Não há dados estatísticos.