Acessibilidade linguística
Capa do Eixo 3, sobre Diversidade, Inclusão e Pertencimento
PDF

Palavras-chave

Acessibilidade
Surdo
Ensino

Categorias

Como Citar

SILVA, Priscila Amorim; DA SILVA ROSA, Andréa; DESIDÉRIO, Rosimeire Aparecida Antunes; ROSA, Luciana Aguera. Acessibilidade linguística : caminho para a efetivação de uma universidade acessível à comunidade Surda. Congresso dos Profissionais das Universidades Estaduais de São Paulo, Campinas, SP, n. 2, p. e023013, 2023. DOI: 10.20396/conpuesp.2.2023.5048. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/conpuesp/article/view/5048. Acesso em: 26 maio. 2024.

Resumo

Introdução: A língua e a linguagem são fatores essenciais para que as interações sociais ocorram. A Universidade, comprometida com o princípio de justiça social, deve atender de forma igualitária os diferentes grupos sociais. E, nesse grupo, inclui-se a comunidade surda usuária da Língua Brasileira de Sinais (Libras) que conta com o Decreto-Lei nº 5.626/2005 – instrumento jurídico que oficializou a Lei nº 10.436/2002 e reconhece a Libras como a língua natural do Surdo. Objetivo: Formar servidores capacitados em LIBRAS para que possam mediar a comunicação e promover a acessibilidade linguística de todos os frequentadores da universidade. Metodologia: Curso presencial com aulas teóricas e práticas, ministrado por uma fonoaudióloga bilingue, uma pedagoga bilingue e duas pedagogas surdas, a funcionários de todos os campi, com ementa que contemple a gramática da LIBRAS, conteúdos discursivos, noções básicas de anatomia e fisiologia da audição integradas à aquisição e desenvolvimento da fala e da linguagem, ética da tradução e interpretação, cultura e identidade surda. Resultados: O curso contou com funcionários de várias áreas da universidade, o que demonstrou grande interesse pela formação e significativo envolvimento desde os primeiros encontros que iniciaram no mês de agosto de 2022 e terminaram em março de 2023, num total de 98 horas de formação. Conclusão: É de fundamental importância que ações como essa constante desse documento aconteçam, para contribuir e garantir o acesso contínuo das pessoas surdas às atividades de ensino, pesquisa e extensão oferecidas, tripé que norteia a universidade pública.

https://doi.org/10.20396/conpuesp.2.2023.5048
PDF

Referências

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. [Brasília, DF: Presidência da República, 2002]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 2 set. 2023.

BRASIL. Decreto-Lei nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. [Brasília, DF: Presidência da República, 2005]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 2 set. 2023.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Priscila Amorim Silva, Andréa da Silva Rosa, Rosimeire Aparecida Antunes Desidério, Luciana Aguera Rosa (Autor)

Downloads

Não há dados estatísticos.