Cargas de trabalho e desgaste mental de servidores públicos
Capa do Eixo 5 sobre Saúde e Qualidade de Vida
PDF

Palavras-chave

Cargas de trabalho
Desgaste mental
Saúde do trabalhador

Categorias

Como Citar

VENTRIGLIO, Telma Cecília Coutinho; DIAS, Maria Dionísia do Amaral. Cargas de trabalho e desgaste mental de servidores públicos: uma proposta de ação qualitativa. Congresso dos Profissionais das Universidades Estaduais de São Paulo, Campinas, SP, n. 2, p. e023107, 2023. DOI: 10.20396/conpuesp.2.2023.4925. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/conpuesp/article/view/4925. Acesso em: 19 maio. 2024.

Resumo

Introdução: Esta experiência é resultado da pesquisa de mestrado profissional apresentada no ano de 2017 junto à Faculdade de Saúde Pública referente às cargas de trabalho e o desgaste mental desenvolvida no serviço de saúde ocupacional da Universidade de São Paulo. A identificação das situações e fatores que afetam os trabalhadores psiquicamente é de difícil mensuração, mas isto não deve ser motivo para ignorar este importante aspecto do trabalho. Objetivo: Apresentar uma proposta de instrumento qualitativo de avaliação de desgaste mental no trabalho de servidores públicos visando ações preventivas e de promoção à saúde. Metodologia: A abordagem qualitativa possibilitou compreender o objeto de estudo na perspectiva do trabalhador. A investigação realizou-se em duas etapas: um estudo exploratório a partir dos dados relativos aos afastamentos previdenciários por doença seguido do estudo junto aos trabalhadores para compreender a atividade administrativa na universidade. Utilizou-se um roteiro preestabelecido com questões para identificar as cargas de trabalho que geram desgaste aos trabalhadores. Resultados: O instrumento utilizado propiciou emergir os aspectos psicossociais presentes no trabalho e ressaltaram a importância de  aperfeiçoar as avaliações do trabalho e da saúde dos servidores públicos de modo a orientar ações preventivas e de promoção à saúde do trabalho. Conclusão: Embora a pesquisa seja de 2017 entende-se que no momento atual, a inserção de uma estratégia para dar mais visibilidade aos aspectos de saúde mental na avaliação da saúde do trabalhador mantém-se como necessária.

https://doi.org/10.20396/conpuesp.2.2023.4925
PDF

Referências

ASSUNÇÃO, A. A.; LIMA, F. P. A. A contribuição da ergonomia para a identificação, redução e eliminação da nocividade do trabalho. In: MENDES, R. (Org.). Patologia do Trabalho. Rio de Janeiro: Ed. Atheneu, 2003, p. 1768-1789.

DANIELLOU, F. et. al. Fatores humanos e organizacionais da segurança industrial: um estado da arte. Tradução R. Rocha, F. Lima e F. Duarte. Cadernos da Segurança Industrial, ICSI, Toulouse, França (ISNN 2100-3874), 2010.

FERREIRA, L. L. O trabalho que analisamos. In: Congresso da Associação Brasileira de Ergonomia, 18, Belo Horizonte, 2016. Disponível em: < https://www.forumat.net.br/at/sites/default/files/arq >. Acesso em: 21/09/2017.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Editora Hucitec, 2014.

SELIGMANN-SILVA, E. et al. Editorial dossiê o mundo contemporâneo do trabalho e a saúde mental do trabalhador. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 35, n. 122, p. 187-191, jul./dez., 2010a.

WISNER, A. Organização do trabalho, carga mental e sofrimento psíquico. In: A inteligência do trabalho. São Paulo: Fundacentro, 1994.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Telma Cecília Coutinho Ventriglio, Maria Dionísia do Amaral Dias (Autor)

Downloads

Não há dados estatísticos.