Movimentos populares urbanos
Capa do Eixo 3 sobre Diversidade, Inclusão e Pertencimento
PDF

Palavras-chave

Movimentos populares urbanos
Direito à cidade
Produção desigual do espaço urbano

Categorias

Como Citar

VENTURA, Eduardo José. Movimentos populares urbanos: um estudo de caso sobre a relação entre UNESP e comunidade do distrito de Rubião Júnior de Botucatu-SP. Congresso dos Profissionais das Universidades Estaduais de São Paulo, Campinas, SP, n. 2, p. e023102, 2023. DOI: 10.20396/conpuesp.2.2023.4909. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/conpuesp/article/view/4909. Acesso em: 21 maio. 2024.

Resumo

Introdução : A pesquisa aborda, sob a ótica dos chamados "Movimentos Populares Urbanos" (MPUs), a relação entre comunidade do distrito de Rubião Júnior (RJr) e Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp) localizada no mesmo local, com vistas à produção desigual do espaço. Propõe-se discutir MPU eclodido no início deste século nesse espaço, que foi marcado pela oposição ao fechamento de uma passagem que proporcionava à comunidade local acesso facilitado ao campus universitário, que chamaremos de “Movimento Contrário ao Fechamento do ‘Quebra-corpo’ da Unesp”. Objetivo: Nosso objetivo é compreender aspectos relacionados à eclosão do MPU, a partir da análise da produção histórico-social do espaço dos bairros e campus universitário. Metodologia: A pesquisa foi pautada em abordagem qualitativa do tipo estudo de caso, adotando-se um enfoque “econômico-estrutural” Resultados: O estudo evidenciou forte relação prática e concreta de interdependência entre comunidade interna e externa à Unesp. Ao longo da formação do distrito, o campus forneceu os bens de consumo coletivo, ausentes ou precários nos bairros locais, criando não só dependência material, mas também sentimento de pertencimento e ocupação coletiva da universidade. Conclusão: O espaço produzido deve ser analisado sob a perspectiva da reprodução do capital, do poder e da sociedade e as contradições presentes na inter-relação de tais fenômenos. “A sociedade produz o espaço e, ao fazê-lo, revela uma profunda contradição [...] entre um processo de produção, que é socializado, e a apropriação do espaço, que é privada.”.

https://doi.org/10.20396/conpuesp.2.2023.4909
PDF

Referências

BACILA, C. R. Estigmas: um estudo sobre os preconceitos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014. 3. ed.

BAUMAN, Z. Confiança e medo na cidade In BAUMAN, Z. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009. p. 13-51. BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de Psicologia Social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003. 2. ed.

CARLOS, A. F. A. Sobre agentes sociais, escala e produção do espaço: um texto para a discussão. In: CARLOS, A. F. A.; SOUZA, M. L.; SPOSITO M. E. B. (orgs.). A Produção do Espaço Urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Editora Contexto, 2016. 1 ed. 4. reimpr.

CORRÊA, R. L. Sobre agentes sociais, escala e produção do espaço: um texto para a discussão. In: CARLOS, A. F. A.; SOUZA, M. L.; SPOSITO M. E. B. (orgs.). A Produção do Espaço Urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Editora Contexto, 2016. 1 ed. 4. reimpr.

DONATO, H. A luz que venceu a morte: a lâmpada do Frederico no Morro do Capão Bonito de Rubião Júnior. Botucatu: 13 jul. 2007.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n.3, p, 20-29, mai./jun. 1995.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

HARVEY, D. O Direito à Cidade. In: Harvey, D. Cidades Rebeldes: do direito a cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014. p. 27-66.

HARVEY, D. O direito à cidade. In: Jair Pinheiro (tradutor). Lutas Sociais, São Paulo, n.29, p.73-89, jul./dez. 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, c2020. Página inicial. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/>. Acesso em 16 de jul. 2023.

MARX, K. O Capital. São Paulo: Boitempo, 2013. 1 ed.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço. São Paulo: Edusp, 2006. 4 ed. 2. reimpr

SANTOS, M. Economia Espacial: críticas e alternativas. São Paulo: Edusp, 2003. 2 ed.

SANTOS, M. O Espaço do Cidadão. São Paulo: Edusp, 2007. 7 ed. SANTOS, M. Pensando o Espaço do Homem. São Paulo: Edusp, 2004. 5 ed.

SANTOS, M. Pensando o Espaço do Homem. São Paulo: Edusp, 2004. 5 ed

SANTOS, R. B. Movimentos sociais urbanos. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

SÃO PAULO (Estado). Lei n. 4.991, de 25 de novembro de 1958. Dispõe sôbre criação da Faculdade de Medicina de Botucatu, e dá outras providências. Disponível em: <https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1958/lei-4991-25.11.1958.html>. Acesso em: 31 jul. 2023.

SÃO PAULO (Estado). Lei n. 6.860, de 22 de julho de 1962. Institui a Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu, como instituto isolado do ensino superior, e dá outras providências. Disponível em: <https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1962/lei-6860-22.07.1962.html>. Acesso em: 31 jul. 2023.

VIGLIAZZI, A. A. A Luz de Arcângelo: A história da Igreja de Santo Antônio do Distrito de Rubião Júnior. São Paulo: Gráfica e Editora Tipomic, 2003. ZIBORDI, M. Rubião Júnior quer emancipação política. Jornal da Cidade, Bauru, p. 22-23, 28 fev. 1999.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Eduardo José Ventura (Autor)

Downloads

Não há dados estatísticos.