Treinamento de enfermeiros para avaliação de risco de deterioração clínica precoce
Capa créditos: Gildenir C. Santos (Canva)
PDF

Palavras-chave

Enfermagem
Hospitalização
Deterioração clínica

Como Citar

1.
Lourenço LB de A, Esteves M de S, Cornelio ME, Rodrigues RCM, São-João TM. Treinamento de enfermeiros para avaliação de risco de deterioração clínica precoce: protocolo de intervenção. CCFEU [Internet]. 30º de novembro de 2022 [citado 14º de abril de 2024];(2):e20224781. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/ccfenf/article/view/4781

Resumo

Introdução: A equipe de Enfermagem geralmente é a primeira a identificar alterações clínicas nos pacientes. No entanto, embora saibamos que o reconhecimento precoce da deterioração clínica é a chave para a intervenção precoce e que a intervenção precoce leva a melhores resultados, nem sempre obtemos a intervenção mais adequada. Objetivos: Descrever um protocolo de estudo, de acordo com as diretrizes do SPIRIT 2013, que visa conceber e avaliar um programa de formação profissional, desenvolvido para enfermeiros e coordenado por uma enfermeira com vistas a implementar a avaliação de risco de deterioração clínica precoce. Método: O protocolo descreve detalhadamente o treinamento, que será um estudo quase experimental, do tipo antes e depois, com braço único, oferecido a todos os enfermeiros de uma unidade de internação adulto de um hospital universitário de nível terciário. Será utilizado o National Early Warning Score 2 (NEWS2), um sistema de alerta precoce que utiliza-se de parâmetros fisiológicos, como frequência cardíaca e respiratória, por exemplo; para gerar um score de risco de deterioração clínica precoce. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Unicamp (CAAE: 37499220.9.0000.5404). Resultados: Será avaliado o potencial de eficácia, bem como a viabilidade e a aceitabilidade do treinamento. Conclusão: Espera-se implantar um sistema pioneiro de alerta precoce em um hospital universitário; com vistas a incrementar a qualidade da assistência e os indicadores relacionados à segurança do paciente e diminuir a taxa de mortalidade hospitalar evitável.

https://doi.org/10.20396/ccfenf220224781
PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Laura Bacelar de Araujo Lourenço, Mariana De Souza Esteves, Marilia Estevam Cornelio, Roberta Cunha Matheus Rodrigues, Thaís Moreira São-João

Downloads

Não há dados estatísticos.