Banner Portal
A atuação do psicólogo nos cuidados paliativos em Medicina Fetal
PDF

Palavras-chave

Cuidado Paliativo
Medicina Fetal
feto com malformação
acompanhamento psicológico
gestante

Como Citar

RUBIO, A. V. .; MORAIS, T. da S. .; MAGNO, N. .; BUENO, T. de L. da S. . A atuação do psicólogo nos cuidados paliativos em Medicina Fetal : relato de experiência no Hospital da Mulher prof. Dr. Aristodemo Pinotti - CAISM/Unicamp. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, n. 8.Eixo 3, p. e0220822, 2023. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/17709. Acesso em: 29 fev. 2024.

Resumo

Introdução/Objetivo: No decorrer da gravidez, a gestante e acompanhante (quando presente) desenvolvem expectativas sobre o filho esperado, entre elas, a de ter um filho saudável. Apesar disso, essa expectativa pode não ser correspondida, especialmente, quando há algum diagnóstico que coloca em risco a gravidez ou o filho. Estudos mostram que este é um período emocionalmente avassalador e com pouco apoio social. (BOLIBIO, 2018). O acompanhamento em cuidados paliativos pré-natal oportuniza maneiras integradas de cuidado com o feto e o recém-nascido, facilitando possíveis construções de vínculos com este filho e auxiliando na elaboração psíquica da vivência. O objetivo deste trabalho é apresentar e compartilhar a atuação da psicologia em conjunto com a equipe médica, no ambulatório de medicina fetal. Metodologia: Os atendimentos psicológicos à gestante e ao acompanhante (quando presente) são realizados individualmente e/ou em grupo através de reuniões com as famílias durante o pré-natal com a equipe médica. Durante os atendimentos busca-se identificar possíveis causas (físicas, psicológicas, sociais e espirituais) de sofrimento das gestantes e suas famílias, trabalhando as dúvidas, angústias e sofrimento emocional manifestados, decorrentes da má formação fetal. Nos casos em que o parto acontecerá no hospital é realizado o acompanhamento psicológico ao longo da gestação, parto e após o parto e, nos casos em que o parto ocorrerá em outra instituição é oferecido teleatendimento pediátrico e encaminhamento psicológico. Resultados: Durante o trabalho desenvolvido percebe-se que para a maioria das gestantes e acompanhantes (quando presente) a conversa sobre o diagnóstico e prognóstico fetal é imensamente sofrida. Em contrapartida, falar sobre a doença fetal e o sofrimento desencadeado pelo diagnóstico costuma ter função terapêutica. Portanto, é imprescindível que a conversa aconteça respeitando os limites de cada gestante e, oferecendo oportunidade para atendimentos posteriores que possibilitem a conversa sobre a doença e o prognóstico. Durante o acompanhamento é fundamental estabelecer um plano de cuidado com respeito e apoio às decisões da gestante e, com informações claras e compreensíveis, evitando termos técnicos excessivos. Ao longo dos atendimentos deve-se legitimar os sentimentos dos familiares, realizar pausas e verificar o entendimento, ou seja, saber ouvir. O seguimento integrado das famílias após o diagnóstico de má formação fetal permite escolhas conscientes no que diz respeito ao cuidado com o filho, incluindo os valores individuais de cada família. À vista disso, pesquisas revelam que quando as gestantes e familiares realizam um atendimento de cuidado paliativo essas famílias tendem a escolher cuidados de conforto e maior contato com o filho, sem intervenção de aparelhos. (BOLIBIO, 2018). Conclusão: O modelo de cuidado paliativo perinatal em medicina fetal, permite que se construa em conjunto, um planejamento de cuidado individualizado para a gestação, parto e pós-parto, adequando o acompanhamento aos valores e demandas de cada família e possibilitado tomada de decisões compartilhadas, sendo de suma importância para uma assistência humanizada. Logo, a atuação do psicólogo nos cuidados paliativos em medicina fetal auxilia a gestante e acompanhante (quando presente) a atravessar esse momento, elaborando sentimentos e vivências, além de, possibilitar menor repercussão emocional tardia.

PDF

Referências

ANDRADE, L. S. B. C. Grupo de apoio integral às gestantes e familiares de fetos com malformação: utilização de conceitos de cuidados paliativos no atendimento em medicina fetal. São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 2017. BOLIBIO, R. et al. Cuidados paliativos em medicina fetal. Revista de Medicina, 2018, 97.2: 208-215. FIGUEREDO, D. V. A.; SOUZA, A. S. R. Cuidados paliativos em medicina fetal. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 2022, 21: 975-976.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Andreza Viviane Rubio, Tamires da Silva Morais, Nadejda Magno, Tarita de Losso da Silveira Bueno

Downloads

Não há dados estatísticos.