Banner Portal
Das narrativas agrárias à nova reforma agrária
PDF

Palavras-chave

Campesinato
Comunidades tradicionais
Reforma Agrária
Narrativas agrárias

Como Citar

ALMEIDA, M. W. B. de. Das narrativas agrárias à nova reforma agrária. RURIS (Campinas, Online), Campinas, SP, v. 15, n. 1, p. 253–263, 2023. DOI: 10.53000/rr.v15i1.18345. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ruris/article/view/18345. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Retorno ao ensaio publicado em 2007, na revista Ruris, sob o título "Narrativas Agrárias e a morte do Campesinato. Nele mencionei a ausência das implicações das considerações sobre a dissolução e a transfiguração do conceito de campesinato para a política agrária e, em particular, para a reforma agrária. No cenário atual, a questão agrária é novamente evidente como questão nacional. Ela está presente em frentes: a demanda de terras indígenas à espera de demarcação, a demanda de territórios quilombolas, a demanda de caiçaras, quebradeiras de coco, camponeses de fundo de pasto, faxinalenses, sertanejos, e em suma as categorias “nominalistas” que agora se unificam conceitual e politicamente como comunidades tradicionais – e a renovada demanda de Sem-Terra sobre latifúndios.

 

https://doi.org/10.53000/rr.v15i1.18345
PDF

Referências

ALLEGRETTI, Mary Helena. A construção de políticas públicas: Chico Mendes e o movimento dos seringueiros. Desenvolvimento e meio Ambiente, 18, 39-59, 2008.

ALMEIDA, Mauro W. B. Relativismo Antropológico e Objetividade Etnográfica. Campos (UFPR), vol. 3, p. 9-30, 2003.

ALMEIDA, Mauro W. B. Direitos à Floresta e Ambientalismo: os seringueiros e suas lutas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 19, n.55, p. 35-52, 2004.

ALMEIDA, Mauro W. B. As Ciências Sociais e seu compromisso com a verdade e com a justiça. Mediações – Revista de Ciências Sociais, v. 20, p. 260-284, 2015.

ALMEIDA, Mauro W. B. Caipora e outros conflitos ontológicos. São Paulo: UBU, 2021.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela; ALMEIDA, Mauro W. B. Traditional populations and environmental conservation. Biodiversity in the Brazilian Amazon region, 2001.

DIAS, Carla; Barbosa de Almeida, Mauro W. A Floresta como Mercado: caça e conflitos na Reserva Extrativista do Alto Juruá - Acre. Boletim Rede Amazônia, Rio de Janeiro, v. 3, n.1, p. 9-27, 2004.

MARTINS, José de Souza. O cativeiro da terra. São Paulo: Contexto, 2010.

MARTINS, José de Souza. Reforma agrária, o impossível diálogo sobre a História possível. Tempo Social - Revista de Sociologia da USP, São Paulo, vol.11, n. 2, p. 97-128, 2000.

MENDRAS, Henri. La fin des paysans. Paris, S.E.D.E.J.S., 1967.

NEPOMUCENO, Érica. Floresta Nacional de Saracá-Taquera: a quem se destina? Conflitos entre uso tradicional e exploração empresarial. São Paulo: Comissão Pró-Índio de São Paulo, 2021. Disponível em: http://portal.sbpcnet.org.br/publicacoes/povos-tradicionais-e-biodiversidade-no-brasil/

POMPÉIA, Caio. Formação política do agronegócio. São Paulo: Editora Elefante, 2021.

TORRES, Maurício. Os assentamentos fantasmas e a metafísica da reforma agrária: análise da relação entre o Incra no oeste paraense e a extração ilegal de madeira e os números do II PNRA. Geographia (UFF), v. 18, p. 205-232, 2016.

TORRES, Maurício; Doblas, Juan; Alarcón, Daniela F. “Dono é quem desmata”. Conexões entre grilagem e desmatamento no sudoeste paraense. São Paulo: Urutu-Branco; Altamira: Instituto Agronômico da Amazônia. 2017.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 RURIS (Campinas, Online)

Downloads

Não há dados estatísticos.