Banner Portal
Formas de acesso à terra
PDF

Palavras-chave

Campesinato
Desapropriação de terra
Reassentamento rural
Acesso à terra
Terra

Como Citar

NOGUEIRA, Verena Sevá. Formas de acesso à terra: uma reflexão sobre o processo de transição fundiária de um grupo de sitiantes atingido pelo projeto do rio São Francisco. RURIS (Campinas, Online), Campinas, SP, v. 15, n. 1, p. 227–251, 2023. DOI: 10.53000/rr.v15i1.18316. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ruris/article/view/18316. Acesso em: 19 abr. 2024.

Resumo

Este artigo se propõe a uma reflexão sobre a mudança fundiária experimentada por famílias rurais atingidas pelas obras do projeto de integração do rio São Francisco com bacias hidrográficas do Nordeste setentrional. O recorte empírico recai sobre um grupo de famílias sertanejas do município de São José de Piranhas, no estado nordestino da Paraíba, que, após serem expulsas de seus Sítios, foi reassentado em vilas produtivas rurais. Trata-se de um estudo de cunho etnográfico que se insere no debate sobre o campesinato brasileiro, tendo como preocupação central o tema do acesso à terra por populações historicamente marginalizadas em nosso país. O objetivo do estudo foi entender o processo de transição, ainda em curso, entre as categorias morador, partilhada pela maioria das famílias reassentadas, e dono da terra, e como o grupo vem significando esse processo

https://doi.org/10.53000/rr.v15i1.18316
PDF

Referências

BENATTI, J. H. Apropriação privada dos recursos naturais no Brasil: séculos XVII ao XIX (estudo da formação da propriedade privada). In: NEVES, D. P. (Org.). Processos de constituição e reprodução do campesinato no Brasil: formas dirigidas de constituição do campesinato, v. 2. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos agrários e Desenvolvimento Rural, 2009, p. 211-238.

BERNO DE ALMEIDA, A.W. Terras de Preto, Terras de Santo e Terras de Índio: uso comum e conflito. In: Brasil. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. Brasil rural em debate: coletânea de artigos. Coord. de Nelson Giordano Delgado. Brasília: CONDRAF/MDA, 2010, p. 104-126.

CARDOSO, C.F.S. Escravo ou camponês? O protocampesinato negro nas Américas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

GARCIA JÚNIOR, A. Terra de trabalho: trabalho familiar de pequenos produtores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GODOI, E. P. O trabalho da memória: cotidiano e história no sertão do Piauí. Campinas: Editora da UNICAMP, 1999.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do fim dos territórios à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HEREDIA, B. A morada da vida. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

MOURA, M. Os Deserdados da Terra: a lógica costumeira e judicial dos processos de expulsão e invasão da terra camponesa no sertão de Minas Gerais. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.

NASCIMENTO, G. A. Efeitos socioculturais da transposição do rio São Francisco em comunidades rurais: a experiência de São José de Piranhas no sertão paraibano. 2018. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-graduação em Antropologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

NOGUEIRA, V.S. De sitiantes a moradores de vila: o projeto de integração do rio São Francisco com bacias hidrográficas do Nordeste brasileiro e as novas territorialidades. Novos Cadernos NAEA, v. 22, n. 3, p. 97-120, 2019.

OLIVEIRA, R.; ZHOURI, A. O Desconhecido, o Imprevisto, o Irreparável: a implantação da barragem de Murta e o sistema de uso e transmissão da terra no Médio Jequitinhonha. Campos, n. 14, v 1-2, p. 57-76, 2013.

ROCHA, H.J. O controle do espaço-tempo nos processos de instalação de hidrelétricas. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 26, n.1, p. 259-280, 2014.

SIGAUD. L. Implicações sociais da política do setor elétrico. In: SANTOS, L.; ANDRADE, L. As hidrelétricas do Xingu e os povos indígenas. São Paulo: CPI, 1988, p.103-110.

SIGAUD. L. Armadilhas da honra e do perdão: usos sociais do direito na mata pernambucana. Mana, Rio de Janeiro, n. 10, v. 1, p. 131-163, 2004.

TEIXEIRA, J. L. Vivendo encangado: parentesco, mobilidade e proximidade entre os moradores do Sertão de Inhamus (CE). In: Reunião da Associação Brasileira de Antropologia, 29, 2014, Natal. Anais [...]. Brasília: Kiron, 2014, p. 1-20.

WOORTMANN, E. Herdeiros, parentes e compadres: colonos do Sul e sitiantes do Nordeste. São Paulo: Hucitec; Brasília: EdUnB, 1995.

WOORTMANN, K. “Com parente não se neguceia”: o campesinato como ordem moral. Anuário Antropológico, Brasília, n. 87, p. 11-73, 1990.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 RURIS (Campinas, Online)

Downloads

Não há dados estatísticos.