Banner Portal
A gramática da relação com a terra entre quilombolas do Maranhão e camponeses do sertão do Piauí
PDF

Palavras-chave

Terra
Território
Populações tradicionais
Uso comum
Camponeses
Quilombolas

Como Citar

GODOI, E. P. de. A gramática da relação com a terra entre quilombolas do Maranhão e camponeses do sertão do Piauí. RURIS (Campinas, Online), Campinas, SP, v. 15, n. 1, p. 13–36, 2023. DOI: 10.53000/rr.v15i1.18309. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ruris/article/view/18309. Acesso em: 21 fev. 2024.

Resumo

Neste artigo, realiza-se um esforço para decifrar a gramática dos relacionamentos com a terra entre quilombolas de povoados do interior de Alcântara, no Maranhão, e camponeses do sertão, no sudeste do Piauí. Para essas populações, os significados da terra vão além do agrário e do fundiário e incorporam em suas relações outros seres, além dos homens e das mulheres. Além disso, terra é a categoria pela qual homens e mulheres referem-se localmente aos seus espaços de vida. Falam também em território, sobretudo quando encontram-se organizados nas lutas pela terra. Propomos que a gramática de relacionamentos com a terra implica sistemas de usos diferenciados e de direitos combinados entre o coletivo e o individual. Este artigo pretende ser uma contribuição ao entendimento dos sistemas de uso comum próprios de muitas populações tradicionais no Brasil.

https://doi.org/10.53000/rr.v15i1.18309
PDF

Referências

LMEIDA, Alfredo W. Os quilombos e a base de lançamento de foguetes de Alcântara. Brasília: MMA, 2006.

ALMEIDA, Alfredo W. Terras de Preto, Terras de Santo e Terras de Índio: uso comum e conflito. In: CASTRO, Edna R. de; HÉBETE, Jean (Orgs.). Na trilha dos grandes projetos: modernização e conflito na Amazônia. Cadernos do NAEA, vol. 10, 1989, p. 163-196.

BARRIÉRE, O.; BARRIÉRE, C. Le Foncier-Environnement: pour une gestion viable des ressouces naturelles renouvelables au Sahel. Approche interdisciplinaire dans le delta intérieur du Niger (Mali). ORSTOM, CNRS, Mission Française de Coopération, Ministère de l’Environnement, AFVP, CIRAD, 3v., 1995.

BORGES, Antonádia. Terra. Dicionário crítico das ciências sociais dos países de fala oficial portuguesa. ABA/Edufba, 2014.

CASEY, E. How to get from space top lace in a fairly short stretch of time: phenomenological prolegomena. In: FELD, S.; BASSO, K. (Eds.). Senses of places. Santa Fé: School of America Research Press, 1996, p. 13-62.

DE LA CADENA, Marisol. Natureza incomum: histórias do antropo-cego. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, 69, 2018, p. 95-117.

ELIAS, N.; SCOTSON, J. P. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

FAUSTO, Carlos. “Donos demais: maestria e domínio na Amazônia”. Mana, v. 14, n. 2, 2008 p. 329-366.

GALVÃO, Eduardo. Santos e visagens: um estudo da vida religiosa de Itá, Baixo Amazonas. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976 [1955].

GELLERT, Paul; LYNCH, Bárbara D. Les mégaprojets, sources de déplacements. Revue Internationale des Sciences Sociales: Cibles Mobiles, n. 175, mar. 2003, p. 17-28.

GUSMÃO, Neusa M. M. Caminhos transversos: território e cidadania negra. In: O’DWYER, Eliane Cantarino. Terra de Quilombos. Rio de Janeiro : Associação Brasileira de Antropologia, Impressão Decania/CFCH/UFRJ, 1995, p. 61-78.

HARDIN, Garrett. The Tragedy of the Commons. Science, v. 162, 1968, p. 1243-1248.

KARASCH, Mary. Catequese e cativeiro: política indigenista em Goiás – 1780-1889. In: CARNEIRO DA CUNHA, Maria Manuela (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras/Fapesp, 1993, p. 397-412.

KELLY, J. A.; MATOS, M. A. Política da consideração: ação e influência nas terras baixas da América do Sul. Mana, 25(2), 2019, p. 391-426.

LE ROY, É. et alii. La Sécurisation Foncière en Afrique. Pour une gestion viable des ressources renouvelables. Paris: É. Karthala, 1996.

MORAES, M.D.C. Memórias de um sertão desencantado (modernização agrícola, narrativas e atores sociais nos cerrados do sudoeste piauiense). Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - IFCH/Unicamp, Campinas, 2000.

PIETRAFESA DE GODOI, E. O sistema do lugar: história, território e memória no sertão. In: NIEMEYER, Ana Maria de; PIETRAFESA DE GODOI, Emília (Orgs.). Além dos Territórios: para um diálogo entre a etnologia indígena, os estudos rurais e os estudos urbanos. Campinas: Mercado de Letras, 1998, p. 97-131.

PIETRAFESA DE GODOI, E. O Trabalho da Memória - cotidiano e história no sertão do Piauí. Campinas: Ed. da Unicamp, 1999.

PIETRAFESA DE GODOI, E. Devir Quilombola na Terra do Santo: a tessitura de um mundo composto. Rio de Janeiro: Ed. Papéis Selvagens, 2023.

PIETRAFESA DE GODOI, E; MELLO, M. M. Entre seres intangíveis e pessoas: uma introdução. Etnográfica, v. 12, 2019, p. 441-446.

SOUZA FILHO, B.; PAULA ANDRADE, M. A Dois Graus do Equador [recurso eletrônico]: o Estado brasileiro contra os quilombolas de Alcântara. São Luís: EDUFMA, 2020. E-book. ISBN 978-65-86619-09-6

STENGERS, Isabelle; PIGNARRE, Philippe. La sorcellerie capitaliste: pratiques de dévoûtement. Paris: Ed. La Découverte, 2007.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.

WOORTMANN, Ellen. Herdeiros, Parentes e Compadres. São Paulo; Brasília: Hucitec-UnB, 1995.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 RURIS (Campinas, Online)

Downloads

Não há dados estatísticos.