Banner Portal
Há vida entre sementes
PDF

Palavras-chave

Reservas extrativistas
Sementes oleaginosas
Paisagens multiespécies
Médio Juruá

Como Citar

PEREIRA, B. C. Há vida entre sementes: produzindo (com) vegetais no Médio Juruá. RURIS (Campinas, Online), Campinas, SP, v. 13, n. 2, p. 39–75, 2022. DOI: 10.53000/rr.v13i2.17038. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ruris/article/view/17038. Acesso em: 21 fev. 2024.

Resumo

Para este trabalho, recorremos a pesquisas sobre as dinâmicas de economia florestal na Reserva Extrativista do Médio Juruá/Carauari/AM. Através de um experimento literário, três sementes nativas nos contam sobre como se relacionam com humanos e se emaranham a outras formas de vida. Inspiradas pelos estudos multiespécies, histórias sobre vivências vegetais e práticas extrativistas apresentam diferentes possibilidades de convívio na floresta, tendo como horizonte a comunidade Roque. Com esse experimento, pretendemos refletir sobre como plantas podem nos orientar para relações mais-que-humanas, na tentativa de estender nossas ferramentas de descrição da Amazônia ribeirinha para paisagens multiespécies.

https://doi.org/10.53000/rr.v13i2.17038
PDF

Referências

Relatórios, Levantamentos e Diagnósticos:

AMAZONAS, Governo do Estado do. Plano de Gestão da Reserva do Desenvolvimento Sustentável do Uacari, Carauari-AM, 2010.

BRASIL, Governo Federal do. Decreto S/N, de 4 de março de 1997. Dispõe sobre a criação da Reserva Extrativista do Médio Juruá, no Município de Carauari, Estado do Amazonas, e dá outras providências, Brasília, p. 4144, 1997.

BRASIL, Governo Federal do. Plano de Manejo da Reserva Extrativista do Médio Juruá. MMA-Ministério do Meio Ambiente, ICMbio-CGS, Carauari-AM, 2011.

Dissertações, Teses e Publicações:

ALMEIDA, Mauro W. B. Rubber tappers of the upper Juruá river, Brazil: the making of a forest peasant economy. 1993. Tese (Doutorado), University of Cambridge, Cambridge.

ALMEIDA, Mauro W. B. Guerras Culturais e Relativismo Cultural. Revista Brasileira de Ciências Sociais, [s.l.], v. 14, n. 41, p. 5-14, 1999.

ALMEIDA, Mauro W. B. Relativismo Antropológico e Objetividade Etnográfica. Campos, [s.l.], v. 3, p. 9-29, 2003.

ALMEIDA, Mauro W. B. Direitos à floresta e ambientalismo: seringueiros e suas lutas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 19, n. 55, 2004.

ALMEIDA, Mauro W. B. Caipora e outros conflitos ontológicos. Revista de Antropologia da UFSCar, v. 5, n. 1, p. 7-28, 2013.

ARAÚJO, Nelcioney José de Souza. As tensões territoriais ribeirinhas na reserva extrativista médio Juruá (AM). 2007. Tese (Doutorado), Universidade Federal Fluminense (UFF), Rio de Janeiro-RJ.

BALÉE, William. Biodiversidade e os índios amazônicos. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela;VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Amazônia Etnologia e História Indígena. São Paulo: NHII-USP, 1993.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, v. 2, p. 115-144, 1996.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. “O conceito de sociedade em antropologia”. In VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo: A inconstância da alma selvagem. São Paulo-SP: Cosac Naify, 2014.

CORREIA, José de Castro. Introdução dos Óleos Vegetais na Matriz Energética da Reserva Extrativista do Médio Juruá e a Valorização da Biodiversidade - Óleo de Andiroba. 2002. Tese (Doutorado), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas-SP.

DERICKX, João; TRASFERETTI, J. A. No Coração da Amazônia. Juruá, o rio que chora. Petrópolis-RJ: Vozes, 1992.

DESCOLA, Philippe; PÁLSSON, Gísli (Ed.). Nature and society: anthropological perspectives. Taylor & Francis, 1996.

FERRAZ, I. D. K.; CAMARGO, J. L. C.; SAMPAIO, P. T. B. Manual de sementes: andiroba Carapa guianensis Aubl. Carapa procera D. C. Meliaceae. Manaus: INPA, 2003.

FRANCO, Fábio Chicuta. Estratégias de uso de recursos naturais dos moradores da Reserva Extrativista do Médio Juruá: farinha e extrativismo. 2007. Dissertação (Mestrado). Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA, Manaus-AM.

HARAWAY, Donna Jeanne. The companion species manifesto: Dogs, people, and significant otherness. Chicago: Prickly Paradigm Press, 2003.

HARAWAY, Donna Jeanne. When species meet. Posthumanities Series, v. 3, Cary Wolfe (ed.). Minneapolis: University of Minnesota Press, 2008.

INGOLD, Tim. Quando a formiga se encontra com a aranha: teoria social para artrópodes. In: Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Editora Vozes Limitada, 2015.

GOULART, José Alipio. O regatão (mascate fluvial da Amazônia). Rio de Janeiro-RJ: Conquista, 1968.

JUNQUEIRA, A. B.; SHEPARD JR, G.; CLEMENT, C. Secondary forests on anthropogenic soils in Brazilian Amazonia conserve agrobiodiversity. Biodivers Conserv, v.19, jun. p. 1933-1961, 2010.

KIRKSEY, S. Eben; HELMREICH, Stefan. The emergence of multispecies ethnography. Cultural anthropology, v. 25, n. 4, p. 545-576, 2010.

LIMA, Tânia Stolze. O dois e seu múltiplo: reflexões sobre o perspectivismo em uma cosmologia tupi. Mana, v. 2, p. 21-47, 1996.

MAGALHÃES, Marcos P. (Ed.). Amazônia antropogênica. Belém-PA. Museu Paraense Emílio Goeldi, 2016.

MARTINI, Andrea. Tecendo limites no Alto Rio Juruá. Brazil Publishing, 2019.

MCHARGUE, L.A.; HARSTSHORN, G.S. Seed and seedling ecology of Carapa guianensis. Turrialba, 33(4): 399-404, 1983.

MCGRATH, David. Parceiros no crime: o regatão e a resistência cabocla na Amazônia tradicional. Novos Cadernos NAEA, 2.2, 2009.

MENDONÇA, Andreza P., & FERRAZ, Isolde Dorothea Kossmann. Óleo de andiroba: processo tradicional da extração, uso e aspectos sociais no estado do Amazonas, Brasil. Acta Amazonica, 37(3), 353-364, 2007.

MONTES, Lívia V. BROSEGHINI, L. P., ANDREATTA, F. S., SANT'ANNA, M. E. S., NEVES, V. M., & SILVA, A. G. Evidências para o uso da óleo-resina de copaíba na cicatrização de ferida – uma revisão sistemática, Escola Superior São Francisco de Assis – ESFA. Santa Teresa, Espírito Santo, 2009.

PESCE, Celestino. Oleaginosas da Amazônia. Of. Gráf. Rev.Veterinária, 1941.

MONTEIRO, Mário Y. O regatão. Manaus-AM: Sérgio Cardoso, 1958.

NEVES, Eduardo. Arqueologia da amazônia. Rio de Janeiro-RJ: Zahar, 2006.

PARÉDIO, Lindoneide Lima. Fontes Renováveis de Energia Elétrica para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia. 2003. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus-AM.

QUEIROZ, J. A. L. de; BEZERRA, V. S.; MOCHIUTTI, S. A palmeira murumuru (Astrocaryum murumuru Mart.) no estuário do rio Amazonas no Estado do Amapá. Biodiesel: tecnologia limpa: anais completos. Lavras: UFLA. 2-2/29-47, 2008.

RIBEIRO, Magda dos Santos. Natureza e mercado: castanheiros, empresários e as economias de suas relações. 2016. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo.

SANTOS, Roberto. História Econômica da Amazônia, 1800-1920. São Paulo: Queiróz, 1980.

SCHWARTZMAN, S. Extractive Reserves: The Rubber Tappers' Strategy for Sustainable Use of the Amazon Rainforest. In BROWDER, J. O. Fragile lands of Latin America: strategies for sustainable development. Westview Press, 1989.

SCHWEICKARDT, Kátia H.S.C. As diferentes faces do estado na Amazônia-etnografia dos processos de criação e implantação da RESEX Médio Juruá e da RDS Uacari no médio Juruá. 2010. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro-RJ.

SILVA, H. M.; DE SOUZA, R. A. Doenças da seringueira na Amazônia: tentativa de uma abordagem crítica. In: Embrapa Amazônia Oriental-Artigo em anais de congresso (ALICE). SIMPÓSIO DO TRÓPICO ÚMIDO, Belém-PA: EMBRAPA-CPATU, v. 4, p. 113-125., 1986.

STRATHERN, Marilyn. O Gênero da Dádiva: problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas: Editora Unicamp, 2006.

STRATHERN, Marilyn. Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia. São Paulo-SP, Editora Terceiro Nome, 2013.

STRATHERN, Marilyn. O conceito de sociedade está teoricamente obsoleto? (Capítulo 6). In: STRATHERN, Marilyn. O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo - SP: Cosac Naify, 2014.

TSING, Anna. More-than-human sociality: a call for critical description. Anthropology and nature. Routledge. p. 37-52, 2013.

TSING, Anna. The Mushroom at the End of the World: On the possibility of Life in Capitalist Ruins. Princeton University Press, 2015.

TSING, Anna. Viver nas ruínas: paisagens multiespécies no Antropoceno. Brasília-DF: IEB Mil Folhas, 2019.

VIDAL, Terena do Couto Sampaio. 2020. A Usina do Roque: produção (in)sustentável de óleos e manteigas vegetais para uma indústria de cosméticos na Amazônia. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus-AM, 2020.

Sites e portais:

NATURA. A Natura, Nossa História. 2021: https://www.natura.com.br/a-natura/nossa-historia. Último acesso em janeiro de 2021

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 RURIS (Campinas, Online)

Downloads

Não há dados estatísticos.