A fabricação da natureza

transformações da paisagem e disputas políticas

Autores

  • Ramiro Valdez Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v14i1.17031

Palavras-chave:

Áreas de preservação, Etnografia multiespécies, Modernidade, Paisagem

Resumo

Este artigo aborda as transformações da paisagem numa perspectiva que abarca a ação de humanos e não humanos, para além da dicotomia Natureza/Cultura. O foco recai sobre a área do atual Parque Estadual do Rio Vermelho (Florianópolis/SC). O autor reflete sobre as percepções e práticas subjacentes ao antigo projeto de silvicultura no local, baseado em uma racionalidade moderna, objetivando a homogeneização da paisagem, apagando marcas e vestígios da ocupação dos habitantes locais. Também explora os desdobramentos deste projeto, cuja crise levou a inesperados processos de produção de diferença, proporcionando proliferações de novos elementos heterogêneos na paisagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ramiro Valdez, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestrando em Sociologia.

Referências

ARRUTI, José Maurício P. A. Por uma História à Contraluz: as sombras historiográficas, as paisagens etnográficas e o Mocambo. Palmares em Revista: Fundação Cultural Palmares (1), 1997, p. 71-96.

BERENHAUSER, Henrique. Espaçamento nos plantios de Pinus Elliottii e Taeda. Revista Floresta, [local desconhecido], p. 21-27, s/d.

BERENHAUSER, Um apelo ao bom senso, s/d, Biblioteca Central da UFSC, setor de Obras Raras, pasta 2, envelope 15, folha 9.

BRAVO, Claudia Rojas. Comunidade quilombola Vidal Martins, Florianópolis, SC: relações identidade-território a partir de um olhar geográfico. 2015. 128 f. TCC (Graduação) - Curso de Geografia, Departamento de Geociências, UFSC, Florianópolis, 2015.

BRITO, Maria Cecília W. Unidades de conservação: intenções e resultados. São Paulo: ed. Annablume e FAPESP, 2000. 65

BUTI, Rafael Palermo. A Antropologia em contextos da política e ação quilombola no Brasil meridional: dois casos para estudo. 2015. 338 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Ufsc, Florianópolis, 2015.

CARDOSO, Thiago Mota. Paisagens em transe: uma etnografia sobre poética e cosmopolítica dos lugares habitados pelos Pataxó no Monte Pascoal. 2016. 524 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Antropologia, UFSC, Florianópolis, 2016.

DIEGUES, Antônio Carlos S. O mito moderno da natureza intocada: populações tradicionais em unidades de conservação. São Paulo: NUPAUB/USP, 1996.

DUARTE, Gerusa Maria; FERREIRA, Tânia Marcia M. Distrito do Ingleses do Rio Vermelho - Florianópolis, Santa Catarina: um espaço costeiro sob a ação antrópica. UFSC, Florianópolis, s/d. Disponível em: http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal8/Procesosambientales/Hidrologia/02.pdf. Acesso em: 18 set. 2017.

FERREIRA, Francisco Antônio Carlos. Projeto Parque Estadual do Rio Vermelho: subsídios ao plano de manejo. Florianópolis: ed. Insular, 2010.

IMA, Instituto do Meio Ambiente. Parque Estadual do Rio Vermelho. Disponível em: https://www.ima.sc.gov.br/index.php/biodiversidade/unidades-de-conservacao/parque-estadual-do-rio-vermelho. Acesso em 24/08/2021.

INGOLD, T. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis: ed. Vozes, 2015.

INGOLD, T. The perception of environment: essays on livelihood, dwelling and skill. Londres, Nova York: Routledge, 2000.

IORIS, Edviges Marta. Uma floresta de disputas: conflitos sobre espaços, recursos e identidades sociais na Amazônia. Florianópolis. Ed. da Ufsc, 2014.

LEITE, Ilka Boaventura. Territórios de Negros em Área Rural e Urbana: algumas questões. Textos e Debates. Terras e Territórios de Negros no Brasil. V. 1, n. 2 NUER/PPGAS, 1991, p. 39-46.

LEITE, Ilka Boaventura. (Org.). Negros no sul do Brasil. Invisibilidade e territorialidade. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 1996. 66

LEITE, Ilka Boaventura. O projeto político quilombola: Desafios, conquistas e impasses atuais. Revista de Estudos Feministas, Vol.16, no 3, 2008, pp. 965-977. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/PkRZPC6gwHRkLMMKkPxCvyd/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 30 ago. 2021.

LOWOOD, H. E. The Calculating Forester: Quantification Cameral Science, and the Emergence of Scientific Forestry in Germany. In: FRANGSMYR, T.; HEILBRON, J. L.; RIDER, R. E. (Ed.). The Quantifying Spirit in the Eighteenth-Century. Berkel: University of California Press, p. 315-342, 1991.

METRÓPOLES. Bolsonaro: processo por ofensas a negros e quilombolas é encerrado. Disponível em: https://www.metropoles.com/brasil/justica/bolsonaro-processo-por-ofensas-a-negros-e-quilombolas-e-encerrado. Acesso em: 29 ago. 2021.

SILVEIRA, Pedro Castelo Branco. Povo da terra, terra do parque: presença humana e conservação de florestas no Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira. 2001. 270 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Campinas, 2001.

SILVEIRA, Pedro Castelo Branco. Etnografia da paisagem: natureza, cultura e hibridismo em São Luiz do Paraitinga. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Campinas, 2008.

SILVEIRA, Pedro Castelo Branco. Híbridos na paisagem: uma etnografia sobre espaços de produção e de conservação. In: Revista Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. XII, n. 1, p. 83-98, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-753X2009000100007. Acesso em: 30 ago. 2021.

TSING, A. The Mushroom at the End of the World: On the Possibility of Life in Capitalist Ruins. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2015a.

TSING, A. Friction: an ethnography of global connection. Princeton University Press, 2005.

TSING, A. Margens indomáveis: cogumelos como espécies companheiras. Ilha - Revista de Antropologia, v. 17(1), 2015, p. 177-201. Disponível em: https://doi.org/10.5007/2175-8034.2015v17n1p177. Acesso em: 30/08/2021

VALDEZ, Ramiro Soares. Paisagens políticas: uma abordagem antropológica das transformações da paisagem na área do atual Parque Estadual do Rio Vermelho, Florianópolis, SC. 66 f. TCC (Graduação) – Curso de Antropologia Social, Departamento de Antropologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

Downloads

Publicado

2022-08-05

Como Citar

VALDEZ, R. A fabricação da natureza: transformações da paisagem e disputas políticas. RURIS (Campinas, Online), Campinas, SP, v. 14, n. 1, p. 164–184, 2022. DOI: 10.53000/rr.v14i1.17031. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ruris/article/view/17031. Acesso em: 30 set. 2022.