Andar e negociar paisagens

construindo a aldeia Ibiramã Kiriri do Acré

Autores

  • Fernanda Borges Henrique Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v14i1.17026

Palavras-chave:

Kiriri do Acré, Terra, Territorialidade, Paisagem

Resumo

O povo Kiriri do Acré habita o Sul de Minas Gerais desde 2017, quando dezesseis famílias deixaram a aldeia Kiriri de Barra, região Oeste da Bahia, para ocupar uma terra no bairro Rio Verde, zona rural do município de Caldas/MG. Como este artigo deixa claro, as famílias kiriri andam e fazem circular elementos que compõem as paisagens pode onde passam e, assim, constroem seu território, de forma que negociar, caminhar, conhecer e interagir com o mundo é uma forma de habitá-lo. As paisagens, portanto, são vivas, dizendo respeito ao movimento da vida. Este artigo pretende demonstrar como as paisagens são percebidas e interagem com os Kiriri do Acré.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Borges Henrique, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas

Referências

BORGES, Antonádia. 2014. “Terra”. In: Dicionário crítico das ciências sociais dos países de fala oficial portuguesa. ABA/Edufba, 2014.

BORGES HENRIQUE, Fernanda. Por um lugar de vida: os Kiriri do Rio Verde, Caldas-MG. 2019. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

BORGES HENRIQUE, Fernanda. As múltiplas agências dos encantados: esboço de uma teoria política kiriri. In: Antípoda. Revista de Antropología y Arqueología, Colômbia, v. 41, p. 57-77, 2020.

BORGES HENRIQUE, Fernanda e RAMOS, Roseni. Os Kiriri do Acré e o resgate da língua indígena. In: Policromias – Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som, Rio de Janeiro, no prelo, 2021.

BORT Jr., João Roberto e BORGES HENRIQUE, Fernanda. “Cada um em seu lugar”: domínios territoriais Xucuru-Kariri e Kiriri. Revista De Antropologia, São Paulo, v. 63, n. 3, p. 1-26, 2020.

CABRAL DE OLIVEIRA, Joana; AMOROSO, Marta; MORIM DE LIMA, Ana Gabriela; SHIRATORI, Karen; MARRAS, Stelio; EMPERAIRE, Laure. Vegetar o pensamento: manifesto e hesitação. In: CABRAL DE OLIVEIRA, Joana; AMOROSO, Marta; MORIM DE LIMA, Ana Gabriela; SHIRATORI, Karen; MARRAS, Stelio; EMPERAIRE, Laure (orgs). Vozes Vegetais: diversidade, resistências e histórias da floresta. São Paulo, Paris: Editora UBU e IRD, 2020, p. 11-12.

DANOWSKI, Déborah.; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. 1ª ed. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2014.

DE LA CADENA, M. Earth Beings: Ecologies of Practice across Andean Worlds. 1a ed. Durham & London: Duke University Press, 2015.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 18, n. 37, p. 24-44, jan./jun. 2012.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. 1ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

LOVO, Arianne Rayis. “Lá, sendo o lugar deles é também o meu lugar”: pessoa, memória e mobilidade entre os Pankararu. 2017. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

MACIEL, Lucas. "Domar o Museu", ou a política xamânica do conflito pós- colonial: o Museu Mapuche de Cañete como artefato (Wajmapu, Chile). 2020. Relatório (Qualificação em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da Universidade de São Paulo, São Paulo.

MCKAY, George. Introdução. In: Radical Gardening: Politics, Idealism & Rebellion in the Garden. 1a ed. Frances Lincoln, 2011.

MORAIS, Bruno Martins. Do corpo ao pó: crônicas da territorialidade kaiowá e guarani nas adjacências da morte. 1ª ed. São Paulo: Elefante, 2017.

PIETRAFESA DE GODOI, Emília. Territorialidade: trajetória e usos do conceito. Raízes, Campina Grande, v.34, n.2, p. 8-16, jul./dez. 2014.

POMPA, Cristina. Religião como tradução: missionários, tupi e “tapuia” no Brasil Colonial. 2001. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O campesinato brasileiro: ensaios sobre a civilização e grupos rústicos no Brasil. São Paulo: Petrópolis Vozes, 1973.

STRATHERN, Marylin. Land: intangible or tangible property. Chesters, Timothy (org.) Land Rights : the Oxford Amnesty Lectures 2005. Oxford: Oxford University Press, 2009, p. 39-26.

TSING, Anna. Viver Nas Ruínas: Paisagens Multiespécies No Antropoceno. 1ª ed. Brasília: IEB Mil folhas, 2019.

Downloads

Publicado

2022-08-05

Como Citar

HENRIQUE, F. B. Andar e negociar paisagens: construindo a aldeia Ibiramã Kiriri do Acré . RURIS (Campinas, Online), Campinas, SP, v. 14, n. 1, p. 49–75, 2022. DOI: 10.53000/rr.v14i1.17026. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ruris/article/view/17026. Acesso em: 30 set. 2022.