Do igarapé ao Rip Rap

o processo de constituição da paisagem de um “lugar perigoso” em Manaus

Autores

  • Silvia Adriana Lima Corrêa Universidade Federal do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v14i1.17024

Palavras-chave:

Igarapé, Degradação, Imagem mental, Paisagem, Perigo

Resumo

O presente artigo propõe a abordagem da ideia de paisagem a partir da análise da trajetória de degradação dos igarapés que entrecortam a cidade de Manaus e dos grupos sociais que moram em seu entorno. Isso por que ambos, igarapés e moradores de seu entorno formam no presente, juntos, uma paisagem que transmite de antemão uma mensagem: perigo. Intenta-se problematizar essa percepção associada à imagem desse tipo de lugar em Manaus entendendo que corresponde a uma construção social pautada em informações acionadas por via da memória e do sensível que faz com que sejam estabelecidos previamente julgamentos diante do (des)conhecido.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Adriana Lima Corrêa, Universidade Federal do Amazonas

Mestra em Sociologia pela Universidade Federal do Amazonas

Referências

Bourdieu. Pierre. Efeito do lugar. In: BOURDIEU, Pierre (Org.). A miséria do Mundo. Trad. Mateus S. Soares Azevedo, James A. Clasen, Sérgio H. de Freitas Teixeira e Jairo Veloso Vargas. São Paulo. Ed.Vozes, 2012.

COSTA, Danielle Pereira da; SCHMITT, Jair. A geografia urbana de Manaus: Desafios para mobilidade e circulação.Pluris. 2010.

DAVIS, Mike. Planeta Favela. Trad. Beatriz Medina. São Paulo: editora Boitempo, 2006.

DESCOLA, Philippe. A antropologia da natureza de Philippe Descola. Entrevista concedida à Andrea Daher (UFRJ); Tradução: Raquel Campos. Outubro, 2012. Disponível em: SciELO - Brasil - A antropologia da natureza de Philippe Descola A antropologia da natureza de Philippe Descola.

DOUGLAS, Mary. Pureza e Perigo. “Ensaio sobre as noções de Poluição e Tabu”. Lisboa, Edições 70 (col. Perspectivas do Homem, n.º 39), s.d. (trad. por Sônia Pereira da Silva, 1966).

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. O processo civilizador; uma história dos costumes. Trad. Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994, v. I.

FELTRAN, Gabriel de Santis. Fronteiras de Tensão: um estudo sobre política e violência na periferia de São Paulo, 2008. Tese de doutorado em Ciências Sociais. Universidade Estadual de Campinas.

GOMES, Karla da S. Os igarapés de Manaus na percepção dos jovens manauaras. 2004. Dissertação de mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, Centro de Ciência do Ambiente. Universidade Federal do Amazonas.

OLIVEIRA, José Aldemir de; COSTA, Danielle Pereira de. A análise da moradia em Manaus (Am) como estratégia de compreender a cidade, 2007. Disponível em: http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn24530.html.

OLIVEIRA, José Aldemir de. Espaço – Tempo de Manaus. In Espaço e Cultura, N. 33, p. 33-41: UERJ, Rio de Janeiro, 2008.

OLIVEIRA, José Aldemir de; SCHOR, Tatiana. Manaus: transformações e permanências, do forte à metrópole regional. In: CASTRO, Edna (org.). Cidades da Floresta. Anablume, 2009.

PIZARRO, Ana. Amazônia: As vozes do rio. Imaginário e modernização. Tradução: Rômulo Monte Alto. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

TSING, Anna. 2015. Margens indomáveis: cogumelos como espécies companheiras. Ilha Revista de Antropologia, v. 17, n. 1, p. 177-201.

Downloads

Publicado

2022-08-05

Como Citar

CORRÊA, S. A. L. Do igarapé ao Rip Rap: o processo de constituição da paisagem de um “lugar perigoso” em Manaus. RURIS (Campinas, Online), Campinas, SP, v. 14, n. 1, p. 18–48, 2022. DOI: 10.53000/rr.v14i1.17024. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ruris/article/view/17024. Acesso em: 4 out. 2022.