Banner Portal
Estado, pescadores e desenvolvimento nacional
PDF

Palavras-chave

Estado e pesca artesanal
Colônias de pescadores
Sudepe
MPA

Como Citar

RAMALHO, Cristiano Wellington Noberto. Estado, pescadores e desenvolvimento nacional : da reserva naval à aquícola. RURIS (Campinas, Online), Campinas, SP, v. 8, n. 1, 2014. DOI: 10.53000/rr.v8i1.1740. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ruris/article/view/16899. Acesso em: 13 abr. 2024.

Resumo

A ação do Estado brasileiro, ao longo do tempo, buscou, segundo seus interesses e os das elites econômicas, levar os pescadores artesanais à modernidade, tutelando e, em maior medida, transformando a força de trabalho dessa fração de classe social, primeiramente, em reserva naval para a Marinha Brasileira, e, depois,em mão de obra para as formas capitalistas de produção pesqueira (pesca industrial e aquicultura). Discutir esse processo histórico, do início do século XX aos primeiros 13 anos do século XXI, focando na relação Estado, pescadores e desenvolvimento nacional, é o objetivo deste artigo.

https://doi.org/10.53000/rr.v8i1.1740
PDF

Referências

ABREU, Berenice. Jangadeiros: uma corajosa jornada em busca de direitos no Estado Novo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

ALIER, Joan Martínez. O ecologismo dos pobres. São Paulo: Contexto, 2007.

ALMEIDA, Lúcio Flávio de. Ideologia nacional e nacionalismo. São Paulo: Educ, 1995.

AZEVEDO, Natália Tavares de. Política nacional para o setor pesqueiro no Brasil (2003-2011). 2012. Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento, UFPR, Curitiba.

BONIN, Anamaria Aimoré. A pesca e seus trajetos: um estudo dos pescadores artesanais do Canto da Praia de Itapema, SC. 1982. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia, PUC-SP, São Paulo.

CALLOU, Ângelo Brás Fernandes. Movimentos sociais dos pescadores em Pernambuco (1920-1983). 1986. Dissertação (Mestrado), Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural, UFSM, Santa Maria.

CALLOU, Ângelo Brás Fernandes. A voz do mar: construção simbólica da realidade dos pescadores brasileiros pela Missão do Cruzador “José Bonifácio” (1919-1924). 1994. Tese (Doutorado), Escola de Comunicação e Artes, USP, São Paulo.

CALLOU, Ângelo Brás Fernandes. Extensão rural: polissemia e memória. Recife: Bagaço, 2007.

CARDOSO, Gil Célio de Castro. A atuação do Estado no desenvolvimento recente do Nordeste. Natal: EDUFRN, 2008.

FERNANDES, Florestan. Mudanças sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Difel, 1979.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil. 5ª ed. São Paulo: Globo, 2006.

FRANCO, José Luiz de A.; DRUMMOND, José Augusto. Proteção à natureza e identidade nacional no Brasil, 1920-1940. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009.

DIEGUES, Antonio Carlos. Pescadores, camponeses, e trabalhadores do mar. São Paulo: Ática, 1983.

DIEGUES, Antonio Carlos. Povos e mares. São Paulo: Nupaub-USP, 1995.

GUEDES, Maria de Lisiex Amado. Colônia de pescadores: organizações corporativistas ou entidades representativa de classe? Brasília: UnB, 1984.

LOUREIRO, Violeta Refklefsky. Os parceiros do mar: natureza e conflito social na pesca da Amazônia. Belém: CNPq/Museu Paraense Emílio Goeldi, 1985.

LOURENÇO, Fernando Antonio. Agricultura ilustrada: liberalismo e escravismo nas origens da questão agrária brasileira. Campinas: Unicamp, 2001.

LUSTOSA, Isabel. As trapaças da sorte: ensaios de história política e história cultural. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2004.

KOWARICK, Lúcio. Trabalho e vadiagem: a origem do trabalho livre no Brasil. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

MALDONADO, Simone. Pescadores do mar. São Paulo: Ática, 1986.

MARTINS FILHO, João Roberto. A Marinha Brasileira na era dos encouraçados, 1895-1910: tecnologia, forças armadas e política. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

MATIAS, Felipe. Águas produtivas: mais peixes para mais Brasileiros. Brasília: MPA, 2008.

MARX, Karl. O capital. Livro 1, vol. 1. 8ª. ed. São Paulo: Difel, 1982a.

MARX, Karl. O capital. Livro 1, vol. 2. 8ª. ed. São Paulo: Difel, 1982b.

MARX, Karl. Formações econômicas pré-capitalistas. 6ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

MELLO, Alex Fiúza. A pesca sob o capital. Belém: Editora da UFPA, 1985.

MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA. Cartilha do pescador e aqüicultura: Plano safra da pesca e aqüicultura – 2012/2013/2014. Brasília: Ministério da Pesca e Aquicultura, 2012.

NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. A ressaca da marujada: recrutamento e disciplina na Armada Imperial. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2001.

NETO, José Dias. Gestão do uso dos recursos pesqueiros marinhos no Brasil. Brasília: Ibama, 2003.ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2006.

PAIVA, Melquíades Pinto. Administração pesqueira no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2004.

PARANHOS, Adalberto. O roubo da fala: origens da ideologia do trabalhismo no Brasil. 2ª. ed. São Paulo: Boitempo, 2007.

PRADO JÚNIOR, Caio. A questão agrária. São Paulo: Brasiliense, 2000.

RAMALHO, Cristiano Wellington Noberto. Pescadores artesanais e o poder público: um estudo sobre a Colônia de Pesca de Itapissuma, PE. 1999. Monografia (Graduação), Curso de Ciências Sociais, UFRPE, Recife.

RAMALHO, Cristiano Wellington Noberto. O conselho pastoral dos pescadores (CPP): a força de um mediador sociopolítico. In: CALLOU, Angelo Brás Fernandes (Org.). Movimentos sociais na pesca. Recife: FASA, 2013a, p. 153-185.

RAMALHO, Cristiano Wellington Noberto. O canto de sereia da aquicultura. In: SILVA, Tarcísio Augusto da; GEHLEN, Vitória Régia Fernandes (Orgs.). Conflitos socioambientais em Pernambuco. Recife: Editora Massangana, 2013b, p. 165-194.

TASSARA, Helena. Os vários pescadores artesanais. In: LINSKER, Roberto; TASSARA, Helena. O mar é uma outra terra. São Paulo: Terra Virgem, 2005, p. 29-64.

TIMM, José Ubirajara. O artesanato pesqueiro: suas origens, adversidades e perspectivas. O enfoque nacional e os aspectos da problemática catarinense. Revista de Administração Pública - FGV, Rio de Janeiro, vol. 12, n. 3, p. 183-224, jul-dez, 1978.

VALENCIO, Norma. Pescadores do Rio São Francisco: a produção social da inexistência. São Carlos: Rima, 2007.

VALENCIO, Norma; MENDONÇA, S. A. Teixeira de. O papel da modernidade no rompimento da tradição: as políticas da SEAP como dissolução do modo de vida da pesca artesanal. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo, 34(1), p. 107-116, 2008.

VIANNA, Oliveira. Populações meridionais do Brasil: história, organização, psicologia. Vol. 1. Belo Horizonte: Itatiaia, 1987.

VIEIRA, Paulo Freire. Gestão patrimonial dos recursos naturais: construindo o ecodesenvolvimento em regiões litorâneas. In: CAVALCANTI, Clóvis (Org.). Desenvolvimento e natureza: um estudo para uma sociedade sustentável. Recife: Massangana; São Paulo: Cortez, 1995, p. 293-322.

VILLAR, Frederico. A missão do Cruzador “José Bonifácio” – os pescadores na defesa nacional – a nacionalização da pesca e a organização dos seus serviços (1919-1923). Rio de Janeiro: Gráfica Laemmert Limitada, 1945.

WEFFORT, Francisco. Formação do pensamento político brasileiro: ideias e personagens. São Paulo: Ática, 2006.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 RURIS (Campinas, Online)

Downloads

Não há dados estatísticos.