Banner Portal
A família tal como ela é nos desenhos de criança
PDF

Palavras-chave

Desenhos de crianças
Gênero
Trabalho rural
Exploração econômico-social

Como Citar

SILVA, M. A. de M.; MELO, B. M. de; APPOLINÁRIO, A. P. A família tal como ela é nos desenhos de criança. RURIS (Campinas, Online), Campinas, SP, v. 1, n. 1, 2007. DOI: 10.53000/rr.v1i1.645. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ruris/article/view/16756. Acesso em: 27 fev. 2024.

Resumo

A partir da década de 1960, assistiu-se à vinda de milhares de trabalhadores, de várias áreas do país, para as cidades da região de Ribeirão Preto/SP, em busca de trabalho nas lavouras de café, cana e laranja. Essa migração foi responsável pelo surgimento de bairros periféricos, habitados por trabalhadores rurais, que vivem nas cidades e trabalham no campo. Na década de 1990, em virtude do processo de reestruturação produtiva, da precarização e do desemprego, a situação social dos trabalhadores se agravou muito. O objetivo deste artigo é a aná- lise dos efeitos desse processo sobre as famílias, a partir das representações das crianças, por meio dos seus desenhos

https://doi.org/10.53000/rr.v1i1.645
PDF

Referências

ARANTES, Antonio Augusto et al. (orgs.). Colcha de retalhos. Estudos sobre a família no Brasil, 2ª ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1993.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

COX, Maureen. Desenho de criança.São Paulo:Martins Fontes,2000.

DA MATTA, Roberto. A casa e a rua. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

DEJOURS, Christophe. A banalização da injustiça social, 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1999.

DEL PRIORE, Mary del (org.). História da criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1991.

DERDYK, Edith. Formas de pensar o desenho, desenvolvimento do grafismo infantil. São Paulo: Scipione, 1989.

DI LEO, Joseph H. A interpretação do desenho infantil. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

ELIAS, Norbert. O processo civilizacional. Lisboa: Dom Quixote, 1990.

FARIA, A. L. G. de; DEMARTINI, Z. B. F. e PRADO, P. D. (orgs.). Por uma cultura da infância. São Paulo: Autores Associados, 2002.

FONSECA, Cláudia. Caminhos da adoção. São Paulo: Cortez, 1995.

FONSECA, Cláudia. Família, fofoca e honra: etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2000.

FREITAG, Bárbara. Sociedade e consciência. Um estudo piagetiano na favela e na escola. São Paulo: Cortez, 1984, Coleção Educação Contemporânea.

GOBBI, Márcia. “Desenho infantil e oralidade”. In: FARIA, A. L. G. de; DEMARTINI, Z. B. F. e PRADO, P. D. (orgs.). Por uma cultura da infância. São Paulo: Autores Associados, 2002, p. 69-92.

GUSMÃO, Neusa Maria Mendes de. Terra de pretos, terra de mulheres,1ª ed. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 1996.

GUSMÃO, Neusa Maria Mendes de. “Infância e velhice: desafios da multiculturalidade”. In: GUSMÃO, N. M. M. (org.). Infância e velhice. Campinas: Alínea, 2003.

KALOUSTIAN, Sílvio Manoug (org.). Família brasileira. A base de tudo, 5ª ed. São Paulo: Cortez; Brasília: UNICEF, 2002.

LEITE, Miriam Moreira.Retratos de família. São Paulo: Edusp, Fapesp, 1993, Texto & Arte, v. 9.

MARTINS, José de Souza. “Regimar e seus amigos”. In: MARTINS, J. de S. (coord.). O massacre dos inocentes, a criança sem infância no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1991, p. 51-80.

MARX, Karl. “Manuscritos econômico-filosóficos”. In: MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos e outros textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1978, p. 3-48, Os Pensadores.

NEVES, Delma Pessanha. “Nesse terreno galo não canta. Estudo do caráter matrifocal de unidades familiares de baixa renda”, Anuário Antropológico, n. 83, p. 199-221. 1985.

RIVA, Léia Comar. A dinâmica do relacionamento entre pais e filhos de famílias de baixa renda: organização doméstica e negligência. Dissertação de mestrado, USP. Ribeirão Preto, 2006.

ROMANELLI, Geraldo. “Questões teóricas e metodológicas nas pesquisas sobre família e escola”. In: ZAGO, N. et al. (orgs.). Itinerários de pesquisa. Perspectivas qualitativas em sociologia da educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003, p. 245-64.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani.Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004, Coleção Brasil Urgente.

SARTI, Cyntia Andersen. A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. Campinas: Autores Associados, 1996.

SCHUARTZ, O. Le monde privé des ouvriers. Hommes et femmes du nord. Paris: PUF, 1990.

SCOTT, R. Parry. “O homem na matrifocalidade: gênero, percepção e experiências do domínio doméstico”.Cad. Pesq., n. 73, p. 38-47, 1990.

SILVA, Maria Aparecida de Moraes. “De colona à bóia-fria”. In: PIORE, Mary del. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, Edunesp, 1997, p. 554-77.

SILVA, Maria Aparecida de Moraes. Errantes do fim do século. São Paulo: Edunesp, 1999.

SILVA, Maria Aparecida de Moraes. “Se eu pudesse, eu quebraria todas as máquinas”. In: ANTUNES, R. e SILVA, M. A. M. (orgs.). O avesso do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2004, p. 29-78.

SILVEIRA, Paulo. “Da alienação ao fetichismo. Formas de subjetivação e de objetivação”. In: SILVEIRA, P. e DORAY, B. (orgs.). Elementos para uma teoria marxista da subjetividade. São Paulo: Vértice, Editora Revista dos Tribunais, 1989, p. 41-77.

SMITH, Raymond T. “The matrifocal family”. In: GOOD, J. (ed.).The charater of kins-ship.Cambridge: Cambridge University Press, 1973.

STOLCKE, Verena. Cafeicultura. Homens, mulheres e capital (1850-1980). São Paulo: Brasiliense, 1986.

STOLCKE, Verena. “A família que não é sagrada”. In: ARANTES, A. Augusto et al. (orgs.). Colcha de retalhos. Estudos sobre a família no Brasil, 2ª ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1993, p. 61-114.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2012 RURIS (Campinas, Online)

Downloads

Não há dados estatísticos.