Banner Portal
A longa evolução da relação rural-urbano
PDF

Palavras-chave

Desenvolvimento rural
Questão agrária
Sociologia rural

Como Citar

FAVARETO, A. da S. A longa evolução da relação rural-urbano: para além de uma abordagem normativa do desenvolvimento rural. RURIS (Campinas, Online), Campinas, SP, v. 1, n. 1, 2007. DOI: 10.53000/rr.v1i1.646. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/ruris/article/view/16755. Acesso em: 4 mar. 2024.

Resumo

Na base da emergência do que se convencionou chamar por “nova ruralidade” há um deslizamento no conteúdo social e na qualidade da articulação das suas três dimensões definidoras fundamentais: as relações rural–urbano, a proximidade com a natureza e os laços interpessoais. Os significados maiores dessa mudança são, de um lado, a erosão do paradigma agrário que sustentou as visões predominantes sobre o rural ao longo de todo o último século e, de outro, a intensificação de um longo e heterogêneo processo de racionalização da vida rural. Um processo através do qual o rural, em vez de desaparecer, se integra por completo à dinâmica mais ampla dos processos de desenvolvimento, por meio tanto da unificação dos diferentes mercados (de trabalho, de produtos e serviços, e de bens simbólicos) como também por meio da criação de instituições que regulam as formas de uso social desses espaços, agora amalgamando interesses que têm por portadores sociais segmentos originários também de outras esferas. Este artigo discute algumas dessas idéias, que conformam a tese de doutorado do autor, a partir de uma análise da longa evolução das relações rural–urbano, contribuindo assim para se pensar os processos de desenvolvimento rural para além de um viés eminentemente normativo.

https://doi.org/10.53000/rr.v1i1.646
PDF

Referências

ABRAMOVAY, Ricardo. Diversificação das economias rurais no Nordeste. Brasília: Relatório de Pesquisa NEAD, 2002.

ABRAMOVAY, Ricardo. O futuro das regiões rurais. Porto Alegre: Ed. da UFRGS,2003.

AYMARD, Maurice.“Autour des Annales – La ville selon Braudel”. In: SACHS, Ignacy (org.). Quelles villes pour quel developpement. Paris: Seuil, 1992.

BACKHAUS, Jurgen G. e MEIJER, Gerrit.“City and country – Lessons from european economic tought”. American Journal of Economics and Sociology, v. 60, n. 1, jan. 2001.

BAGNASCO, Arnaldo. La función de las ciudades en el desarrollo rural: la experiencia italiana”. Política Agrícola, número especial. 1997.

BAIROCH, Paul.“Cinq milénaires de croissance urbaine”. In: SACHS, Ignacy (org.). Quelles villes pour quel devellopement. Paris: Seuil, 1992.

BAIROCH, Paul. Economics and world history. Chicago: The University of Chicago Press, 1993.

BOSERUP, Ester. Evolução agrária e pressão demográfica. São Paulo: Hucitec, Polis, 1987.

BOURDIEU, Pierre. Le bal des célibataires – Crise de la société paysanne en Béarn. Paris: Seuil, 2002.

BRANDENBURG, Alfio.“Do rural tradicional ao rural socioambiental”. Paper apresentado no XII Congresso Brasileiro de Sociologia. Belo Horizonte, 2005.

BRAUDEL, Fernand. La dynamique du capitalisme. Paris: Flammarion, 1985.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo, 3 v. São Paulo: Martins Fontes, 1979/1995.

BUARQUE DE HOLANDA, Sérgio. Raízes do Brasil, 26ª ed. São Paulo: Cia. das Letras, 1936/1995.

CANDIDO, Antonio. Os parceiros do Rio Bonito. São Paulo: José Olympio, 1964.

CHAMPAGNE, Patrick. L’héritage refusé – La crise de la reproduction sociale de la paysannerie française – 1950-2000. Paris: Seuil, 2002.

COULOMB, Pierre. “Du secteur au territoire – Vers um nouveau modèle sócio-politique”. Pour, Paris, n. 130/131, p. 21-8. 1991.

DOMINGUES, José M.“A cidade: racionalização e liberdade”. In: SOUZA, Jessé (org.). A atualidade de Max Weber. Brasília: Ed. da UnB, 2000.

DUBY, Georges.“L’urbanisation dans l’histoire”. Études Rurales, n. 49-50, p. 10-4. Jan.-jun. 1973.

FAVARETO, Arilson. Paradigmas do desenvolvimento rural em questão – Do agrário ao territorial. Tese de doutorado. Procam/USP. São Paulo, 2006.

FRIEDLAND, William H. “The end of rural society and the future of rural sociology”. Rural Sociology, 47 (4), p. 598-608. 1982.

FRIEDLAND, William H. “Agriculture and rurality – Beginning the ‘final separation’?”. Rural Sociology, 67 (3), p. 350-71. 2002.

GARCIA JR., Afrânio R. e GRYNSZPAN, Mario.“Veredas da questão agrária e enigmas do Grande Sertão”. In: MICELI, Sérgio (org.). O que ler na ciência social brasileira. São Paulo: Anpocs; Brasília: Ed. Sumaré, CAPES, 2002, v. IV (1970-2002).

GRAZIANO DA SILVA, José. O novo rural brasileiro. Campinas: IE-Unicamp, 1999, Coleção Pesquisas, n. 1.

HERVIEU, Bertrand e VIARD, Jean. Au bonheur des campagnes. Paris:. L’Aube, 1996/2001.

IBGE, IPEA, NESUR-IE/UNICAMP. Caracterização e tendências da rede urbana do Brasil, 2 v. Campinas: IE/Unicamp, 1999.

INSEE, INRA. Les campagnes et leurs villes – Contours et caractères. Paris, 1998.

JACOBS, Jane. Cities and the wealth of nations. London: Penguin Books, 1984.

JEAN, Bruno. Territoires d’avenir – Pour une sociologie de la ruralité. PUQ, 1997.

JOLLIVET, M. “A vocação atual da sociologia rural”. Estudos Sociedade e Agricultura, n. 11, p. 5-25. Out. 1998.

JOLLIVET, M. e GERVAIS, M. Histoire de la France rurale. Paris:Seuil, 1976, tomo 4: La fin de la France paysanne: de 1914 à nos jours.

JULLIARD, E. “Urbanisation des campagnes”. Études Rurales, n. 49-50, p. 5-10. Jan.-jun. 1973.

KAYSER, Bernard. La renaissance rurale – Sociologie des campagnes du monde occidental. Paris: Armand Colin, 1990.

KAYSER, Bernard. Naissance de nouvelles campagnes. Paris: Datar, L’Aube, 1993.

LAMARCHE, Hugues. A agricultura familiar. Campinas: Ed. da Unicamp, 1993/1998, v. I, II.

LEFEBVRE, Henri. The production of space. Oxford: Blackwell, 1974/1995.

LEFEBVRE, Henri. A revolução urbana. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 1970/2002.

MAGNAGHI, Alberto. The urban village. London: Zed Books, 2005.

MARSDEN, Terry. “Rural futures: the consumption countryside and its regulation”. Sociologia Ruralis, v. 39, n. 4, p. 501-26. Out. 1999.

MARTINS, José de Souza. “As idéias-unidade da sociologia”. In: MARTINS, J. S. (org.). Introdução crítica à sociologia rural, 2ª ed. São Paulo: Hucitec, 1986.

MARTINS, José de Souza. “Conservadorismo e sociologia”. In: MARTINS, J. S. (org.). Introdução crítica à sociologia rural, 2ª ed. São Paulo: Hucitec.

MAZOYER, Marcel e ROUDART, Laurance. Histoire des agricultures du monde – Du Néolithique à la crise contemporaine. Paris: Seuil, 1997/2002.

MCcGRANAHAN, David (1999). “Natural amenities drive rural population change”. Agricultural Economic Report, n. 781. Washington, USDA-ERS, 1999.

MENDRAS, Henri. Societés paysannes. Paris: Armand Colin, 1976.

MENDRAS, Henri. La fin des paysans – Suive d’une refléxion sur la fin de paysans vint ans aprés. Paris: Actes Sud, 1984.

MINGIONE, Enzo e PUGLIESE, Enrico. “A difícil delimitação do ‘urbano’ e do ‘rural’ – Alguns exemplos e implicações teóricas”. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 22. Abr. 1987.

MONTE-MOR, Roberto L. M. “Outras fronteiras: novas espacialidades na urbanização brasileira”. In: CASTRIOTA, Leonardo B. (org.). Urbanização brasileira: redescobertas. Belo Horizonte: Ed. C/Arte, 2003.

MORMONT, Marc. À la recherche des especificités rurales, 2000, fotocopiado.

NAVARRO, Zander. “Desenvolvimento rural no Brasil – Os limites do passado e os caminhos do futuro”. Estudos Avançados – Dossiê Desenvolvimento Rural, v. 15, n. 43. Set.-dez. 2001.

NORTH, Douglass. Structure and change in economic history. New York, London: W. W. Norton & Company, 1981.

NORTH, Douglass. Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge University Press, 1990.

OCDE. Indicateurs territoriaux de l’emploi – Le point sur le devéloppement rural. Paris: OCDE, 1996.

PIERUCCI, Antônio Flávio. O desencantamento do mundo – Todos os passos do conceito em Max Weber. São Paulo: Ed. 34, 2003.

PROJETO CUT–CONTAG. Desenvolvimento e sindicalismo rural no Brasil. São Paulo, Brasília, 1998.

QUEIROZ, Maria Isaura P. “Do rural e do urbano no Brasil”. In: SZMRECSÁNYI, Tamás e QUEDA, Oriowaldo (orgs.). Vida rural e mudança social. São Paulo: Ed. Nacional, 1979.

RINGER, Fritz. Metodologia de Max Weber – Unificação das ciências sociais e culturais. São Paulo: Edusp, 2004.

RIST, Gilbert. Le développement: histoire d’une croyance occidentale. Paris: Presses de Sciences Po, 2001.

RIVERO, Oswaldo. O mito do desenvolvimento. Os países inviáveis no século XXI. Petrópolis: Vozes, 2002.

ROMERO, José Luis. América Latina – As cidades e as idéias. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 2004.

SANTOS, Afonso Carlos M. “As cidades como idéias – Apresentação”. In: ROMERO, José Luis. América Latina – As idades e as idéias. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 2004.

SOROKIN, P.; ZIMMERMAN, C. e GALPIN, C. “Diferenças fundamentais entre o mundo rural e o urbano”. In: MARTINS, J. S. (org.). Introdução crítica à sociologia rural. São Paulo: Hucitec, 1986.

VECCHIATTI, Karin. Desenvolvimento territorial rural: o diálogo entre sociedade, natureza e economia segundo Jane Jacobs. Dissertação de mestrado. Procam-USP, 2003.

VEIGA, José Eli. A face territorial do desenvolvimento. 1998. Relatório de pesquisa. Fapesp, São Paulo.

VEIGA, José Eli. A face rural do desenvolvimento – Natureza, território e agricultura. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2000.

VEIGA, José Eli. “Destinos da ruralidade no processo de globalização”. Estudos Avançados, n. 51, p. 51-67. Maio-ago. 2004.

VEIGA, José Eli. “Destinos da ruralidade – Um ‘zoom’ sobre a Itália”. Paper apresentado no XXIX Encontro Nacional da Anpocs. Caxambu. Out. 2005.

WANDERLEY, Maria de Nazareth B. “A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas; o “rural” como espaço singular e ator coletivo”. Estudos Sociedade e Agricultura, n. 15, p. 87-145. Out. 2000.

WEBER, Max. “A objetividade nas ciências sociais”. In: Max Weber. Coleção Grandes Cientistas Sociais. São Paulo: Ática, 1974.

WEBER, Max. Economia e sociedade, 2 v. Brasília: Ed. da UnB, 1998, 2000.

WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Cia. das Letras, 1904, 2004.

WILLIAMS, Raymond. The city and the country. London: Hogarth Press, 1985.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2012 RURIS (Campinas, Online)

Downloads

Não há dados estatísticos.