Adesão à higiene das mãos no município de Campinas/SP, no contexto da pandemia da COVID-19
Capa créditos: Gildenir C. Santos (Canva)
PDF

Palavras-chave

Higiene das mãos
Fidelidade a diretrizes
Comportamento de redução do risco

Como Citar

1.
Moraes PAT de, Vilas Boas VA, Lolo MGVT de. Adesão à higiene das mãos no município de Campinas/SP, no contexto da pandemia da COVID-19. CCFEU [Internet]. 30º de novembro de 2022 [citado 25º de julho de 2024];(2):e20224757. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/ccfenf/article/view/4757

Resumo

Introdução: A higiene das mãos protege profissionais de saúde, assim como pacientes, de infecções evitáveis. Entretanto, estudos relatam uma resistência dos profissionais à adesão desta prática. A pandemia da COVID-19 trouxe à tona a importância da higiene das mãos para a sua prevenção. Objetivo: Comparar o consumo de preparação alcoólica para higiene das mãos nas unidades de terapia intensiva, do município de Campinas/SP, antes e durante a pandemia da COVID-19. Método: Estudo analítico transversal, retrospectivo, por documentação indireta. Foram coletados dados referentes ao consumo mensal de preparação alcoólica (volume em mL e número de pacientes-dia), das unidades de terapia intensiva (UTI) de 18 hospitais gerais da rede pública e privada do município de Campinas/SP, no período de 2018 a 2021. Os dados foram obtidos a partir da planilha de notificação de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à assistência à saúde, enviada à Secretaria Municipal de Saúde. As análises foram realizadas, para cada um dos hospitais e para o município, considerando como ponto de mudança o início da pandemia. Resultados: A pandemia da COVID-19 resultou em uma mudança no consumo de preparação alcoólica para higiene das mãos. Novas medianas foram traçadas, com aumento de 34,03 para 57,64 nas UTIs de adultos, de 31,53 para 48,66 nas UTIs neonatais, e de 34,38 para 60,35 nas UTIs pediátricas. Observou-se uma tendência de queda conforme flexibilização do Plano São Paulo. Conclusão: A pandemia da COVID-19 proporcionou um aumento no consumo de preparação alcoólica para higiene das mãos. Isto pode ser devido à intensificação dos treinamentos realizados e do abastecimento de preparação alcoólica no ponto de assistência ao paciente, e ao aumento do número de internações em unidades de terapia intensiva. Estudos futuros são necessários para avaliar se essa experiência contribuirá para o aumento da adesão à higiene das mãos de forma sustentada.

https://doi.org/10.20396/ccfenf220224757
PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Pedro Antônio Teodoro de Moraes, Vanessa Aparecida Vilas Boas, Marcela Grispino Vieira Torres de Lolo

Downloads

Não há dados estatísticos.