Capacidade funcional de mulheres com câncer ginecológico e mamário hospitalizadas
Capa créditos: Gildenir C. Santos (Canva)
PDF

Palavras-chave

Avaliação de estado de Karnofsky
Atividades cotidianas
Saúde da mulher
Enfermagem oncológica

Como Citar

1.
Almeida LK de, Godoy GA, Balaminut T. Capacidade funcional de mulheres com câncer ginecológico e mamário hospitalizadas. CCFEU [Internet]. 30º de novembro de 2022 [citado 28º de fevereiro de 2024];(2):e20224741. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/ccfenf/article/view/4741

Resumo

Introdução: O declínio da capacidade funcional é frequente em pacientes oncológicos, afetando a independência na realização das atividades básicas e de vida diária. Objetivo: Analisar a capacidade funcional de mulheres com câncer ginecológico e/ou mamário hospitalizadas em unidades de oncologia, segundo a Escala de Desempenho de Karnofsky. Método: Estudo descritivo, longitudinal, prospectivo e quantitativo realizado nas unidades oncológicas clínica e cirúrgica de um hospital da mulher. Participaram 231 mulheres internadas com 18 anos ou mais e tempo de permanência mínima de 24 horas na unidade. Os dados foram coletados por um instrumento de caracterização e a Escala de Desempenho de Karnofsky (escore de 0% a 100%), aplicada na admissão e dentro de 24 horas após qualquer mudança clínica significativa durante a internação. A análise dos dados foi descritiva e inferencial, comparando variáveis sociodemográficas e clínicas com o escore da Escala de Desempenho de Karnofsky (teste Mann-Whitney). Aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa sob CAAE: 49160821.3.0000.5404, parecer: 4.910.826. Resultados: A capacidade funcional das mulheres hospitalizadas apresentou na admissão uma média do escore de 70,91% (±20,40), apontando que são incapazes para seguir com atividades normais ou trabalho ativo, porém conseguem fazer o autocuidado. A média do escore também diminuiu ao longo da hospitalização, conforme as alterações clínicas mais relevantes. A maior capacidade funcional foi relacionada à mulheres em tratamento cirúrgico, com câncer de mama, com menos de 60 anos, com companheiro, sem comorbidades associadas e sem a presença de metástase. Conclusão: Conhecer a capacidade funcional de mulheres internadas com câncer de mama e/ou ginecológico pode contribuir para o processo de cuidar da equipe de saúde durante a hospitalização das mesmas e nortear intervenções que previnam ou reduzam o comprometimento funcional, além de promover ações que melhorem a qualidade de vida destas mulheres.

https://doi.org/10.20396/ccfenf220224741
PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Lorrayne Karolina de Almeida, Gabriela Alves Godoy, Talita Balaminut

Downloads

Não há dados estatísticos.