Atuação do enfermeiro na prevenção da violência obstétrica
Capa créditos: Gildenir C. Santos (Canva)
PDF

Palavras-chave

Violência Obstétrica
Enfermeiras obstétricas
Parto humanizado
Violência obstétrica

Como Citar

1.
Souza ACO, Silva A de A e. Atuação do enfermeiro na prevenção da violência obstétrica. CCFEU [Internet]. 30º de novembro de 2022 [citado 18º de maio de 2024];(2):e20224739. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/eventos/index.php/ccfenf/article/view/4739

Resumo

Introdução: O período da gestação é um momento especial para as mulheres, é quando elas criam expectativas em relação aos seus filhos e ao primeiro contato, e é no parto onde essas expectativas se tornam realidade. Em contrapartida, surge o medo do parto, por se tratar de um momento doloroso e de vulnerabilidade para parturiente, onde ocorrem casos de violência obstétrica (VO) e dificilmente são identificadas. Objetivos: Analisar atuação do enfermeiro na prevenção da Violência Obstétrica, identificando as principais causas da VO. Método: Trata-se de uma revisão de literatura, com busca nas bases de dados BVS e SciELO. Foram selecionados 09 artigos que atenderam aos critérios do tema escolhido, publicados de 2012 a 2022, no idioma português e inglês. Resultados: Com base nos artigos mesmo com uma alta incidência de VO, a vulnerabilidade que a parturiente vivencia durante o parto acarreta na dificuldade de identificar a violência obstétrica, o que levanta a necessidade de estar acompanhada por um profissional que respeite seus direitos e que saiba identificar e prevenir a VO. Além disso existe falha no relacionamento da equipe com a mulher, sendo necessário o desenvolvimento da confiança. É fundamental que o profissional explique e peça permissão antes de realizar qualquer procedimento. Os artigos também apontaram a importância de melhorias estruturais nas instituições para prevenir e identificar a VO. Conclusão: A violência obstétrica pode ser física, psicológica, dentre outros e é de difícil detecção, mas pode ser enfrentada a partir de uma alteração no modelo de relacionamento da equipe com a mulher. Para a redução dos casos de VO é fundamental a atuação preventiva do enfermeiro, sendo este o profissional apto e qualificado para evitar a realização de intervenções desnecessárias, juntamente com melhora estrutural das instituições, com equipes treinadas, que respeitem os direitos da parturiente, visando a humanização no parto.

https://doi.org/10.20396/ccfenf220224739
PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Ana Cristina Oliveira Souza, Andreara de Almeida e Silva

Downloads

Não há dados estatísticos.