Querida Heloisa / Dear Heloisa: cartas de campo para Heloisa Alberto Torres

Autores

Mariza Correa
Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Torres, Heloisa Alberto, 1895-1977 - Correspondência, Cartas brasileiras – Coletânea

Sinopse

No outono de 1949, uma foto da Quarta Sessão da Conferência Geral da Unesco, em Paris, registrava uma cena pouco usual naquelas assembléias - a presença de uma mulher brasileira como representante do governo de seu país e integrante de uma comissão multinacional vinculada a um projeto da própria Unesco. Quem era aquela senhora elegante de cinqüenta e quatro anos e o que fazia ela naquele cenário repleto de chapéus masculinos? Para tentar entender como a brasileira Heloisa Alberto Torres chegou a Paris no mesmo ano em que Simone de Beauvoir lançava lá um livro que marcaria o destino das mulheres no século passado, precisamos retroceder um pouco no tempo e nos perguntar também como aquela senhora se tornou a primeira dama da antropologia brasileira pela mesma época. Nascida no finalzinho do século dezenove, em 1895, Heloisa Alberto Torres teve uma infância e adolescência muito semelhantes às de suas conterrâneas das famílias da elite brasileira: seu pai, Alberto Torres, intelectual e político importante da Primeira República5, não só levou seus três filhos à Europa, como lhes proporcionou uma estadia em colégios ingleses antes de internar as meninas - Heloisa e Marieta (Maria) - numa boa escola católica brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariza Correa, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Campinas. Pesquisadora do Pagu/Núcleo de Estudos de Gênero da Universidade Estadual de Campinas.

Januária Pereira Mello

Graduada em Ciências Sociais - Especialidade em Antropologia, pela Universidade Estadual de Campinas.  Mestre em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Prática em Desenvolvimento Sustentável da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 

Referências

ALVES, Branca Moreira. Ideologia & feminismo: a luta da mulher pelo voto no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1980.

CASTRO, F. A contribuição de E. Roquette-Pinto para a Antropologia brasileira. Antropologia – escritos exumados. Espaços circunscritos: tempos soltos – 1. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 1998.

CONSELHO de Fiscalização das Expedições Artísticas e Científicas no Brasil. São Paulo: Editora Hucitec/ANPOCS, 1998.

CORRÊA. M. Antropólogas & Antropologia. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

FARDON, Mary Douglas. An intellectual biography. London & New York, Routledge, 1999.

FREIRE, Carlos A. Rocha. Indigenismo e Antropologia: o Conselho Nacional de Proteção aos Índios na gestão Rondon (1939-1955). Dissertação de Mestrado, PPGAS/Museu Nacional/UFRJ, 1990.

LETTRES d’une femme rangée, Cahiers du Brésil Contemporain, n. 47/48, 2002.

MAIO, Marcos Chor (org.). Ciência, Política e relações internacionais: “ensaios sobre Paulo Carneiro”. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz e Unesco, 2005.

REVISTA do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n.1, p.9-30., Rio de Janeiro, 1937.

RIBAS, João Baptista Cintra. O Brasil é dos brasilianos. Medicina, Antropologia e Educação na figura de Roquette-Pinto. Dissertação de mestrado, Antropologia, IFCH/Unicamp, 1990.

RIBEIRO, Adélia. Heloisa Alberto Torres e Marina São Paulo de Vasconcellos.

Downloads

Publicado

julho 22, 2020

Licença

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Detalhes sobre essa publicação

ISBN-13 (15)

978-65-

Date of first publication (11)

2008

Dimensões físicas

14cm x 21cm x 5cm