Humanização em saúde

Autores

  • Manoel Loyola Agustinho Universidade Estadual de Campinas
  • Teresa Helena Portela Freire De Carvalho Universidade Estadual de Campinas
  • Miriam Susana Locatelli Marques Da Silva Universidade Estadual de Campinas
  • Maria Elenice Quelho Areias Universidade Estadual de Campinas
  • F. C. T. Martins Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sinteses.v0i2.8734

Palavras-chave:

PNH. Humanização de serviços

Resumo

A Coordenadoria de Serviços Social conhecida como o Centro de Saúde da Comunidade (Cecom), foi criada em 1986 e atende à comunidade de alunos, funcionários docentes e não docentes da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, cerca de 30.000 pessoas. O Programa de humanização do CECOM-CSS foi baseado na Política Nacional de Humanização (PNH) e a sustentação política foi o planejamento estratégico institucional realizado com a participação de todo o sistema de chefias do Cecom em 2003 e revisto em 2005. É importante ressaltar que a motivação para a criação do grupo surgiu a partir da recomendação da Administração Superior da Unicamp. A busca pela humanização dos serviços é o resultado das relações entre os atores envolvidos (funcionários administrativos, funcionários da assistência e comunidade de usuários) de forma humanizada segundo a Política Nacional de Humanização/Humaniza SUS, aprimorando as relações entre profissionais, usuários, dos profissionais entre si e do Cecom com a comunidade. O Grupo de humanização do Cecom composto por representantes de todos os segmentos da comunidade do Cecom tem como atribuições: difundir os princípios norteadores da PNH; pesquisar e levantar os pontos críticos do funcionamento de cada serviço de sua rede de referência; promover o trabalho em equipes multiprofissionais, estimulando a transversalidade e a grupalidade; propor uma agenda de mudanças que possam beneficiar os usuários e os profissionais de saúde; incentivar a democratização; divulgar; fortalecer e articular as iniciativas humanizadoras existentes, melhorar a comunicação e a integração do serviço de saúde com a comunidade. A identificação dos coordenadores do GTH Cecom com a proposta de EDWARD DEMING( apud William W. Schekenbach, 1991) de que as mudanças efetivas de comportamento se dão através da integração dos aspectos físico, lógico e emocional foi um facilitador para o trabalho do grupo. A aceitação desta crença foi fundamental para direcionar as ações propostas, que sempre procuraram não negligenciar nenhum destes aspectos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Loyola Agustinho, Universidade Estadual de Campinas

CECOM/UNICAMP

Teresa Helena Portela Freire De Carvalho, Universidade Estadual de Campinas

CECOM/UNICAMP

Miriam Susana Locatelli Marques Da Silva, Universidade Estadual de Campinas

CECOM/UNICAMP

Maria Elenice Quelho Areias, Universidade Estadual de Campinas

CECOM/UNICAMP

F. C. T. Martins, Universidade Estadual de Campinas

CECOM/UNICAMP

Publicado

2016-09-12

Como Citar

AGUSTINHO, M. L.; CARVALHO, T. H. P. F. D.; SILVA, M. S. L. M. D.; AREIAS, M. E. Q.; MARTINS, F. C. T. Humanização em saúde. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, n. 2, p. 277–277, 2016. DOI: 10.20396/sinteses.v0i2.8734. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/8734. Acesso em: 7 out. 2022.

Edição

Seção

Eixo 3 - Desenvolvimento Humano, Saúde e Qualidade de Vida

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>