Quilombos e ensino universitário: significados, ingresso e permanência

Autores

  • Antonio Alves Neto Universidade Estadual de Campinas
  • C. C. Lopes Universidade Estadual de Campinas
  • R. A. Dutra Universidade Estadual de Campinas
  • Daniela Batista de Oliveira Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sinteses.v0i2.8581

Palavras-chave:

Quilombolas. Comunidade Universitária. Estratégias Educativas.

Resumo

A presente proposta foi desenvolvida dentro do processo de interação entre a Universidade Estadual de Campinas e as Associações de Quilombo do Médio Vale do Ribeira, com os quais a universidade mantém ações de extensão desde julho de 2003, através do Programa Comunidades Quilombolas (PCQ) e sua Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (PREAC). Os Quilombos do Médio Vale do Ribeira enfrentam sérias limitações ao seu desenvolvimento socioeconômico apresentando dificuldades para a geração de renda, para a integração e comunicação interna e externa, para o acesso a novas tecnologias, além de outras características decorrentes de um longo período de isolamento territorial, social e político, como as limitações para o uso e título da terra. Com a aprovação do artigo 68, na Constituição de 1988, (garantindo aos remanescentes de quilombos o direito à terra) e, especialmente a partir do início desta década, com aumento das políticas e ações públicas dirigidas as Comunidades Quilombolas no Brasil, houve avanços nas oportunidades para a melhoria da qualidade de vida destas populações. Diante disso, a articulação entre as Associações de Quilombo e destas com outros agentes do desenvolvimento local – como órgãos públicos, universidades e entidades civis – tem sido uma das principais estratégias adotadas pelas lideranças quilombolas do Vale do Ribeira para superar as dificuldades de suas comunidades. Ademais, a articulação e a integração das comunidades quilombolas entre si também é um tema em avanço e tem-se conquistado cada vez mais força, a despeito de todas as dificuldades encontradas. A Unicamp, através de suas inúmeras ações e projetos de extensão comunitária, tem demonstrado sua capacidade institucional de colocar o potencial acadêmico em atendimento as demandas de segmentos e grupos em situação de vulnerabilidade e risco social - como é o caso destas comunidades – para a construção conjunta do conhecimento através de um processo de mútua inserção social que parte do respeito à diversidade e da inclusão das diferenças dentro de uma relação que se pretende dialógica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Alves Neto, Universidade Estadual de Campinas

PREAC/ UNICAMP

C. C. Lopes, Universidade Estadual de Campinas

PREAC/ UNICAMP

R. A. Dutra, Universidade Estadual de Campinas

PREAC/ UNICAMP

Daniela Batista de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas

PREAC/ UNICAMP

Downloads

Publicado

2016-09-12

Como Citar

NETO, A. A.; LOPES, C. C.; DUTRA, R. A.; OLIVEIRA, D. B. de. Quilombos e ensino universitário: significados, ingresso e permanência. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, n. 2, p. 212–212, 2016. DOI: 10.20396/sinteses.v0i2.8581. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/8581. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

Eixo 2 - Desenvolvimento de Ensino, Pesquisa e Extensão