Avaliação molecular dos genes hla de classe i e ii e seu efeito na associação com leucemia mielóide crônica

Autores

  • T. A. R. Fernandes Universidade Estadual de Campinas
  • M. T. Frota Universidade Estadual de Campinas
  • Margareth Batistella Araujo Universidade Estadual de Campinas
  • Vera Cecilia Sabino de Oliveira Universidade Estadual de Campinas
  • C. I. Cagliari Universidade Estadual de Campinas
  • C. R. S. Correa Universidade Estadual de Campinas
  • H. S. Kraemer Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sinteses.v0i2.8321

Palavras-chave:

Leucemia mielóide aguda. Genes HLA-classe I e II.

Resumo

A Leucemia Mielóide Crônica (LMC) é uma doença clonal onde há expansão da “Stem Cell” e proliferação de todas as etapas maturativas granulocítica na medula óssea.Fatores ambientais e genéticos tem um papel importante na LMC, assim como, a associação HLA tem sido considerado como um possível fator de risco genético. O objetivo é avaliar em estudo retrospectivo a distribuição dos alelos HLA de classe I e II em pacientes com LMC e no grupo controle de indivíduos sadios. Foram estudados um total 27 pacientes portadores de leucemia mielóide crônica e um controle de 654 indivíduos sadios. As amostras foram extraídas e purificadas através do método “Salting Out”. O DNA foi amplificado por DNA/PCR/SSP para tipificação HLA de classe I e II em nível de média resolução. A análise estatística foi realizada usando-se o teste Exato de Fisher. Observou-se que os alelos HLA-A*01 e HLA-A*24 apresentaram diminuídos nos pacientes, estatisticamente significante quando comparado ao grupo-controle, p=0,05 e OR=0,17 IC de (0,01-1,23) e p=0,05 e OR=0,16 IC de (0,01-1.18), respectivamente. E os alelos HLA-A*02, HLACw*05, HLA-DQB1*03 e HLA-DQB1*06 apresentaram aumentados nos pacientes, estatisticamente significante quando comparado ao controle, p<0,02;OR=0,57; IC de (0,39-0,84); p<0,0002; OR=0,05; IC de (0,01-0,18); P<0,005; OR+0,65; IC de (0,52-0,80) e p<0,04; OR+0,62; IC de (0,42-0,90) respectivamente. Devido ao extenso polimorfismo do Complexo Principal de Histocompatibilidade, a presença dos genes variam muito entre os haplótipos. Acreditamos que trabalhos futuros com casuística maior e/ou multicêntrico serão necessários para contribuir no entendimento do papel do HLA na patogênese da LMC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

T. A. R. Fernandes, Universidade Estadual de Campinas

FCM/ UNICAMP

M. T. Frota, Universidade Estadual de Campinas

FCM/ UNICAMP

Margareth Batistella Araujo, Universidade Estadual de Campinas

FCM/ UNICAMP

Vera Cecilia Sabino de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas

HC/ UNICAMP

C. I. Cagliari, Universidade Estadual de Campinas

HC/ UNICAMP

C. R. S. Correa, Universidade Estadual de Campinas

HC/ UNICAMP

H. S. Kraemer, Universidade Estadual de Campinas

HC/ UNICAMP

Downloads

Publicado

2016-09-12

Como Citar

FERNANDES, T. A. R.; FROTA, M. T.; ARAUJO, M. B.; OLIVEIRA, V. C. S. de; CAGLIARI, C. I.; CORREA, C. R. S.; KRAEMER, H. S. Avaliação molecular dos genes hla de classe i e ii e seu efeito na associação com leucemia mielóide crônica. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, n. 2, p. 139–139, 2016. DOI: 10.20396/sinteses.v0i2.8321. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/8321. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Eixo 2 - Desenvolvimento de Ensino, Pesquisa e Extensão

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)