Banner Portal
Avaliação e correlação da proteína c-reativa e da homocisteína em indivíduos chagásicos crônicos na forma indeterminada e cardíaca da doença
PDF

Palavras-chave

Doença de Chagas. Homocysteína. Cardiopatia.

Como Citar

SILVA, Conceição A. da; SOUZA, Aglecio Luiz de; HADDAD, R.; HOER, Nelci Fenalti; EBERLIN, Marcos Nogueira; GUARIENTO, Maria Helena; ALMEIDA, Eros Antonio de; JULIAN, Maria Lucimeia Fernandes. Avaliação e correlação da proteína c-reativa e da homocisteína em indivíduos chagásicos crônicos na forma indeterminada e cardíaca da doença. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, n. 2, p. 138–138, 2016. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/8317. Acesso em: 24 abr. 2024.

Resumo

Os níveis plasmáticos elevados de homocisteína (Hcy) têm sido sugeridos como provável fator de risco para infarto do miocárdio, e também parece ser um potente agente apoptótico de células T. Por outro lado, a proteína–C reativa (CRP) pode afetar a relação hospedeiro-parasita por modificar o comportamento das células imunes. Como na doença de Chagas tem sido descrito o envolvimento destes mecanismos na patogênese das lesões, pode haver alguma modificação nestes dois marcadores nesta doença. Devemos descrever os níveis plasmáticos de homocisteína e proteína-C reativa em indivíduos com doença de Chagas na forma indeterminada e cardíaca, seguidos no Ambulatório de Doença de Chagas – GEDoCH no Hospital das Clínicas/HC-Unicamp. Foram avaliados pacientes que pertencem aos grupos: chagásico Forma Indeterminada C-IND ( 13F/16M; IMC= 23,8±0,8 kg/m2 ; 37±10a ), e 139 Livro de Resumos do II SIMTEC - Simpósio de Profissionais da Unicamp chagásico com Cardiopatia (C-DC) = 6F/12M; IMC= kg/m2 ; 45±7a e sorologia negativa para Chagas aparentemente normal (14F/10M; IMC= 22,9±1,8 kg/m2 ;33±9a). A análise de PCR foi realizada em amostras séricas basais, por imunonefelometria, utilizando-se kit comercial de alta sensibilidade (Dade Behring). A análise da CRP foi feita através de ensaios imunonefelométricoso no BN-120765 analyzer (Dade Behring) a homocisteína foi realizada através de cromatografia líquida de alta performance (Canada, Byosystems). Os testes estatísticos utilizados foram: teste Quiquadrado utilizados para dados categóricos, (p=0,005) e o teste (Tukey) para comparação múltipla. Os resultados não houve diferença estatística dos níveis plasmáticos de homocisteína entre os grupos estudados. Os valores de proteína C - reativa foram maiores nos grupos de chagásicos: na forma Indeterminada e chagásicos com cardiopatia, quando comparado aos controles. Houve diferença estatística entre o grupo chagásicos na forma indeterminada e cardíaca em relação à CRP. De forma que a mesma poderia ser utilizada como marcador de acometimento na determinada cardiopatia já é utilizada em doença Chagas.

PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Conceição A. da Silva, Aglecio Luiz de Souza, R. Haddad, Nelci Fenalti Hoer, Marcos Nogueira Eberlin, Maria Helena Guariento, Eros Antonio de Almeida, Maria Lucimeia Fernandes Julian

Downloads

Não há dados estatísticos.