Práticas rotineiras na assistência ao parto da região metropolitana de Campinas, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/sinteses.v0i6.8235

Resumo

As últimas décadas testemunharam uma expansão no desenvolvimento e uso de práticas, com o objetivo de melhorar os resultados para mães e bebês no trabalho de parto institucional. No Brasil, ocorrem aproximadamente 3 milhões de nascimentos/ano, 98% destes em hospitais, públicos ou privados. O modelo vigente de atenção obstétrica utiliza intervenções como episiotomia, uso de ocitocina e cesárea, habitualmente recomendadas em situações de necessidade têm sido utilizadas de forma liberal. Existem variações, em nível mundial, quanto ao local, nível de cuidados, sofisticação dos serviços disponíveis e tipo de provedor para o parto normal. A adoção acrítica de intervenções não efetivas, de risco ou desnecessárias compromete a qualidade dos serviços oferecidos. Para garantir a qualidade da assistência oferecida nos serviços, é preciso enfocar as condições físicas e insumos, mas também a manutenção e promoção da competência dos profissionais. A isso, soma-se manter mecanismos de monitoramento das práticas clínicas, para avaliar se estão em conformidade com padrões de conduta e os resultados decorrentes desta prática. Descrever práticas rotineiras no parto em maternidades públicas da região metropolitana de Campinas (RMC).Estudo descritivo de 16 serviços obstétricos, usando o "Instrumento de avaliação de boas práticas no parto" (Ministério da Saúde) e um questionário complementar, respondido pelos gestores locais, de agosto-outubro/2014.Treze hospitais utilizavam partograma, 10 utilizavam ocitocina no trabalho de parto, nove executavam episiotomia, e 14 realizavam manejo ativo do 3o período. A maioria realizava indução em gestação prolongada e ruptura prematura de membranas, e 15 tinham protocolos para hipertensão grave e profilaxia de Streptococcus do grupo B. Cinco não utilizavam antibiótico nas cesáreas, produtos hemoterápicos eram indisponíveis em quatro hospitais e oito não poderiam cuidar de pacientes críticos. Práticas recomendadas estavam disponíveis na maioria dos hospitais, mas algumas rotinas eram excessivas e outras precisavam ser aprimoradas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fatima Filomena Mafra Christoforo, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Ciências da Saúde/UNICAMP. 

Eliana Martorano Amaral, Universidade Estadual de Campinas

Docente da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas.

Carmen Cecilia Lavras, Universidade Estadual de Campinas

Atualmente é coordenadora e pesquisadora no Núcleo de Estudos em Políticas Públicas da UNICAMP.

Downloads

Publicado

2016-10-27

Como Citar

CHRISTOFORO, F. F. M.; AMARAL, E. M.; LAVRAS, C. C. Práticas rotineiras na assistência ao parto da região metropolitana de Campinas, Brasil. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, n. 6, p. 88–88, 2016. DOI: 10.20396/sinteses.v0i6.8235. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/8235. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Eixo 2 - Desenvolvimento de Ensino, Pesquisa e Extensão

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)