Ambulatório de estimulação visual infantil: procedimentos e rotinas

Autores

  • Anita Zimmermann Universidade Estadual de Campinas
  • Sara Dias Souza Universidade Estadual de Campinas
  • Keila Miriam Monteiro Carvalho Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sinteses.v1i3.7928

Palavras-chave:

Estimulação visual infantil. Baixa visão. Visão subnormal

Resumo

O Ambulatório de Estimulação Visual Infantil, situado no Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas, responde à demanda da clientela da Disciplina de Oftalmologia atendendo crianças na faixa etária de zero a cinco anos. Após a avaliação oftalmológica, constatando-se o comprometimento visual em sua funcionalidade, a criança passa por avaliação da visão funcional a nível qualitativo, para se verificar a necessidade ou não da estimulação visual. Caso seja evidenciada a necessidade, a família e/ou os terapeutas envolvidos com a criança, são orientados quanto à Estimulação Visual, podendo a mesma ser realizada na própria casa da criança, instituições de ensino e/ou terapêuticas. A Estimulação Visual é um procedimento simples e deve fazer parte da rotina da vida da criança, sendo possível de ser realizada em todas suas atividades de vida diária, ou seja, no banho, na hora da alimentação, em passeios ou outras situações. Os materiais utilizados são os objetos de uso diário da criança, dando-se preferência a brinquedos coloridos, fáceis de serem higienizados, sem pontas e que despertem o interesse da criança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anita Zimmermann, Universidade Estadual de Campinas

UNICAMP/FCM/Ambulatório de Estimulação Visual

Sara Dias Souza, Universidade Estadual de Campinas

UNICAMP/FCM/Ambulatório de Estimulação Visual

Keila Miriam Monteiro Carvalho, Universidade Estadual de Campinas

UNICAMP/FCM/Ambulatório de Estimulação Visual

Downloads

Publicado

2016-08-16

Como Citar

ZIMMERMANN, A.; SOUZA, S. D.; CARVALHO, K. M. M. Ambulatório de estimulação visual infantil: procedimentos e rotinas. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, v. 1, n. 3, p. 334–335, 2016. DOI: 10.20396/sinteses.v1i3.7928. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/7928. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Eixo 5 - Área de Desenvolvimento Humano e Qualidade de Vida