Banner Portal
A fotopintura na coleção Teodoro de Souza Campos: identificação, diagnóstico e tratamento
PDF

Palavras-chave

Fotografia. Fotopintura. Conservação

Como Citar

MARCONDES, Marli Aparecida. A fotopintura na coleção Teodoro de Souza Campos: identificação, diagnóstico e tratamento. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, v. 1, n. 3, p. 7–8, 2016. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/7619. Acesso em: 12 abr. 2024.

Resumo

A prática da fotopintura remete aos primórdios da fotografia, cuja invenção data de 1839, na França. Em 1840 teve início o processo de coloração e a primeira patente foi registrada na Inglaterra em 1841. A partir dessa data novos procedimentos foram anunciados, na Europa e EUA, sob a designação de melhoramento em fotografia. Inicialmente a coloração era efetuada sobre a imagem fotográfica impressa numa placa metálica, o daguerreótipo. Com a evolução técnica os suportes fotográficos foram substituídos por outros mais eficientes, ou mais baratos, e que exigiam novos procedimentos de coloração. No final do século XIX e início do século XX as fotopinturas passaram a ser produzidas com imagens fotográficas ampliadas em baixa resolução, em suporte de papel, e utilizavam novas técnicas pictóricas, como a pintura a óleo, aquarela, guache, nanquim, pastel, crayon e carvão. O presente trabalho pretende demonstrar os procedimentos efetuados no tratamento desse tipo de documentação, usando como modelo um retrato fotopintado da coleção Teodoro de Souza Campos - Centro de Memória-UNICAMP. Propõe elucidar as etapas do tratamento da fotopintura, desde a identificação da imagem, passando pelo diagnóstico de conservação com exames de iluminação e análise microscópica, e finalmente o tratamento para estabilização e acondicionamento.
PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Marli Aparecida Marcondes

Downloads

Não há dados estatísticos.