Mediações possíveis entre surdez e oralidade em uma sala de aula inclusiva

Autores

  • Ademilde Félix Gomes Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sinteses.v4i4.7553

Palavras-chave:

Inclusão. Escola pública. Surdez. Língua de sinais

Resumo

Várias pesquisas discutem as dificuldades enfrentadas pelos surdos na escola inclusiva. Há relatos de que esses aprendizes, nesses contextos, não participam das atividades da sala de aula, ficam isolados e não aprendem. Muitos surdos comunicam-se somente em LIBRAS e, em decorrência dessa situação, apresentam enormes dificuldades em um contexto onde toda comunicação é feita em português. Como não se comunica por não entender o que está ocorrendo, sua aprendizagem, quando e se ocorre, acontece de maneira deficiente. Desse modo, o surdo está sempre em desvantagem em relação ao ouvinte. Entretanto, há autores que se mostram favoráveis à inclusão e argumentam que esse movimento permite a socialização entre alunos surdos e ouvintes, é possibilitado ao “diferente” tornar-se conhecido, é possível dar visibilidade ao surdo e o ouvinte compreende melhor a surdez [MANTOAN, M.T., 2002].Com base nestes dados, o objetivo deste trabalho é o de verificar o que ocorre em uma sala de aula de uma escola pública onde há 4 alunos surdos que se comunicam em LIBRAS estudando. Observo se, como advogam os defensores da escola inclusiva, há socialização entre surdos e ouvintes neste contexto de bilinguismo.O resultado dessa pesquisa mostra que a aprendizagem é deficitária para este grupo e a interação entre os surdos e ouvintes nesse contexto é muito tímida. Entretanto, a presença de 4 surdos em uma mesma sala é importante pois eles não ficam isolados. Além disso, elementos da cultura surda - a língua de sinais, neste caso - tornam-se visíveis. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ademilde Félix Gomes, Universidade Estadual de Campinas

UNICAMP

Downloads

Publicado

2016-07-15

Como Citar

GOMES, A. F. Mediações possíveis entre surdez e oralidade em uma sala de aula inclusiva. Sínteses: Revista Eletrônica do SimTec, Campinas, SP, v. 4, n. 4, p. 114–114, 2016. DOI: 10.20396/sinteses.v4i4.7553. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/simtec/article/view/7553. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Eixo 2 - Projetos Institucionais no Desenvolvimento de Ensino, Pesquisa e Extensão